sábado, 17 de agosto de 2013

REFLEXÃO DA SEDRAH 123 - DEVARIM/DEUTERONÔMIO 1 (AS INSTRUÇÕES EM CHOREV E A INCREDULIDADE EM KADESH)

por Yossef Michael

A passagem desta semana, de Devarim 1, nos traz uma mensagem bastante interessante sobre a jornada de nossos pais durante os quarenta anos em que peregrinaram pelo deserto.

Devarim/Deuteronômio 1:26, “Vocês não quiseram dirigir-se para o norte, portanto, vocês rebelaram-se (vatam’ru) contra o Eterno nosso Elohim”. Mas, essa “rebeldia” não é algo novo durante essa jornada - podem muitos assim dizer! Sem dúvidas. Todavia, a palavra “rebeldia”, a partir do radical que a forma, traz algo por vezes novo, senão vejamos:
  • Segundo as Concordâncias Strong #04784 e #04785, temos que a mesma raiz, "marah", que dá origem à expressão “rebelaram-se”, de nosso estudo, tinham como um possível significado, tanto o ato de rebelar-se, como a amargura e aí fica interessante o contexto. 
Vamos analisar outra passagem em que este mesmo radical, aparece repetidas vezes: 
  • Shemot/Êxodo 15:23, “Então chegaram a Marah (Maratah); mas não puderam beber das águas de Marah (Mimarah), porque eram amargas (Maryim); por isso chamou-se o lugar Marah”

Vamos agora buscar outras passagens em que vatam’ru aparece para compararmos:
  • Devarim/Deuteronômio 1:43, “Porém, falando-vos eu, não ouvistes; antes fostes rebeldes (vatam’ru) ao mandado do Eterno, e vos ensoberbecestes, e subistes à montanha”;
  • Devarim/Deuteronômio 9:23, “Quando também o Eterno vos enviou de Kadesh-Barnea, dizendo: Subi, e possuí a terra, que vos tenho dado: rebeldes (vatam’ru) fostes ao mandado do Eterno vosso Elohim, e não o crestes, e não obedecestes à Sua voz”.

O que me chama a atenção é que as aparições de vatam’ru denotam algo muito físico. O Eterno ordena que Seu povo ande, isto é, fisicamente siga em determinada direção e nós simplesmente não o fazemos. Essa rebeldia é palpável! 

Em Devarim/Deuteronômio 1:43, a mesma ideia... Ele nos ordena não subirmos e o que fazemos? Subimos ... Vatam’ru!

Mas, e qual a relação com a passagem de Shemot/Êxodo?

A resposta é impressionante... O Eterno precisa nos provar para saber se já estamos preparados para deixar de lado nossa rebeldia.

Shemot/Êxodo 15:24-27, “E o povo murmurou contra Mosheh, dizendo: Que havemos de beber? E ele clamou ao Eterno, e o Eterno mostrou-lhe uma árvore, que lançou nas águas, e as águas se tornaram doces. Ali lhes deu estatutos e uma ordenança, e ali os provou. E disse: Se ouvires atento a voz do Eterno teu Elohim, e fizeres o que é reto diante de Seus olhos, e inclinares os teus ouvidos aos Seus mandamentos, e guardares todos os Seus estatutos, nenhuma das enfermidades porei sobre ti, que pus sobre o Egito; porque Eu Sou o Eterno que te sara. Então vieram a Eilim, e havia ali doze fontes de água e setenta palmeiras; e ali se acamparam junto das águas”.

Qual a chave para essa redenção? Obediência! Sua Torah!!!

Mosheh explica ao povo, pouco antes de adentrarem a Terra Prometida, às margens orientais do Yarden (Jordão), justamente isto... Se formos capazes de deixar nossa rebeldia de lado e O ouvirmos e seguirmos Suas Instruções, Sua Torah, a Gueulah (redenção) virá... Não a amargura de Marah, mas, sim, as águas doces e Suas doze fontes e as setenta palmeiras de Eilim, para, finalmente, “acamparmos” junto dEle!!!

Existem momentos em que a ordem é “ir” e outros em que a ordem é “não ir”... Simples deste jeito! Como saberemos então discernir entre uma e outra situaçãoSe O ouvirmos

Então, estamos falando de algo extrassensorial, ou uma experiência metafísica??? Não e não! Estamos falando da mais simples e direta "instrução" que por Ele nos foi dada ... Devemos deixar que Sua Torah se estabeleça em nossos corações e mentes para então podermos ouvi-lO!!!

Ao traçarmos esse paralelo entre as situações vividas por nossos pais, podemos perceber quão poderoso é o Elohim de Yisra’El... Quando fomos perseguidos pelos egípcios, Ele se encarregou de abrir nosso caminho e providenciar para que a perseguição cessasse. Assim seria quando adentrássemos a Terra Prometida... Bastava que nossos pais tivessem seguido para o Norte ou, então, quando chegaram à montanha do Emoriy, que não tivessem “desconfiado” e pedido a Mosheh que enviasse espias à Kena’an!

Vemos, desta forma, que nossa vida é uma “prova”. Estamos sendo diariamente “testados” para que o Eterno saiba o momento exato para que Sua Gueulah seja estabelecida. Devemos esmorecer, pelo fato de que talvez não vejamos isto ocorrer? Claro que não! Temos de ter o cuidado de transmitirmos esta mensagem a nossos filhos e ao mundo para que, um dia, deixemos, finalmente, toda rebeldia de lado e estejamos prontos a “subir para o Norte”!!!

Sabiamente, o Eterno abre o livro de Devarim com uma mensagem como esta! A retrospectiva e a possibilidade de aprendermos com nossos erros do passado... 

Assim deve ser nosso posicionamento! Aprendendo com o que erramos, teremos condições de nos aproximarmos mais de Seus Caminhos!!!

Nossos pais cruzaram o Yarden e lutaram segundo a Vontade do Criador... Por isto triunfaram e em Kena’an se estabeleceram... 

A partir do retrospecto apresentado por Mosheh, Yehoshua Ben Nun (Josué) os conduziu de forma vitoriosa sobre as nações que lá habitavam e que não conheciam o Elochim Echad... 

Será que estamos prontos para travar esta batalha??? Será que quando chegar a hora de cruzarem o Yarden nossos filhos ou netos estarão prontos??? Depende de nós e do que estamos dispostos a deixar para trás... Nossas vidas/retrospectivas dirão no futuro se cumprimos nosso papel... Nossos pais cumpriram!!!
Chazak, Chazak Venit Chazek!!!
Força, força e que sejamos fortalecidos!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário