sexta-feira, 2 de agosto de 2013

CICLO TRIENAL - SEDRAH 121 (Semana de 28 de julho a 03 de agosto/2013)

Torah: Bamidbar/Números 34:1-35:8
Tema(s): Fronteiras e partilha.
Haftarah: Yirmyahu/Jeremias 51; Yehesk’El/Ezequiel 11; Yehesk’El/Ezequiel 36; Yehesk’El/Ezequiel 38; Yehesk’El/Ezequiel 39
Tema(s): Contra Bavel; Os pecados de Yerushalayim; O retorno; Contra Gog e Magog.
Shirim U’Chochmah: Kohelet/Eclesiastes 9:1-10
Tema(s): A importância do presente.
Shir Mizmor: Tehilim/Salmos 121

Tema(s): O guarda de Yisra'El.

TORAH
Bamidbar/Números 34:
1 O Eterno falou a Mosheh, dizendo-lhe para 2 dar aos Yisre’eliym instruções e dizer-lhes: “Quando vocês vierem para a terra de Kana'an, esta é a terra dentro das fronteiras  da  terra de  Kana'an  que será  território  hereditário  de vocês. 3 O  setor sul de vocês começará no Deserto de Tsin junto a Edom[1]. A fronteira sul para o leste será a orla do Mar Morto[2]4 A fronteira então virará para passar para o sul dos Passos de Akraviym[3]. Ela passará na direção de Tsin[4] com seu ponto extremo sul em Kadesh Barnea[5] e então se estendendo a Chatsar Adar[6] e chegando ate Atsmon[7]5 De Atsmon a fronteira virará para o norte e seguirá o Rio Egípcio[8] que será sua fronteira extrema para oeste. 6 A fronteira ocidental será o Mar Mediterrâneo e suas praias[9]. Esta será a fronteira ocidental de vocês. 7 Esta será a fronteira norte de vocês. Do Mar Mediterrâneo tirem uma linha[10] para a montanha de Hor. 8 Da Montanha de Hor[11]  tirem uma linha ao longo da Estrada Chamat[12], de modo que a margem extrema da fronteira fique na direção de Tsedad[13]9 A fronteira não se estenderá através de Zifron[14], com sua extremidade em Chatsar Einan[15]. Essa será a fronteira norte de vocês. 10 Para a fronteira oriental de vocês tirem uma linha de Chatsar Einan para Shefan[16]11 A fronteira então correrá para o sul[17], de Shefan para Rivlah[18] para o leste de Ein[19]. Continuando para o sul, a fronteira correrá ao longo da praia oriental do Mar de Kineret[20]12 A fronteira então continuará para o sul ao longo do Yarden, continuando até o Mar Morto. Tudo isso serão as fronteiras de vocês em todos os lados”. 13 Mosheh deu aos Yisre’eliym as seguintes instruções: ‘Esta é a terra que o Eterno ordenou seja dada a nove tribos e meia tribo[21] e que vocês devem distribuir como propriedade hereditária através de um sistema de sorteio[22]14 No entanto, as tribos dos descendentes dos reu’veniym, descendentes dos gadiym e a meia tribo de Menasheh já tiraram suas propriedades hereditárias. 15 Essas duas tribos e meia já tiraram suas propriedades hereditárias cruzando o Yarden de Yericho para o leste’. 16 O Eterno falou a Mosheh, dizendo: 17 “Esses são os nomes dos homens que dividirão a terra. Primeiro será Elazar, o kohen e Yehoshua ben Nun. 18 Tu também indicarás um líder de cada tribo para ajudar a dividir a terra. 19 Estes são os nomes dos homens: Para a tribo de Yehudah, Kalev ben Yefuneh. 20 Para a tribo dos descendentes de Shimon, Sh'muel ben Amihud. 21 Para a tribo de Benyamin, Elidad[23] ben Kislom. 22 Para a tribo dos descendentes de Dan, o líder é Buki ben Yagli. 23 Entre os filhos de Yossef, para a tribo dos descentes de Menasheh, o líder é Chani’El ben Efod. 24 Para a tribo dos descendentes de Efraym, o líder é Kemu’El[24] ben Shiftan. 25 Para a tribo dos descendentes de Zevulun, o líder é Elitsafan[25] ben Parnach. 26 Para a tribo dos descendentes de Yissachar, o líder é Palti’El ben Azan. 27 Para a tribo dos descendentes de Asher, o líder é Achihud ben Shelomi. 28 Para a tribo dos descendentes da tribo de Naftali, o líder é Pedah’El ben Amihud. 29 Estes são os homens que o Eterno ordenou que distribuíssem aos Yisre’eliym suas propriedades hereditárias na terra de Kana'an.

Bamidbar/Números 35:
1 O Eterno falou a Mosheh nas Planícies Ocidentais de Moav, no Yarden, frente a Yericho, dizendo: 2 “Dá ordem aos Yisre’eliym para que eles deem aos Levi’im as cidades residenciais[26] de suas posses hereditárias. Também forneçam aos Levi’im terrenos baldios[27] em torno de suas cidades. 3 As cidades serão suas residências, enquanto os terrenos baldios serão para seus animais, bens e outras necessidades. 4 Os terrenos baldios que vocês darão aos Levi’im terão a extensão de mil cúbitos[28] a partir do muro da cidade.
5 Vocês medirão fora da cidade dois mil cúbitos para o lado leste, dois mil cúbitos para o lado sul, dois mil cúbitos para o lado oeste e dois mil cúbitos para o lado norte. Isso constituirá os terrenos baldios da cidade, com a cidade exatamente no centro. 6 Junto com as cidades que vocês darão aos Levi’im, haverá as seis cidades-refúgio, que vocês fornecerão como lugares para os quais um assassino pode fugir. Além dessas seis, vocês fornecerão quarenta e duas cidades adicionais. 7 Portanto, o número total de cidades que vocês fornecerão aos Levi’im será de quarenta e oito cidades[29], junto com seus terrenos baldios. 8 Essas cidades serão dadas das posses dos Yisre’eliym, mais de uma posse maior e menos de uma posse menor. Cada tribo, portanto, dará aos Levi’im cidades em proporção à propriedade hereditária que lhe foi dada.


