sexta-feira, 25 de outubro de 2013

CICLO TRIENAL (e vídeo) - SEDRAH 133 (Semana de 20 a 26 de outubro/2013)

Torah: Devarim/Deuteronômio 12:20-15:6
Tema: Contra as Impurezas Alimentares e Cultuais
Haftarah:  Yermiyahu/Jeremias 14; Michah/Miqueias 3; Zecharyah/Zacarias 11, 13
Tema(s): Sobre a carne com sangue; As Seduções da idolatria / Animais puros e impuros ; Contra os Profetas Iniquos; 
Shirim U’Chochmah: Shir HaShirim/Cântico dos Cânticos 4:16 - 5:11
Tema: A Beleza da Amada
Shir Mizmor: Tehilim/Salmos 133
Tema: A Harmonia entre os achim/irmãos


TORAH
Devarim/Deuteronômio 12:
Sobre a carne com sangue —  20Quando O Etermo teu Elohim tiver alargado teu território, conforme te falara, e disseres: "Eu queria comer carne!", caso desejes comer carne, podes comer carne o quanto queiras. 21Se o lugar escolhido pelo Eterno teu Elohim para aí colocar o Seu Nome estiver muito longe de ti, poderás então imolar das vacas e ovelhas que O Eterno teu Elohim te houver dado, conforme te ordenei. Poderás comer nas tuas cidades o quanto desejares. 22Do mesmo modo como se come a gazela e o cervo, assim as comerás: o puro junto com o impuro. 23Sê firme, contudo, para não comeres o sangue, porque o sangue é a vida. Portanto, não comas a vida com a carne. 24Jamais o comerás! Derrama-o por terra como água. 25Não o comas, para que tudo corra bem a ti e a teus filhos depois de ti, pois deste modo estarás fazendo o que é reto aos olhos dO Eterno. 26Todavia, das coisas que te pertencem, tomarás o que tiveres consagrado, bem como teus sacrifícios votivos, e irás ao lugar que O Eterno houver escolhido. 27Oferecerás teus holocaustos — a carne e o sangue — sobre o altar dO Eterno teu Elohim: o sangue dos teus sacrifícios será derramado sobre o altar dO Eterno teu Elohim, e comerás a carne. 28Ouve com atenção, para pores em prática todas as coisas que te ordeno, para que tudo corra bem a ti e a teus filhos depois de ti, para sempre, pois estarás fazendo o que é bom e reto aos olhos dO Eterno teu Elohim.
Contra os cultos cananeus — 29Quando O Eterno teu Eloim houver destruído as nações para onde te diriges, para te apoderares delas, e as tiveres conquistado e habitares em suas terras, 30fica atento a ti mesmo! Não te deixes seduzir, não vás seguir o que ele havia exterminado da tua frente; não procures pelos seus deuses, dizendo: "Como estas nações serviam os seus deuses? Vou fazer o mesmo!" 31Não procederás deste modo para com O Eterno teu Elohim! Pois elas faziam a seus deuses tudo o que é abominação para O Eterno, tudo o que Ele detesta: por seus deuses chegaram até a queimar os próprios filhos e filhas! 