[1] Bamidbar/Números 34:3 – Deserto de Tsin. Verificar o perek/capítulo 13, passuk/versículo 21 acima. O Deserto de Tsin é a área a sudoeste do Mar Morto. Este também formava a fronteira sul de Yehudá, conforme Yehoshua/Josué 15:”1 A terra dada à tribo de Judá, segundo o sorteio sagrado:2 O limite sul de Judá começava na fronteira norte de Edom, atravessava o deserto de Zim e acabava no limite norte do Negev. Mais detalhadamente, este limite começava na baía sul do Mar Salgado, 3 ia ao longo da estrada que rodeia pelo sul o monte Akravim, atravessava o deserto de Zim até Hezrom, ao sul de Cades-Barneia e depois subia passando por Carca e 4 por Azmom, até alcançar finalmente o ribeiro do Egito, terminando no Mar Mediterrâneo”.
[2] Bamidbar/Números 34:3 – Orla do Mar Morto. Aparentemente esta é a praia sul do Mar Morto, conforme Yehoshua/Josué 15:2 acima transcrito.
[3] Bamidbar/Números 34:4 – Passos de Akravim. Ou 'Subida dos Escorpiões' também descrita em Yehoshua/Josué 15:3 transcrito na Nota de Rodapé n º 519, logo acima. Em Shofetim/Juízes 1:“36 A fronteira dos amorriy começa na subida da passagem do escorpião, desce a um lugar chamado a rocha e continua dali para cima”. Isto denota as montanhas para sudoeste do Mar Morto. É um dos desfiladeiros que conduzem à inclinação norte do Riacho el-Fikré. Em hebraico temos: מעלה עקרבים Maaleh Akraviym, procedente de [מעלה maaleh, procedente de (עלה alah, uma raiz que pode significar: ‘Subir, ascender, encontrar, visitar, seguir, partir, remover, retirar, aparecer referindo-se a animais, brotar, crescer referindo-se a vegetação, subir sobre, erguer referindo-se a fenômeno natural, aparecer diante do Eterno, estender referindo-se à fronteira, ser excelso, ser superior a, ser levado para cima, ser trazido para cima, ser levado embora, levar embora, ser exaltado, levar ao alto, fazer ascender ou escalar, fazer subir, trazer para cima, trazer contra, levar embora, puxar para cima, treinar, fazer ascender, levantar, agitar mentalmente, oferecer, trazer referindo-se a presentes, exaltar, fazer ascender, ser carregado embora, ser conduzido, ser levado para, ser inserido em, ser oferecido, erguer-se. Temos ainda  עלה alah em aramaico correspondente a correspondente a עלה olah ou עולה olah. É um nome feminino que pode significar: ‘Oferta queimada, subida, escada, degraus, holocausto), subida, inclinação] e o plural de (עקרב akrav, de origem incerta. É um nome masculino que significa: ‘Escorpião’.). Um nome próprio de localidade que em português, considerando o transliterado, é grafado como Subida de Akravim significando 'subida de escorpiões'. Refere-se a: ‘Uma passagem na fronteira sul da Filishtim/Palestina ou passagem de escorpiões.


[4] Bamidbar/Números 34:4 – Na direção de Tsin. Verificar Nota de Rodapé nº 519, logo acima.
[5] Bamidbar/Números 34:4 – Kadesh Barnea. Verificar acima Nota de Rodapé para perek/capítulo 32, passuk/versículo 8 Tem-se que está a 100 quilômetros a sudoeste do Mar Morto ou no atual Ein Kadis ou En-el-Kuderat. Outros dizem que está na área de Petra, cerca de 77 quilômetros ao sul do Mar Morto.
[6] Bamidbar/Números 34:4 – Chatsar Adar. Traduzido como 'Templos de Adaria' ou 'Vila de Arad' segundo a Septuaginta. Tem-se que é Kirbet el Kudeirat, 8 quilômetros a noroeste de Kadesh Barnea (Ein Kadis). Em Yehoshua/Josué 15:"3 ia ao longo da estrada que rodeia pelo sul o monte Akravim, atravessava o deserto de Zim até Hezrom, ao sul de Cades-Barneia, e depois subia passando por Carca e ...” os pontos são dados como Hezrom e Carca.
[7] Bamidbar/Números 34:4 – Identificado como Kesam, o qual é Quseimá ou Kutsemá, 8 quilômetros a oeste de Chatsar Adar.
[8] Bamidbar/Números 34:5 – Rio Egípcio. Rio el-Arish, um rio temporário existente somente na estação das chuvas. Situa-se a cerca de 120 quilômetros a oeste do Mar Morto, no meio da Península do Sinai.
[9] Bamidbar/Números 34:6 – Mar Mediterrâneo. Literalmente 'Grande Mar'. Suas praias indica que também as ilhas estão incluídas.
[10] Bamidbar/Números 34:7 –Tirem uma linha. Ou 'marquem um limite'.
[11] Bamidbar/Números 34:8 – Montanha de Hor. Esta não é a mesma Montanha de Hor descrita no perek/capítulo 33, passuk/versículo 37 Esta é identificada como a montanha Amaná, numa faixa passando através do Líbano e Síria. Pode ser também o monte Amanu, o moderno Giaour Dagh. Outras fontes também identificam como Banas, possivelmente associado com o moderno Banias no litoral Sírio. Alguns dizem que é a montanha El-Hor Adá, cerca de 24 quilômetros ao sul de Latakia, no litoral Sírio. Ela estaria a cerca de 256 quilômetros da presente fronteira de Yisra'El.
[12] Bamidbar/Números 34:8 – Estrada Chamat. Ver acima no perek/capítulo 13, passuk/versículo “21 Os homens subiram e exploraram a terra, desde o Deserto de Tsin até Rechov na estrada de Chamat”. Chamat é uma grande cidade, cerca de 256 quilômetros ao norte da Terra Santa Yisra'El, na margem do Rio Orontes. Era uma grande cidade nos tempos antigos.  Algumas fontes a identificam como Antioquia.
[13] Bamidbar/Números 34:8 – Tsedad. Diz Yehesk’El/Ezequiel 47:“15 A fronteira do norte irá desde o Mediterrâneo em direção a Chetlon e depois através de Laveh até Tsedad;”. A Septuaginta o considera como 'Saradac'. Tem-se que Tsedad seja Sedad, cerca de 112 quilômetros a leste de Biblos e 88 quilômetros ao sul de Chamat. Isto indicaria que a fronteira desvia-se para o sul em Chamat. Outros identificam Tsedad com o Desfiladeiro Bagche. Outras fontes identificam Tsedad com Chirbet Seradá, norte de Abil, leste de Merj Ajun, na direção do Hermon. Fontes antigas estabelecem que Tsedad é Avlas de Kilka'ei, o qual é, provavelmente, Avlas, na Cilícia ou Pilae Ciliciae no canto nordeste do Mediterrâneo.
[14] Bamidbar/Números 34:9 – Zifron. Esta é, possivelmente, Zifran, ao nordeste de Damasco ou Zaferane, entre Chums e Chamat. A Septuaginta a considera como Defrona. Alguns dizem que é Afrin, no rio do mesmo nome.
[15] Bamidbar/Números 34:9 – Chatsar Einan. Diz Yehesk’El/Ezequiel 47:“17 Portanto a fronteira do norte será desde o Mediterrâneo até Hazar-Enom, na fronteira com Hamate, ao norte, e com Damasco, ao sul.” e 48:“1 Esta é a lista das tribos, com o território que cada uma receberá. Dan: Desde a fronteira do norte, no Mediterrâneo, através de Hetlom, até Labeh, e depois até Hazer-Enom, na fronteira entre Damasco ao sul e Hamate ao norte. São esses os limites a leste e a oeste, da terra”. Esta é a fronteira nordeste. Alguns a identificam como Al Kariatein, 128 quilômetros a nordeste de Damasco. Fontes clássicas a identificam como Chatsan Alakrat, cerca de 48 quilômetros a sudoeste de Chamat. Outros a identificam como Aintab.
[16] Bamidbar/Números 34:10 – Shefan. Identificado como Sefamar na Septuaginta, Paamia ou Afmiá. Alguns dizem que é Apamea, ao leste do vale de Orontes, agora conhecido como Kulat el-Mudik.
[17] Bamidbar/Números 34:11 – Para o sul. Literalmente 'para baixo'.
[18] Bamidbar/Números 34:11 – Rivlah. Esta é identificada como Dafne, atual Kirbet Dafne, 16 quilômetros ao norte do Lago Hulá. A Septuaginta denomina 'Bela'. Parece óbvio que a fronteira desvia-se fortemente para o oeste, mais provavelmente em Shefam.
[19] Bamidbar/Números 34:11 – Ein. Um nome próprio ou 'a fonte'.
[20] Bamidbar/Números 34:11 – Kineret. Isto é, o Mar da Galileia.
[21] Bamidbar/Números 34:13 – Meia tribo. A outra metade de Menasheh. Ver acima o perek/capítulo 32, passuk/versículo 33
[22] Bamidbar/Números 34:13 – Sorteio Ver acima no perek/capítulo 26, passuk/versículo 55
[23] Bamidbar/Números 34:21 – Elidad. Alguns identificam com Eldad no perek/capítulo 11, passuk/versículo 26 Consultar a Septuaginta.
[24] Bamidbar/Números 34:24 – Kemuel. Alguns o identificam como Medad no perek/capítulo 11, passuk/versículo 26
[25] Bamidbar/Números 34:25 – Elitsafan. Alguns dizem que quando Amram divorciou-se de Yocheved por um tempo curto, Elitsafan casou-se com ela e ela deu à luz a Eldad e Medad.
[26] Bamidbar/Números 35:2 – Cidades residenciais. Conforme Vaiykrá/Levítico 25:“32. Quanto às cidades dos levitas, os levitas sempre terão o poder para redimir as casas em suas cidades hereditárias.” e Yehoshua/Josué 14:“3. e aos levitas não foi dada terra nenhuma exceto as cidades em que haveriam de viver mais os subúrbios com pastagens para o gado deles.” e 21:“2. "O Eterno deu instruções a Mosheh para que nos fossem dadas, a nós levitas, cidades para habitarmos, com terrenos de pastagens para o gado", disseram.” e Yehesk’El/Ezequiel 45:“1. Ao repartirem a terra pelas tribos de Israel, darão primeiramente uma área ao Eterno, como sua porção sagrada. Esta zona deverá ter 13 quilômetros de comprimento por 11 quilômetros de largura. Esse solo será sagrado.”. Consultar Divrei Hayamin Alef/1ºCrônicas 6:42-66.
[27] Bamidbar/Números 35:2 – Terrenos baldios. Em hebraico é 'migrash'. Ou 'pastagem' ou 'terra comum'. Diz Vaiykrá/Levítico 25:“32. Quanto às cidades dos levitas , os levitas sempre terão o poder para redimir as casas em suas cidades hereditárias. 33. Assim, se alguém compra uma casa da cidade dos levitas, ela deve ser liberada pelo jubileu. Isso porque casas nas cidades dos levitas são sua propriedade hereditária entre os Yisre’eliym. 34. Similarmente, as áreas abertas que cercam suas cidades não serão vendidas permanentemente, porque é sua propriedade hereditária para sempre.”. Terreno baldio é o que não está cultivado. Terreno por cultivar. Terreno que, pertencente a uma câmara, servem de logradouro público = rocio.
[28] Bamidbar/Números 35:4 Mil cúbitos. No próximo versículo a Torah diz que dois mil cúbitos serão medidos. Alguns dizem que dos dois mil cúbitos medidos em torno da cidade, mil serão terra disponível e mil adicionais serão campos e videiras. Outros dizem que mil cúbitos serão terra disponível e um adicional de dois mil cúbitos para campos e videiras. Há uma questão também: Se a área é circular ou quadrada.
[29] Bamidbar/Números 35:7 – Yehoshua/Josué 21:“41. O número total de cidades e pastos circundantes dadas aos levitas foram de quarenta e oito”. Consultar Divrei Hayamin Alef/1ºCrônicas 6:42-66.