Devarim/Deuteronômio 13:
1Cuidareis de pôr em prática tudo o que eu vos ordeno. Nada acrescentarás e nada tirarás!
Contra as seduções da idolatria — 2Quando surgir em teu meio um profeta ou um intérprete de sonhos, e te apresentar um sinal ou um prodígio, 3se este sinal ou prodígio que ele anunciou se realiza e ele te diz: "Vamos seguir outros deuses (que não conheceste) e servi-los", — 4não ouças as palavras desse profeta ou desse intérprete de sonhos. Porque é O Eterno vosso Elohim que vos experimenta, para saber se de fato amais O Eterno vosso Elohim com todo o vosso coração e com todo o vosso ser. 5Seguireis O Eterno vosso Elohim e a Ele temereis, observareis Seus mandamentos e obedecereis à Sua voz, a Ele servireis e a Ele vos apegareis. 6Quanto ao profeta ou intérprete de sonhos, deverá ser morto, pois pregou a rebeldia contra O Eterno vosso Elohim, que vos fez sair da terra de Mitzrayim/Egito e vos resgatou da casa da escravidão, para te afastar do caminho em que O Eterno teu Elohim te ordenou caminhar. Deste modo extirparás o mal do teu meio. 7Se teu irmão — filho do teu pai ou da tua mãe —, teu filho, tua filha, ou a mulher que repousa em teu seio, ou o amigo que é como tu mesmo, quiser te seduzir secretamente, dizendo: "Vamos servir a outros deuses", deuses que nem tu nem teus pais conheceram, 8— deuses de povos vizinhos, próximos ou distantes de ti, de uma extremidade da terra à outra, 9não lhe darás consentimento, não o ouvirás, e que teu olho não tenha piedade dele; não uses de misericórdia e não escondas o seu erro. 10Pelo contrário: deverás matá-lo! Tua mão será a primeira a matá-lo e, a seguir, a mão de todo o povo. 11Apedreja-o até que morra, pois tentou afastar-te dO Eterno teu Elohim, que te fez sair da terra do Egito, da casa da escravidão. 12E todo Yisra'El ouvirá, ficará com medo e nunca mais se fará uma ação má como esta em teu meio. 13Caso ouças dizer que, numa das cidades que o Eterno teu Elohim te dará para aí morar, 14homens vagabundos, procedentes do teu meio, seduziram os habitantes da sua cidade, dizendo: "Vamos servir a outros deuses", que não conhecestes, 15deverás investigar, fazendo uma pesquisa e interrogando cuidadosamente. Caso seja verdade, se o fato for constatado, se esta abominação foi praticada em teu meio, 16deverás então passar a fio de espada os habitantes daquela cidade. Tu a sacrificarás como anátema, juntamente com tudo o que nela existe. 17Reunirás todos os seus despojos no meio da praça pública, e queimarás completamente a cidade e todos os seus despojos para O Eterno teu Elohim. Ela ficará em ruínas para sempre e nunca mais será reconstruída. 18Nada do que for sacrificado como anátema ficará em tua mão, para que O Eterno abandone o furor da sua cólera e te conceda o perdão, tenha piedade de ti e te multiplique, conforme jurou aos teus pais, 19no caso de teres obedecido à voz dO Eterno teu Elohim, observando todos os Seus mandamentos, que hoje te ordeno, e praticando o que é reto aos olhos dO Eterno teu Elohim.