HAFTARAH
Yirmyahu/Jeremias 51:
1 Assim disse o Eterno: “Despertei contra a Babilônia e contra os habitantes de Lev Kamai[1], o espírito da destruição. 2 Enviarei estrangeiros contra a Babilônia, que a dispersarão e esvaziarão sua terra, pois no dia da punição, todos à sua volta estarão contra ela.n3 Que distenda contra ela o arqueiro o seu arco e marche contra ela com sua cota de malha; que não se apiede de seus jovens e destrua todos os seus exércitos. 4 Cairão mortos na terra dos kasdim , atravessados em suas ruas. 5 Pois nem Yisra’El, nem Yehudah enviuvaram de seu Elohim, o YHWH Tseva’ot, embora sua terra esteja repleta de culpa contra o Santíssimo de Yisra’El. 6 Que cada um fuja da Babilônia para salvar sua vida e para não vir a perecer por causa de sua iniquidade; pois agora é o tempo da vingança do Eterno; Ele lhe está provendo a recompensa devida. 7 A Babilônia foi uma taça dourada nas mãos do Eterno, que intoxicou toda a terra; as nações que beberam de seu vinho enlouqueceram. 8 De súbito, a taça caiu e se quebrou; chorai por ela, buscai bálsamo para sua dor, talvez ainda possa ser curada. 9 Tratamos a Babilônia, mas ela não pode ser curada. Deixemo-la e sigamos cada um para sua própria terra, pois a dimensão de sua culpa a ser julgada toca o firmamento e alcança o mais alto dos céus”. 10 ‘O Eterno considerou nossos méritos; vinde e relatemos em Tsiyon o feito do Eterno, nosso Elohim’! 11 Poli vossas setas e enchei vossas aljavas; o Eterno despertou o desejo dos reis de Maday[2], pois Seu objetivo é destruir a Babilônia, em vingança pelo que fizeram a Seu Templo. 12 Contra as muralhas de Babilônia erguei vossos estandartes; acurai a vigilância, postai sentinelas e preparai as emboscadas, porque o Eterno planejou e cumpriu o que falou a respeito dos habitantes da Babilônia. 13 Ó vós, que habitais próximos às abundantes águas, tão abundantes tesouros! Eis que chegou o vosso fim, na mesma dimensão de vossa violência! 14 YHWH Tseva’ot jurou a Si mesmo: “Por certo te cobrirei de guerreiros como se fossem gafanhotos e elevarão contra ti seu grito de batalha. 15 Aqu’Ele que criou a terra com Seu poder, moldou o mundo com Sua sabedoria e estendeu os céus por Seu entendimento. 16 Ele traz aos céus a imensidão das águas, conduz as nuvens do extremo da terra, provoca raios e chuva e espalha os ventos que retira dentre Seus tesouros. 17 Todo ser humano é tosco em sua sabedoria; cada artífice fica envergonhado pela imagem esculpida, pois elas são falsas e não contém espírito. 18 São vãs, o produto de uma ilusão; desfazem-se no momento em que lhe pedem contas. 19 Mas não é assim a porção de Ya’akov – pois tudo foi criado por ele – e a tributo de Sua herança, cujo nome é YHWH Tseva’ot. 20 Tu foste em Minha mão uma arma para a guerra, para abater nações e destruir reinos. 21 Usando a ti abati o cavalo e seu cavaleiro, bem como a carruagem e seu condutor. 22 Por meio de ti fiz tombar o homem e a mulher, anciãos e jovens, virgens e moços. 23 Contigo destruí o pastor e seu rebanho, o semeador e sua parelha de bois, governadores e seus ministros. 24 Farei recair sobre a Babilônia e os habitantes da terra dos kasdim todo o mal que, à vista de todos, praticaram contra Tsyion. 25 Sou contra ti, ó montanha destruidora, que esmagaste muitas nações – diz o Eterno. Estenderei contra ti Minha mão e te farei rolar das rochas e te transformarei numa montanha incinerada. 26 Não buscarão em ti nem uma pedra angular nem pedras para fundações, porque por todo o sempre ficarás abandonada”. Diz o Eterno. 27 Erguei um estandarte sobre a terra; fazei soar o Shofar entre as nações e preparai-as para lutar contra ela; reuni para isto os reinos de Ararat[3], Miniy[4] e Ashkenaz[5]; nomeai um comandante e fazei com que subam os cavalos como os hirsutos[6] gafanhotos. 28 Preparai contra ela as nações, ó reis de Maday, seus governadores e oficiais e toda a terra sob sua lei. 29 Treme a terra e se retorce em dores, porque são cumpridos os propósitos do Eterno para tornar a Babilônia uma terra desolada e deserta. 30 Os valorosos da Babilônia deixaram de guerrear; quedaram-se em suas fortalezas, pois se desvaneceu sua força e se tornaram frágeis como mulheres; suas moradas foram incendiadas e suas trancas, arrombadas. 31 Um mensageiro corre ao encontro de outro e um arauto busca o próximo para contar ao rei da Babilônia que a cidade foi conquistada de uma ponta a outra; 32 as pontes, tomadas; as fortalezas incendiadas e os guerreiros estão aterrorizados. 33 Pois assim disse YHWH Tseva’ot, o Elohim de Yisra’El: “A filha da Babilônia é como um celeiro na época da debulha. Dentro em pouco chegará o tempo da colheita. 34 Nebuchadnetzar/Nabucodonosor, o rei da Babilônia, me devorou e me esmagou; ele me deixou como um jarro vazio; me tragou como um monstro marinho, enchendo seu ventre com o que de melhor havia em mim, me deixando completamente despojado. 35 ‘Que recaia sobre a Babilônia a violência que praticou para comigo’ – dirá o habitante de Tsiyon – ‘e que recaia meu sangue sobre os habitantes de Kasdiy’! Dirá Yerushalayim. 36 Portanto, assim disse o Eterno: “Eis que defenderei vossa causa e exercerei vossa vingança; farei secar seu mar e suas fontes. 37 E a Babilônia se transformará em montões de ruínas, refúgio de chacais, uma terra desolada, motivo de chacota, sem qualquer habitante. 38 Unidos rugirão como leões e rosnarão como seus filhotes. 39 Com seu próprio veneno prepararei sua celebração e os farei embebedar-se até o ponto de terem convulsões e dormirem num sono perpétuo, do qual não despertarão” – diz o Eterno. 40 Eu os conduzirei como ovelhas ao matadouro, como cordeiros conduzidos por seu líder. 41 Como foi conquistada Sheshak[7] e aprisionada a mais gloriosa de todas as terras? Como se tornou a Babilônia uma desolação entre as nações? 42 O mar inundou a Babilônia; ela está coberta pela multidão de suas ondas. 43 Suas cidades se tornaram desoladas, uma terra seca e deserta, um lugar onde nenhum homem moraria, nem quereria por ela passar. 44 Punirei Bel na própria Babilônia e arrancarei da sua boca tudo que ela engoliu; para lá não afluirão mais as nações; caíram também suas muralhas. 45 Ó Meu povo, sai de seu meio para que se salve cada um de vós da terrível ira do Eterno! 46 Não desmaiei vosso coração nem temei o estrondo que será ouvido por toda a terra. Em um ano e no seguinte haverá este estrondo e violência se manifestará, lutando um governante contra outro. 47 Por isso, aproximam-se os dias em que julgarei sobre os ídolos de Babilônia e toda a sua terra será humilhada; e por toda parte tombarão seus mortos. 48 Os céus, a terra e tudo o que eles contêm cantarão com alegria sobre Babilônia, porque do norte virão e cairão sobre ela os Saqueadores” – diz o Eterno. 49 Assim como a Babilônia fez cair os mortos de Yisra’El, assim na Babilônia cairão os mortos de toda a sua terra. 50 Vós, que escapastes da espada, ide, não vos imobilizeis! Lembrai do Eterno onde estiverdes e mantende Yerushalayim em vossos corações! 51 ‘Sentimo-nos humilhados porque fomos repreendidos e vergonha cobriu nossas faces; pois estranhos vieram aos santuários da Casa do Eterno’. 52 “Portanto, aproximam-se os dias” – diz o Eterno – “em que julgarei os seus ídolos e por toda a sua terra gemerão os que foram mortalmente feridos. 53 Ainda que a Babilônia ascendesse aos céus e fortificasse ao máximo sua resistência, chegariam até ela saqueadores, por Minha ordem” – diz o Eterno. 54 “Um clamor se ergue da Babilônia, pois terrível é a destruição no país dos kasdim. 55 Pois o Eterno despojou a Babilônia e fez calar a sua voz; ondas se quebram com estrondo, abafando seus sons. 56 Ela foi acossada por um saqueador e seus bravos foram aprisionados, tendo seus arcos quebrados, pois o Eterno é um Elohim de justiça que não deixa de aplicar o revide. 57 Embebedarei seus príncipes, seus sábios, seus governantes, seus bravos, fazendo com que adormeçam para um sono eterno do qual não despertarão” – diz o Rei, cujo Nome é YHWH Tseva’ot. 58 Assim disse YHWH Tseva’ot: “Suas amplas muralhas serão certamente derrubadas e seus altos portões serão devorados pelo fogo. Será inútil o trabalho de seu povo e se cansarão as nações de tanto atear fogo. 59 A palavra que o profeta Yirmyahu ordenou a Seraiyah ben Neriah ben Machseiah, quando este seguiu com Tsidkyahu, o rei de Yehudah para Bavel/Babilônia, no quarto ano de seu reinado e Seraiah era o coletor de tributos do reino. 60 E Yirmyahu descreveu todo o mal que haveria de assolar a Babilônia em um único pergaminho, no qual constavam todas as profecias concernentes à Babilônia em um único pergaminho, no qual constavam todas as profecias concernentes à Babilônia. 61 E Yirmyahu disse a Seraiah: ‘Quando chegares à Babilônia, poderás ver e ler todas estas palavras. 62 E dirás: Ó Eterno! Falaste a respeito deste lugar, dizendo que viria a ser destruído e se tornaria, para todo o sempre, uma terra desolada e desabitada, de gente e de animais’. 63 Quando acabares de ler este pergaminho lhe atarás uma pedra e o jogarás no Eufrates. 64 E dirás então: Assim também afundará a Babilônia e não voltará à tona, por causa do mal que farei advir a ela a fim de esgotá-la’. E aqui terminam as palavras de Yirmyahu.      