Devarim/Deuteronômio 14:
Proibição de uma prática idolátrica — 1Sois filhos dO Eterno vosso Elohim. Nunca vos marcareis com uma incisão ou tonsura entre os vossos olhos por causa de um morto. 2Sim! Tu és um povo consagrado ao Eterno teu Elohim: foi a ti que O Eterno escolheu para que pertenças a Ele como Seu povo próprio, dentre todos os povos que existem sobre a face da terra. Animais puros e impuros — 3Não comerás nada que seja abominável. 4Eis os animais de que podereis comer: boi, carneiro, cabra, 5cervo, gazela, gamo, cabrito montês, antílope, órix e cabra selvagem. 6Podereis comer também de qualquer animal que tenha o casco fendido, a unha fendida nos dois cascos, e que rumine. 7Contudo, há ruminantes e animais com casco fendido de que não comereis: o camelo, a lebre e o texugo, que ruminam mas não têm o casco fendido; esses serão impuros para vós. 8Quanto ao porco, que tem o casco fendido mas não rumina, vós o considerareis impuro. Não comereis de sua carne e nem tocareis em seus cadáveres. 9De tudo quanto vive na água podereis comer o seguinte: de todos os que têm barbatanas e escamas podereis comer. 10Não comereis, porém, de todo o que não tiver barbatanas e escamas: vós o considerareis impuro. 11Podereis comer de toda ave pura. 12Dentre elas, eis o que não podereis comer: o abutre, o giapeto, o xofrango; 13o milhafre negro, as diversas espécies de milhafre vermelho, 14todas as espécies de corvo, 15o avestruz, a coruja, a gaivota e as diversas espécies de gavião, 16o mocho, o íbis, o grão-duque, 17o pelicano, o abutre branco, o alcatraz, 18a cegonha, as diversas espécies de garça, a poupa, o morcego. 19Considerareis impuros to- dos os bichos que voam. Deles não comereis. 20Podereis comer todas as aves puras. 21Não podereis comer de nenhum animal que tenha morrido por si. Tu o darás ao forasteiro que vive em tua cidade para que ele o coma, ou vende-lo-ás a um estrangeiro. Porque tu és um povo consagrado ao Eterno vosso Elohim. Não cozerás um cabritinho no leite de sua mãe. O dízimo anual — 22Todos os anos separarás o dízimo de todo o produto da tua semeadura que o campo produzir, 23e diante do Eterno teu Elohim, no lugar que ele houver escolhido para aí fazer habitar o seu nome, comerás o dízimo do teu trigo, do teu vinho novo e do teu óleo, como também os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas, para que aprendas continuamente a temer ao Eterno teu Elohim. 24Caso o caminho seja longo demais para ti, e não possas levar o dízimo — porque o lugar que O Eterno teu Elohim escolheu para aí colocar o seu nome fica muito longe de ti, quando O Eterno teu Elohim te houver abençoado, — 25vende-o então por dinheiro, toma o dinheiro em tua mão e vai para o lugar que O Eterno teu Elohim houver escolhido. 26Lá trocarás o dinheiro por tudo o que desejares: vacas, ovelhas, vinho, bebida embriagante, tudo enfim que te apetecer. Comerás lá, diante do Eterno teu Elohim, e te alegrarás, tu e a tua família. 27Quanto ao levita que mora nas tuas cidades, não o abandonarás, pois ele não tem parte nem herança contigo. O dízimo trienal — 28A cada três anos tomarás o dízimo da tua colheita no terceiro ano e o colocarás em tuas portas. 29Virá então o levita (pois ele não tem parte nem herança contigo), o estrangeiro, o órfão e a viúva que vivem nas tuas cidades, e eles comerão e se saciarão. Deste modo O Eterno teu Elohim te abençoará em todo trabalho que a tua mão realizar. 

Devarim/Deuteronômio 15:

O ano sabático — 1A cada sete anos farás remissão. 2Eis o que significa esta remissão: todo credor que tinha emprestado alguma coisa a seu próximo remitirá o que havia emprestado; não explorará seu próximo, nem seu irmão, porque terá sido proclamada a remissão em honra do Eterno. 3Poderás explorar o estrangeiro, mas deixarás quite o que havias emprestado ao teu irmão. 4É verdade que em teu meio não haverá nenhum pobre, porque O Eterno vai abençoar-te na terra que O Eterno teu Elohim te dará, para que a possuas como herança, 5com a condição de que obedeças de fato à voz do Eterno teu Elohim, cuidando de pôr em prática todos estes mandamentos que hoje te ordeno. 6Quando O Eterno teu Elohim te houver abençoado, conforme disse, tu emprestarás a muitas nações, mas nada pedirás emprestado, dominarás muitas nações, mas nunca serás dominado. 