Yehesk’El/Ezequiel 11:
1 Então um vento me levantou e me transportou ao portão oriental da Casa do Eterno, aquela voltada para o oriente; e eis que na entrada do portão se postavam vinte e cinco homens. Entre eles aviste Yazanyah ben Azur e Pelatyahu ben Benayahu, os príncipes do povo. 2 E Ele me disse: “Ó filho do homem! Estes são os homens que tramavam iniquidade e que dão mau conselho nesta cidade 3 e que dizem: ‘Não está próximo o tempo! Construí casas! Esta cidade é o caldeirão e nós, a carne’! 4 Profetiza, pois, contra eles, ó filho do homem”! 5 E desceu sobre mim a Ruach Elohim e Ele disse: “Fala! Assim disse o Eterno: Foi isto que disseste, ó Casa de Yisra’El e bem conheço os pensamentos que ocorrem à vossa mente. 6 Vós fizestes com que aumentasse o número de mortos na cidade e enchestes de cadáveres vossas ruas. 7 Por isto, assim disse o Eterno Elohim: Vossos mortos que abandonastes no meio das ruas são a carne e esta cidade é o caldeirão; mas Eu vos retirarei do meio dela. 8 Temíeis a espada, mas Eu a trarei sobre vós” – diz o Eterno Elohim. 9 “Do meio da cidade vos retirarei, em mãos de estrangeiros vos entregarei e vos haverei de julgar. 10 Pela espada caireis. Julgamento farei contra vós, na fronteira de Yisra’El e sabereis então que Eu sou o Eterno! 11 Ainda que esta cidade não seja o vosso caldeirão, vós sereis como a carne que estaria nela. Eu, na fronteira de Yisra’El, emitirei julgamento sobre vós 12 e sabereis que Eu sou o Eterno, pois não andastes segundo Meus estatutos, nem cumpristes Meus preceitos, mas antes vos guiastes pelos preceitos das nações que vos rodeiam”! 13 E quando assim profetizei, Pelatyahu ben Benayahu veio a morrer. Prostrei-me então com o rosto em terra e clamei em voz alta: ‘Ah, Eterno! Acaso acabarás com o remanescente de Yisra’El’? 14 E a palavra do Eterno veio a mim, dizendo: 15 “Ó filho do homem! Teus irmãos, sim, teus próprios irmãos, teus parentes mais próximos e toda a Casa de Yisra’El, todos estes a quem os habitantes de Yerushalayim têm dito: ‘Afastai-vos do Eterno! A nós foi dada esta terra por possessão’!   16 Portanto, diz-lhes: Assim disse o Eterno Elohim: Ainda que Eu os tenha dispersado entre as nações distantes e os espalhado por muitos países, aonde quer que cheguem continuo junto deles quando vêm aos pequenos santuários. 17 Portanto, dize-lhes: Assim disse o Eterno Elohim: Hei de recolher-vos de todos os povos e de todos os países por onde fostes dispersos e vos tornarei a dar a terra de Yisra’El. 18 Para lá hão de ir e retirarão todas as abominações e darão fim a toda corrupção que venham a encontrar. 19 E lhes darei um novo coração e lhes infundirei um novo espírito; e retirarei seu frio coração de pedra e lhes darei um sensível coração de carne, 20 para que obedeçam a Meus estatutos e cumpram e executem Meus preceitos; serão o Meu povo e Eu serei o seu Elohim! 21 Mas, quanto àqueles cujo coração busca somente abominações e coisas desprezíveis, farei com que sobre suas cabeças recaiam as consequências de seu caminho – diz o Eterno Elohim. 22 Então, os k’ruvim alçaram as suas asas, com as rodas correspondentes, pairando sobre eles a glória do Elohim de Yisra’El. 23 E afastou-se a glória do Eterno do meio da cidade e pousou sobre o monte que está ao oriente. 24 E um espírito me transportou até kasdim, a terra do cativeiro e desvaneceu-se a visão que a mim tinha se manifestado. 25 E aos cativos narrei tudo que o Eterno havia me mostrado.

Yehesk’El/Ezequiel 36:
1 “E tu, ó filho do homem, profetiza às montanhas de Yisra’El e diz: Escutai a Palavra do Eterno, ó montanhas de Yisra’El! 2 Assim disse o Eterno Elohim: Porquanto o inimigo disse contra vós: ‘Ah! Tornaram-se nossa possessão as alturas da terra, 3 portanto, profetiza e diz: Assim disse o Eterno Elohim: Porquanto de todos os lados vos acossaram para que vos viesses a tornar possessão para o resto das nações e fostes escolhidos por lábios maledicentes para vos tornardes o tema do que falam, 4 escutai, ó montanhas de Yisra’El, a Palavra do Eterno Elohim: Assim disse o Elohim às montanhas e às colinas, aos rios e aos vales, aos assolados e ermos e às cidades abandonadas, que se tornaram presa e motivo de escárnio para o resto das nações a seu redor. 5 Por isso, assim disse o Eterno Elohim: No calor do Meu zelo ergui Minha voz contra Edom e o resto das nações, que consideraram a Minha terra como tendo se tornado sua possessão, manifestando regozijo em seu coração e desprezo em sua alma, por tê-la tornado uma presa. 6 Profetiza com respeito à terra de Yisra’El e proclama às montanhas e às colinas, aos rios e aos vales: Assim disse o Eterno Elohim: Eis que falei com zelo e ira, porque vos haveis sobrecarregado com a afronta das nações 7 e assim falei: Ergui a Minha mão em juramento, assegurando que as nações que vos rodeiam e vos insultam arcarão com suas ações; 8 vós, porém, ó montanhas de Yisra’El, fareis florescer vossos ramos e produzireis vosso fruto para o Meu povo, que retornará em breve. 9 Pois vede que estou convosco e para vós voltarei e sereis lavrados e semeados; 10 tornarei numeroso teu povo e multiplicarei todos da Casa de Yisra’El; e as cidades serão habitadas e nos lugares, voltará a haver edificações. 11 Multiplicarei em vós homens e animais, para que cresçam e frutifiquem e farei com que sejais habitados como antes e que prospereis mais do que no passado; e assim sabereis que Eu sou o Eterno. 12 Sim, farei com que homens voltem a trilhar teus caminhos, Meu povo Yisra’El e voltarás a ser sua herança e não serás mais desprovida de filhos. 13 Assim disse o Eterno Elohim: Embora te digam que és uma terra que devora seus habitantes e privas de seus filhos as nações que te habitam, 14 não devorarás mais homens nem privarás mais as tuas nações de seus filhos” – diz o Eterno Elohim.  15 Nem permitirei que se ouça contra ti, daqui em diante, afronta das nações, nem que te sobrecarregues com o desprezo dos povos, nem que estremeçam tuas nações” – diz o Eterno Elohim. 16 E a Palavra do Eterno veio a mim, dizendo: 17 “Ó filho do homem! Quando a Casa de Yisra’El vivia em sua própria terra, profanaram-na pelos caminhos que escolheram e por seus atos. Perante Mim, eram seus caminhos como a impureza de uma mulher, na época de seu recolhimento. 18 Por isto derramei sobre eles Minha ira pelo sangue que verteram sobre a terra e pela profanação que praticaram com seus ídolos. 19 Eu os espalharei entre as nações e foram dispersos entre os países. Julguei-os conforme seus caminhos e de acordo com suas ações. 20 E quando chegaram às nações para onde foram, novamente profanaram Meu Santo Nome, fazendo com que deles dissessem: Estes são o povo do Eterno, que foram expulsos de sua terra. 21 Mas Eu Me compadeci de Meu Santo Nome, embora a Casa de Yisra’El o tivesse profanado entre as nações para onde foi. 22 Portanto, proclama à Casa de Yisra’El. Assim disse o Eterno: “Não é por vós que o faço, ó Casa de Yisra’El, mas pelo Meu Santo Nome, que profanaste nas nações para onde foste. 23 E santificarei Meu grande Nome perante as nações para onde foste e que, em seu meio, O profanaste. E as nações saberão que Eu sou o Eterno” – diz o Eterno Elohim – “quando Eu for santificado por vós à vista de todos eles. 24 Pois vos buscarei dentre todas as nações, vos recolherei de todos os países e vos trarei à vossa terra. 25 Então aspergirei sobre vós água limpa e sereis purificados de todas as vossas impurezas e de todas as vossas idolatrias. Eu vos purificarei. 26 Dar-vos-ei também um novo coração e vos infundirei um novo espírito e tirarei da vossa carne o coração de pedra e vos darei um coração de carne. 27 Porei em vós a Minha Ruach e farei com que saibais seguir Meus estatutos e cumprir Meus juízos. 28 Vivereis na terra que dei a vossos pais; sereis o Meu povo e Eu serei vosso Elohim. 29 Sereis purgados de todas as vossas contaminações; farei com que multiplique-se o trigo e que não haja fome entre vós. 30 Multiplicarei o fruto da árvore e a produção do campo, para que não sejais mais o opróbrio da fome entre as nações. 31 Então recordareis os vossos maus caminhos e os vossos atos que não eram bons e odiareis a vós mesmos por vossas iniquidades e pelas vossas abominações. 32 Não é por vós que faço isto” – diz o Eterno Elohim. Sabei-o e senti-vos envergonhados e arrependidos dos caminhos que tendes seguido, ó Casa de Yisra’El. 33 Assim disse o Eterno Elohim: “No dia em que vos purificar de todas as vossas iniquidades, farei com que as cidades voltem a ser habitadas e se edifique novamente nos lugares que ficaram desertos. 34 E a terra voltará a ser cultivada nos lugares onde era uma desolação aos olhos dos que por ali passavam 35 e dirão: Esta terra, outrora desolada, converteu-se no jardim do Eden e as cidades, outrora desertas, arruinadas e destruídas, estão agora fortificadas e habitadas! 36 Então as nações ao vosso redor saberão que Eu, o Eterno, edifiquei nos lugares desolados e plantei onde só havia deserto. Eu, o Eterno, assim determinei e farei cumprir! 37 Assim disse o Eterno Elohim: Atenderei à solicitação da Casa de Yisra’El para que faça isso por ele. Multiplicarei seu povo como um imenso rebanho! 38 Sim, como o rebanho para as oferendas do Templo, como o rebanho de Yerushalayim nas suas festas solenes, assim cidades antes desertas serão preenchidas com rebanhos de homens; e assim saberão que Eu sou o Eterno!