 HAFTARAH
Yirmiyahu/Jeremias 14:
A grande seca — 1Palavra do Eterno que foi dirigida a Jeremias por ocasião da seca. 2Yehudah/Judá está de luto e suas cidades estão ressequidas: elas se inclinam para a terra, o grito de Jerusalém se levanta. 3Os nobres enviam seus servos a procurar água: eles chegam às cisternas, não encontram água, retornam com suas vasilhas vazias. Eles ficam envergonhados e humilhados e cobrem a cabeça. 4Por causa do solo ressequido, pois não há chuva na terra, os camponeses estão envergonhados e cobrem a cabeça. 5Sim, até mesmo a gazela no campo dá à luz e abandona a cria, porque não há erva. 6Os onagros estão nas alturas, anseiam por ar como chacais, seus olhos se obscurecem, porque não há capim. 7Se nossas faltas testemunham contra nós, age, Oh Eterno, por causa do Teu Nome! Porque nossas rebeliões foram inúmeras, nós pecamos contra Ti. 8Esperança de Yisra'El, O Eterno, seu Salvador no tempo da desgraça, por que és como um estrangeiro na terra, como um viajante que passa uma noite? 9Por que és como um homem consternado, como um guerreiro que não pode salvar? Mas tu estás em nosso meio, Eterno, e Teu Nome é invocado sobre nós. Não nos abandones! 10Assim disse O Eterno a respeito desse povo: Eles gostam de correr para todos os lados, eles não poupam os seus pés! Mas IO Eterno não se compraz deles; agora Ele se lembrará de sua falta e castigará o seu pecado. 11E O Eterno me disse: "Não intercedas em favor desse povo, pela sua felicidade. 12Se eles jejuarem, Eu não escutarei a sua súplica; se oferecerem holocaustos e oblações, Eu não terei complacência com eles, porque pela espada, pela fome e pela peste Eu os irei exterminar". 13E eu disse: "Ah! Adonai/Senhor Eterno! Eis que os profetas lhes dizem: Vós não vereis a espada, e a fome não vos atingirá; mas eu vos darei neste lugar uma paz verdadeira". 14E O Eterno me disse: "É mentira o que os profetas profetizaram em meu nome; eu não os enviei, eu não lhes ordenei nada, eu não lhes falei. Visão mentirosa, adivinhação vã e fantasias de seu coração é o que eles vos profetizam. 15Por isso assim disse O Eterno contra os profetas que profetizam em Seu Nome, sem que Ele os tenha enviado, e que afirmam que não haverá nessa terra espada nem fome, pela espada e pela fome perecerão esses profetas! 16Quanto ao povo, ao qual eles profetizaram, será lançado nas ruas de Yerushalayim, vítima da fome e da espada; não haverá ninguém para enterrá-los, nem a eles nem às suas mulheres, nem aos seus filhos, nem às suas filhas. Derramarei sobre eles as suas perversidades!" 17E lhes dirás esta palavra: Que os Meus olhos derramem lágrimas, noite e dia, e não se tranqüilizem, porque a virgem, filha do meu povo, foi ferida com um ferimento grave, com uma ferida incurável. 18Se saio para o campo, eis os feridos pela espada; se entro na cidade, eis as vítimas da fome; pois até o profeta e o sacerdote atravessam a terra e não compreendem! 19— Rejeitaste, deveras, a Yehudah? Por acaso te desgostaste de Tzion/Sião? Por que nos feriste de tal modo que não há cura para nós? Esperava-se a paz: nada de bom! O tempo de cura: e eis o pavor! 20Nós reconhecemos, Eterno, nossa maldade, a falta de nossos pais: porque pecamos contra ti. 21 Não nos desprezes por causa do teu Nome. Não desonres o trono de tua glória. Lembra-te! Não rompas a tua aliança conosco. 22Há entre os ídolos das nações quem faça chover? Ou é o céu que nos dá os aguaceiros? Não és Tu Eterno, nosso Elohim? Em Ti nós esperamos, porque fazes todas estas coisas. 

Michah/Miquéias 3:

Contra os chefes que oprimem o povo 1E eu digo: Ouvi, pois, chefes da casa de Ya'acov/Jacó e magistrados da casa de Yisra'El! Por acaso não cabe a vós conhecer o direito, 2a vós que odiais o bem e amais o mal, (que lhes arrancais a pele, e a carne de seus ossos)? 3Aqueles que comeram a carne de meu povo, arrancaram-lhe a pele, quebraram-lhe os ossos, cortaram-no como carne na panela e como vianda dentro do caldeirão, 4então eles clamarão ao Eterno, e Ele não lhes responderá. Ele lhes esconderá a Sua face naquele tempo, porque os seus atos foram maus! Contra os profetas mercenários? 5Assim disse O Eterno aos profetas que seduzem o meu povo: Aqueles que, se têm algo para morder em seus dentes, proclamam: "Shalom". Mas a quem não lhes põe nada na boca, eles declaram a guerra! 6Por isso a noite será para vós sem visão, e as trevas para vós sem oráculo. Pôr-se-á o sol para os profetas e o dia obscurecer-se-á para eles. 7Os videntes se envergonharão, os adivinhos serão confundidos e cobrirão todos a barba, porque não há resposta de Elohim. 8Eu, contudo, estou cheio de força, (da ruach HaElohim) de direito e de coragem, para anunciar a Ya'acov o seu crime e a Yisra'El o seu pecado. Aos responsáveis: anúncio da ruína de Tzion/Sião 9Ouvi, pois, isto, chefes da casa de Ya'acov e magistrados da casa de Yisra'El, vós que detestais o direito, que torceis o que é reto, 10vós que edificais Tzion com o sangue e Yerushalayim com injustiça! 11Seus chefes julgam por suborno, seus sacerdotes ensinam por salário e seus profetas vaticinam por dinheiro. E eles se apóiam no Eterno, dizendo: "Não está O Eterno em nosso meio? Não virá sobre nós a desgraça!" 12Por isso, por culpa vossa, Tzion será arada como um campo, Yerushalayim se tornará um lugar de ruínas, e a montanha do Beit HaMikdash/Templo, um cerro de brenhas! 

Zecharyah/Zacarias 11:

1Abre tuas portas, oh Líbano, que o fogo devore os teus cedros. 2Lamenta-te, cipreste, porque caiu o cedro, porque os majestosos foram devastados. Lamentai-vos, carvalhos de Bashan/Basã, porque foi abatida a floresta impenetrável.3Ouvem-se os gemidos dos pastores, porque a sua magnificência foi devastada. Ouvem-se os rugidos dos leõezinhos, porque o orgulho do Yarden/Jordão foi devastado.
Os dois pastores — 4Assim disse O Eterno, meu Elohim: "Apascenta as ovelhas destinadas ao matadouro, 5aquelas cujos compradores matam, sem serem castigados, e cujos vendedores dizem: 'Bendito seja O Eterno, eu sou rico,' e cujos pastores não as poupam. 6Porque não pouparei mais os habitantes da terra — oráculo do Eterno! — Eis que Eu mesmo vou entregar cada homem na mão de seu próximo e na mão de seu rei. Eles destroçarão a terra, e eu não Os livrarei de suas mãos". 7Então apascentei as ovelhas destinadas ao matadouro, que pertenciam aos vendedores de ovelhas. Eu tomei para Mim dois bastões, chamei a um "Benevolência" e ao outro chamei "União" e apascentei as ovelhas. 8Eu destruí os três pastores em um só mês. Mas perdi a paciência com eles, e eles também se aborreceram de Mim. 9Então eu disse: "Não vos apascentarei mais. O que deve morrer que morra, o que deve desaparecer que desapareça, e os restantes que se devorem mutuamente". 10Tomei, então, o Meu bastão "Benevolência" e quebrei-o para romper a minha aliança, que concluíra com todos os povos. 11E ela foi rompida, naquele dia, e os vendedores de ovelhas, que me observavam, reconheceram que esta era uma Palavra do Eterno. 12E eu lhes disse: "Se isto é bom aos vossos olhos, dai-me o meu salário; se não, deixai!" E eles pesaram o meu salário: trinta siclos de prata. 13E O Eterno me disse: "Lança-o ao fundidor, esse preço esplêndido com que fui avaliado por eles!" Tomei os trinta siclos de prata e os lancei na Casa do Eterno para o fundidor. 14Quebrei, então, o meu segundo bastão, "União", para romper a fraternidade entre Yehudah e Yisra'El. 15Disse-me ainda O Eterno: "Toma os apetrechos de um pastor insensato, 16porque eis que vou suscitar um pastor na terra; ele não cuidará da que desapareceu, ele não procurará a desgarrada, não tratará aquela que está ferida, não sustentará aquela que está de pé; antes, devorará a carne dos animais gordos e arrancará os seus cascos. 17Ai do pastor insensato, que abandona as ovelhas! Que a espada esteja sobre o seu braço e sobre o seu olho direito! Que seu braço seque completamente e que seu olho direito se obscureça totalmente!" 