Yehesk’El/Ezequiel 38:
1 E a Palavra do Eterno veio a mim, dizendo: 2 “Ó filho do homem! Volta teu rosto para Gog, da terra de Magog, príncipe e chefe de Meshech e Tuval e profetiza contra ele. 3 E dirás: Assim disse o Eterno Elohim: “Eis que sou contra ti, ó Gog[8], príncipe e chefe de Meshech e Tuval! 4 Eu te iludirei, porei anzóis nas tuas mandíbulas e te arrancarei do caminho junto com todo o teu exército, cavalos e cavaleiros, com  suas roupas vistosas, uma grande multidão com lanças, escudos e espadas. 5 Pérsia, Etiópia e Líbia estarão entre eles, com seus escudos e capacetes. 6 Gômer e todas as suas tropas; a casa de Togarmah[9] das partes mais remotas do norte – muita gente trarás contigo. 7 Dispõe-te para o cerco e prepara-te tu e todos os que estão contigo e responsabiliza-te por sua guarda. 8 Receberás a paga por teus pecados antigos; ao final dos dias virás à terra que foi resgatada da espada, cuja gente foi recolhida dentre muitos povos e que habitam em segurança nas montanhas de Yisra’El, por muito tempo um areal abandonado. 9 E tu ascenderás, virás como uma tormenta, serás como uma nuvem para cobrir a terra – tu, todas as tuas hordas e os muitos povos que te acompanham”. 10 Assim disse o Eterno Elohim: “Acontecerá nesse dia que a teu coração ocorrerão pensamentos que te farão tramar um desígnio perverso, 11 e dirás: Subirei contra a terra indefesa! Avançarei sobre os que vivem tranquilos e se sentem seguros, que vivem em cidades sem muros e não têm barras nas portas, 12 para tomar despojo e arrebanhar uma presa, para voltar a mão contra as ruínas já novamente habitadas e contra o povo resgatado das nações onde estavam, que possuem gado e mercadorias e vivem na parte central da terra. 13 Shevah, Dedan e os mercadores de Tarshish, com todos os seus príncipes, te dirão: Vens tu para tomar o despojo? Reuniste-te com a tua gente para tomar a presa e levar prata e o ouro, o gado e as mercadorias e grandes despojos? 14 Portanto, profetiza, ó filho do homem e diz a Gog: Assim disse o Eterno Elohim. Naquele dia, quando o Meu povo Yisra’El habitar em segurança, virás a saber! 15 Quando vieres de teu lugar, das partes mais remotas do norte – tu e muita gente contigo, todos eles a cavalo, uma grande multidão e um exército poderoso 16 subirás contra Meu povo Yisra’El como uma nuvem para cobrir a terra! No fim dos dias Eu te trarei contra a Minha terra, para que as nações Me reconheçam, quando Eu for santificado por meio de ti, ó Gog, diante dos teus olhos”. 17 Assim disse o Eterno Elohim: “És tu aquele de quem falei nos tempos antigos por meio dos Meus servos, os nevi'im de Yisra’El, que profetizaram naqueles dias, há muitos anos, que Eu te traria contra eles? 18 E naquele dia, quando Gog vier contra a terra de Yisra’El” – diz o Eterno Elohim – “incendiar-se-á Minha fúria! 19 Em Minha flamejante ira determinei que, certamente naquele dia, haverá grande terremoto na terra de Yisra’El 20 e tremerão ante Minha presença os peixes do mar, as aves do céu, as bestas do campo, todas as coisas que se arrastam no solo e todos os homens que estão sobre a face da terra; montanhas serão arrasadas, íngremes rochedos ruirão e cairão por terra todos os muros. 21 E convocarei contra ele toda espada em Minhas montanhas – diz o Eterno Elohim. A espada de cada homem será voltada contra o seu irmão. 22 Eu o punirei com pestilência e sangue, chuva torrencial, granizo, fogo e enxofre, que desabarão sobre ele, suas tropas e a multidão  que o acompanha. 23 Assim Me engrandecerei e Me santificarei e Me farei conhecer diante dos olhos de muitas nações; e saberão que Eu sou o Eterno”!

Yehesk’El/Ezequiel 39:
1 “E tu, ó filho do homem, profetiza contra Gog e diz: Assim disse o Eterno Elohim. Eis que sou contra ti, ó Gog, príncipe de Meshech e Tuval! 2 Eu te iludirei, seduzirei e farei com que avances a partir do mais distante norte e te trarei as montanhas de Yisra’El. 3 Golpearei  arco de tua mão esquerda e abaterei as flechas de tua mão direita. 4 Cairás sobre as montanhas de Yisra’El, tu, todas as tuas tropas e os povos que estão contigo. Eu te darei por presa às aves predatórias de toda espécie e às bestas do campo, para que te devorem. 5 Sobre o campo aberto ruirás, porquanto assim determinei” – diz o Eterno Elohim. 6 “Enviarei fogo sobre Magog e sobre os que vivem seguros nas ilhas; e saberão assim que Eu sou o Eterno! 7 Farei conhecer Meu Santo Nome no meio do Meu povo Yisra’El e não suportarei mais que seja profanado o Meu Santo Nome; e as nações saberão que Eu sou o Eterno, o Santíssimo de Yisra’El! 8 Eis que se cumprirá e chegará o dia do qual tenho falado” diz o Eterno Elohim. 9 E sairão os moradores das cidades de Yisra’El e farão fogueiras e as alimentarão com armas que usarão como combustível, couraças e escudos, arcos e flechas, armas de arremesso e lanças; e por sete anos alimentarão o fogo com elas, 10 de modo que não buscarão lenha do campo nem cortarão árvores nos bosques, porque só com as armas manterão o fogo. 11 Naquele dia, darei a Gog u lugar para sepultura em Yisra’El, no vale dos viajantes ao oriente do mar, impedindo a passagem de todos. Ali sepultarão a Gog e a toda a sua horda e o chamarão de Vale de Hamon Gog[10]12 E a Casa de Yisra’El levará sete meses sepultando-os, para purificar a terra. 13 Todo o povo da terra os enterrará e será memorável o dia em que Eu for glorificado” – diz o Eterno Elohim. 14 E serão nomeados funcionários que, como sua ocupação contínua, percorrerão a terra para sepultar os que restaram, purificando-a; e durante sete meses buscarão o que tiver restado. 15 E quando os que passarem pela terra virem algum osso humano assinalarão o lugar, até que os coveiros o sepultem no vale de Hamon Gog. 16 E também o nome da cidade será Hamonah e assim purificarão a terra. 17 E tu, ó filho do homem, assim disse o Eterno: Diz às aves de toda espécie e a toda besta do campo; reuni-vos e vinde; juntai-vos de todas as partes para a Minha festa que vos preparo, uma grande festa sobre as montanhas de Yisra’El, para que possais comer carne e beber sangue. 18 A carne dos poderosos comereis e o sangue dos príncipes da terra bebereis: carneiros, cordeiros e cabritos, todos eles engordados em Bashan. 19 E comereis gordura até vos fartardes e bebereis sangue até vos embriagardes, na festa que preparei para vós. 20 E vos fartarei na Minha mesa com cavalos e cavaleiros, com homens poderosos e com estes guerreiros” – diz o Eterno Elohim. 21 “E porei a Minha glória entre as nações e todas elas verão como foi executado Meu juízo e como se abateu sobre elas Minha mão. 22 Assim, a Casa de Yisra’El saberá que Eu sou o Eterno, seu Elohim, deste dia em diante. 23 E as nações saberão que a Casa de Yisra’El esteve no cativeiro por iniquidade, porque deixaram de confiar em Mim e Eu lhes ocultei o Meu rosto e os entreguei na mão de seus adversários e todos eles caíram pela espada. 24 Conforme as suas impurezas e conforme as suas transgressões agi com eles e lhes ocultei o Meu rosto. 25 Por isso, assim disse o Eterno Elohim: Agora farei retornar Ya’akov do cativeiro e terei compaixão de toda a Casa de Yisra’El e serei zeloso do Meu Santo Nome. 26 Terão consciência de suas culpas e das iniquidades que contra Mim praticaram, quando viverem com segurança em sua terra e ninguém os atemorizará, 27 quando Eu os fizer voltar de entre os povos, os recolher das terras dos seus inimigos e for santificado neles à vista de muitas nações. 28 E saberão que Eu sou o Eterno, seu Elohim, pelo fato de que os fiz ir em cativeiro entre as nações e voltei a reuni-los na sua própria terra; e não deixarei mais nenhum deles ali, 29 nem voltarei a ocultar-lhes o Meu rosto, porquanto estenderei Minha Ruach sobre a Casa de Yisra’El” – diz o Eterno Elohim.