Zecharyah/Zacarias 13:

1Naquele dia haverá para a Casa de David e para os habitantes de Yerushalayim uma fonte aberta, para lavar o pecado e a mancha. 2E acontecerá, naquele dia — oráculo do Eterno dos Exércitos —, que Eu exterminarei da terra os nomes dos ídolos: eles não serão mais lembrados. Também os profetas e o espírito de impureza eu expulsarei da terra. 3Se alguém profetizar novamente, seu pai e sua mãe, que o geraram, dir-lhe-ão: "Tu não viverás, porque falaste mentiras em nome do Eterno," e seu pai e sua mãe, que o geraram, o transpassarão enquanto profetizar. 4E acontecerá, naquele dia, que os profetas terão vergonha de suas visões, quando profetizarem; e não vestirão o manto de pele para mentir. 5Cada um dirá: "Não sou profeta, sou um homem que trabalha a terra, pois a terra é minha propriedade desde a minha juventude". 6E se lhe disserem: "Que são essas feridas em teu peito?", ele responderá: "Aquelas que recebi na casa de meus amigos". Prosopopéia da espada: o novo povo 7Espada, levanta-te contra o meu pastor e contra o homem, meu companheiro, oráculo do Eterno dos Exércitos. Fere o pastor, que as ovelhas sejam dispersadas! Eu voltarei a minha mão contra os pequenos. 8E acontecerá em toda a terra — oráculo do Eterno— que dois terços serão exterminados (perecerão) e que o outro terço será deixado nele. 9Farei esse terço entrar no fogo, purificá-lo-ei como se purifica a prata, prová-lo-ei como se prova o ouro. Ele invocará o meu nome, e eu lhe responderei; direi: "É meu povo!" e ele dirá: "O Eterno é O meu Elohim!" 


SHIRIM U'CHOCHMAH
Shir HaShirim/Cântico dos Cânticos 4:
1Como és bela, minha amada, como és bela!... São pombas teus olhos escondidos sob o véu. Teu cabelo... um rebanho de cabras ondulando pelas faldas de Galaad. 2Teus dentes... um rebanho tosquiado subindo após o banho, cada ovelha com seus gêmeos, nenhuma delas sem cria. 3Teus lábios são fita vermelha, tua fala melodiosa; metades de romã são teus seios mergulhados sob o véu. 4Teu pescoço é a torre de David, construída com defesas; dela pendem mil escudos e armaduras dos heróis. 5Teus seios são dois filhotes, filhos gêmeos de gazela, pastando entre açucenas. 6Antes que sopre a brisa e as sombras se debandem, vou ao monte da mirra, à colina do incenso.7És toda bela, minha amada, e não tens um só defeito! — 8Vem do Líbano, noiva minha, Vem do Líbano e faz tua entrada comigo. Desce do alto do Amaná, do cume do Sanir e do Hermon, esconderijo dos leões, montes onde rondam as panteras. 9Roubaste meu coração, minha irmã, noiva minha, roubaste meu coração com um só dos teus olhares, uma volta dos colares. 10Que belos são teus [[]
\amores, minha irmã, noiva minha; teus amores são melhores do que o vinho, mais fino que os outros aromas é o odor dos teus perfumes. 11Teus lábios são favo escorrendo, ó noiva minha, tens leite e mel sob a língua, e o perfume de tuas roupas é como a fragrância do Líbano. 12És jardim fechado, minha irmã, noiva minha, és jardim fechado, uma fonte lacrada. 13Teus brotos são pomarde romãs com frutos preciosos: 14nardo e açafrão, canela, cinamomo e árvores todas de incenso,mirra e aloés, e os mais finos perfumes. 15A fonte do jardim é poço de água viva que jorra, descendo do Líbano! A AMADA16Desperta, vento norte, aproxima-te, vento sul, soprai no meu jardim para espalhar seus perfumes. Entre o meu amado em seu jardim e coma de seus frutos saborosos! 


SHIR MIZMOR
Tehilim/Salmos 133:
Cântico de ascensão de David. Como é bom e agradável viverem irmãos juntos em harmonia. É como o óleo precioso que unge a cabeça de Aharon e do qual escorrem gotas para sua barba e daí para a orla das suas vestes. É como o orvalho do Chermon que vem cair sobre as montanhas de Tsiyon, como bênçãos ordenadas pelo Eterno. Sejam elas perpetuadas em sua vida!
Bom estudo e Shabat Shalom!

Nenhum comentário:

Postar um comentário