[1] Yirmyahu/Jeremias 51:1 – Kamai. Em hebraico é: קום kum, uma raiz que pode significar: ‘Levantar, erguer, permanecer de pé, ficar de pé, pôr-se de pé, levantar-se no sentido hostil, levantar-se, tornar-se poderoso, levantar para entrar em cena, estar de pé, manter-se, ser estabelecido, ser confirmado, resistir, estar fixo, ser válido – diz-se de um voto, ser provado, está cumprido, persistir, estar parado, cumprir, confirmar, ratificar, estabelecer, impor, erguer, levar a levantar, erigir, edificar, construir, trazer à cena, despertar, provocar, instigar, investigar, constituir, fazer ficar em pé, pôr, colocar, tornar obrigatório, realizar, levar a efeito, ser levantado. Em aramaico também é קום kum, em grego κουμι, significando: ‘Levantar, estar de pé, levantar de, vir à cena no sentido figurado, levantar após inatividade, estar de pé, resistir, edificar, estabelecer, edificar, levantar, estabelecer, designar, ser levado a levantar. De קום kum vem  קומה komah, um nome feminino que significa: ‘Altura, estatura. Segundo o dicionário http://free-translation.imtranslator.net/Portuguese-languag é ‘pavimento’.
[2] Yirmyahu/Jeremias 51:11 – Maday. Em hebraico encontramos: מדי Maday, de derivação estrangeira. Em grego é Μηδος. Média ou medos significa 'território central' . É um nome próprio masculino que pode significar: ‘Um povo descendente do filho de Yafe que também habitou o território da Média. Pode ser um nome próprio de localidade para referir-se a: ‘Terra habitada pelos descendentes de Yafe; localizada a noroeste da Pérsia, sul e sudoeste do mar Cáspio, leste da Armênia e Assíria e oeste e noroeste do grande deserto de sal do Irã. מדי Maday também pode ser um gentílico, também indicando 'território central'. Pode referir-se a: ‘Um habitante da Média ou uma região localizada a noroeste da Pérsia, sul e sudoeste do mar Cáspio, leste da Armênia e Assíria, e oeste e noroeste do grande deserto de sal do Irã. מדי Maday em aramaico também significa  ‘um habitante da Média’. Também pode ser um nome próprio de localidade para referir-se ao território habitado pelos medos, localizado a noroeste da Pérsia, sul e sudoeste do mar Cáspio, leste da Armênia e Assíria, e oeste e noroeste do grande deserto de sal do Irã.
[3] Yirmyahu/Jeremias 51:27 – Ararat. Em hebraico temos: אררט Ararat, de origem estrangeira. É um nome próprio de localidade que significa: ‘A maldição invertida: precipitação da maldição'. Refere-se a uma região montanhosa no leste da Armênia, entre os lagos Van e Urmia, o lugar onde a arca de Noach aportou.
[4] Yirmyahu/Jeremias 51:27 – Miniy. Em hebraico temos: מני Miniy, de derivação estrangeira. É um nome próprio de localidade que significa 'divisão'. Refere-se a uma região na Armênia.
[5] Yirmyahu/Jeremias 51:17 – Ashkenaz. Temos em hebraico: אשכנז Ashkenaz, de origem estrangeira. É um nome próprio masculino que significa 'um homem salpicado: fogo espalhado'. Refere-se a um descendente de Yafet ou a um povo setentrional, talvez da Bitínia.
[6] Yirmyahu/Jeremias 51:27 – Hirsuto. Que tem pêlos longos e bastos. Cabeludo, cerdoso, viloso. Que não está composto ou cuidado (ex.: cabeleira hirsuta). Emaranhado, enriçado. No sentido figurado é o que não tem delicadeza ou cortesia. O grosseiro, ríspido, rude. É o contrário de doce, delicado, polido.
[7] Yirmyahu/Jeremias 51:41 – Sheshak. Em hebraico encontramos ששך Sheshak, de origem estrangeira.  É um nome próprio de localidade que significa 'teu linho fino'. É um outro nome para Babilônia, aparentemente derivado do nome da deusa 'Shach'
[8] Yehesk’El/Ezequiel 38:3 – Gog. Em hebraico encontramos: גוג Gog, de derivação incerta; em grego γωγ. É um nome próprio masculino eu significa 'montanha'. Refere-se a um reu’veniy, filho de Shemaiyah ou ao príncipe profético de Rôs, Meshech, Tuval e Magog.
[9] Yehesk’El/Ezequiel 38:6 – Togarmah. Temos em hebraico: תוגרמה Togarmah ou תגרמה Togarmah, provavelmente de origem estrangeira. Significa 'tu a quebrarás'. É um nome próprio masculino. Pode referir-se ao filho de Gômer ben Yafe ben Noach. Pode surgir como um nome próprio de uma terra para referir-se a um território ocupado pelos descendentes de Togarmah ou provavelmente a região conhecida como Armênia.
[10] Yehesk’El/Ezequiel 39:11 – Hamon Gog. Temos em hebraico: המון גוג Hamon Gog, procedente de [המון hamon ou המן hamon, procedente de (המה hamah, uma raiz que pode significar: ‘Murmurar, rosnar, rugir, chorar em alta voz, lamentar, enfurecer, soar, fazer barulho, tumultuar, ser clamoroso, ser inquieto, ser barulhento, ser movido, ser perturbado, estar em alvoroço, rosnar, murmurar de uma alma em oração, rugir, estar alvoroçado, estar em comoção, ser barulhento, ser turbulento). המון hamon ou המן hamon é um nome masculino que pode significar: ‘Murmúrio, rugido, multidão, abundância, tumulto, som, correria, confusão, aglomeração, abundância, riqueza] e (Gog, de derivação incerta; em grego é γωγ. É um nome próprio masculino que significa 'montanha'. Refere-se a um reu’veniy ben Shemaiyah ou ao príncipe profético de Rôs, Meshech e Tuval e Magog). Por fim, המון גוג Hamon Gog é um nome próprio de localidade que significa ‘Forças de Gog’ ou 'multidão de Gog'. É o nome a ser dado a um vale de sepulturas; ravina ou estreito, agora conhecido como 'a ravina dos passageiros', localizado no lado leste do Mar Morto.

SHIRIM U'CHOCHMAH 
Kohelet/Eclesiastes 9:
1 Ao perceber tudo isto, preocupei-me em assegurar que o sábio e o justo, bem como todas as suas ações, estejam nas mãos de Elohim, até mesmo o sentimento de amor e ódio, sem que percebam, Ele põe diante deles. 2 Da mesma forma chegam os acontecimentos para todos; o mesmo ocorre quer ao justo quer ao iníquo, ao bom, ao puro e ao impuro, ao que oferece sacrifícios e ao que abstém de fazê-lo; ao reto e ao transgressor, ao que jura e ao que teme fazer promessas. 3 Isto é o pior mal de tudo que se passa sob o sol. Que para todos venham a acontecer as mesmas coisas e também que o coração dos filhos dos homens esteja repleto de maldade e pleno de loucura por toda extensão de sua vida, até alcançar a morte. 4 Entretanto, para os vivos ainda há esperança, pois mais vale um cão vivo do que um leão morto. 5 Pois sabem os vivos que hão de morrer, mas nada mais podem saber os mortos, nem tampouco há para eles ainda qualquer recompensa , pois até sua recordação já foi esquecida. 6 Perdido está também seu amor, seu ódio, até sua inveja e não têm mais qualquer porção no que ocorre sob o sol. 7 Vai, como teu pão com satisfação, bebe com alegria teu vinho, pois Elohim já aceitou tuas obras. 8 Que sejam sempre alvas as tuas vestes e que não falte óleo sobre tua cabeça. 9 Desfruta com a esposa que amas todos os dias desta vida passageira, repleta de labuta, que Ele te concedeu sob o sol, pois esta é porção que te cabe por teu trabalho realizado sob o sol. 10 O que és capaz de realizar com tua força, faze-o, pois na tumba para onde te diriges não há feitos nem registros, sabedoria ou conhecimento.

SHIR MIZMOR
Tehilim/Salmos 121:
1 Um cântico para ascensão. Ergo meus olhos para o alto de onde virá meu auxílio. 2 Meu socorro vem do Eterno, o Criador dos céus e da terra. 3 Ele não permitirá que resvale teu pé, pois jamais se omite aqu’Ele que te guarda. 4 O guardião de Yisra’El jamais descuida, jamais dorme. 5 O Eterno é tua proteção. Como uma sombra, te acompanha a Sua destra. 6 De dia não te molestará o sol, nem sofrerás de noite sob o brilho da lua. 7 O Eterno te guardará de todo mal; Ele preservará tua alma. 8 Estarás sob Sua proteção ao saíres e ao voltares, desde agora e para todo o sempre.
compilado por Yossef Ben Yisa'El
Shabat Shalom!

Nenhum comentário:

Postar um comentário