sábado, 27 de julho de 2013

REFLEXÃO DA SEDRAH 120 - BAMIDBAR/NÚMEROS 33

por Yossef Michael

Na Sedrah desta semana, temos uma “retrospectiva” sobre as jornadas/paradas/partidas de nosso povo antes da chegada à Terra Prometida, Kena’an.

A palavra no hebraico para estas jornadas é mas’ei, que, segundo a Concordância Strong #04550, vem da raiz antiga nassa, cujo significado, segundo a Concordância Strong #05265, entre outras coisas, pode ser “arrancar, puxar para cima, partir, pôr-se a caminho, remover, ir em frente, partir”.

Buscando nas Escrituras outras passagens em que este radical aparece, localizei uma interessante passagem, senão vejamos: Bereshit 33:17, “Ya’akov, porém, partiu (nassa) para Sukot e edificou para si uma casa; e fez cabanas para o seu gado; por isso chamou aquele lugar Sukot”.

Qual era o contexto de Ya’akov ao lermos esta passagem de Bereshit? O mesmo acabara de sair da presença de seu irmão Esav, o qual desejava destruí-lo, para seguir sua jornada, conforme a orientação do Eterno, rumo à Kena’an.

Quando analisamos a vida de nossos patriarcas podemos ter uma exata dimensão do quão poderoso é o Eterno e tudo o que Ele fez para que Sua promessa feita a Avraham Avinu fosse cumprida. Assim, da mesma forma que foi com Ya’akov, foi com nosso povo em Mitsrayim, isto é, fomos “arrancados, puxados para cima, partimos, pusemo-nos a caminho, fomos removidos, seguimos” pela Mão poderosa de HaShem!

Assim este “partir”, estas “jornadas/paradas” revelam de uma forma muito sutil, o governo de nosso Elohim Echad sobre nossas vidas... Ele sabe o momento exato em que devemos permanecer em determinado local ou situação e a hora em que devemos “romper” com tudo e seguirmos adiante... Afinal, nossa vida não tem sido assim?

Mosheh e nosso povo foram “arrancados” de Ra’meses, pela graça e misericórdia do Eterno para então iniciarem sua viagem de retorno à Terra Prometida.

Devemos compreender que Ra’meses, durante mais de quatrocentos anos, foi a terra recebida pelos B’nei Ya’akov para lá habitarem, em meio aos mitsrayitas, quando tiveram de deixar a terra de Kena’an, pela fome que a assolava. É inegável que o Eterno permitiu que lá estivéssemos durante todo aquele tempo, mas, que em determinado momento, e ouvindo os clamores que de nossos pais vinham, havia chegado o momento de partirmos.

Nada mais providencial que nossos pais, ao deixarem a terra de Mitsrayim, logo chegassem justamente ao mesmo local que havia sido alcançado por Ya’akov, uma terra que dele próprio havia recebido o nome de Sukot, pois ali habitara e construíra tendas para ele e seus gados. Uma espécie de porto seguro para um povo que acabara de deixar o único local que conheciam. Mas, como vimos, era hora de seguirem sua jornada à Kena’an, de continuarem sua preparação para o que havia de vir, para enfim encontrarem o local onde Ele, nosso Elohim Avinu, faria habitar o Seu Nome!

Talvez a questão seja exatamente esta... Estamos em uma jornada, cuja “parada final” não nos cabe conhecer... Só saberemos quando lá chegarmos! A jornada de 40 anos de nosso povo no deserto nos revela que a vida é composta de etapas, paradas que fazemos para no final alcançarmos nosso objetivo final, o Temor a HaShem. Sim, este é o objetivo final... Não alcançarmos a nova Yerushalayim ou mesmo o Olam Habah... Quando conseguirmos internalizar a ideia de que Yerushalayim e o Olam Habah serão uma mera consequência das prioridades corretas em nosso coração, talvez cheguemos ao final da tão sofrida jornada...

Assim como nossos pais, sofremos muito em nossa jornada. Há perdas, dor e lutas, mas há a recompensa... Por termos nossa vida governada por Ele, a certeza que nos move é que ele nos “arranca” das situações que podem vir a complicar nossa condição de maior proximidade a Ele, para seguirmos adiante. Foi assim com Ya’akov, com nossos pais e também será conosco e com nossos filhos, BH!!!

Deixar Ra’messés, nos estabelecermos em Sukot e, não importa quantas paradas ocorrerem, seguirmos à Kena’an é necessário para que compreendamos nosso real propósito!
Bamidbar 10:31-33, “E ele disse: Ora, não nos deixes; porque Tu sabes onde devemos acampar no deserto; nos servirás de guia. E será que, vindo Tu conosco, e sucedendo o bem que YHWH nos fizer, também nós Te faremos bem. Assim partiram do monte de YHWH caminho de três dias; e a arca da aliança de YHWH caminhou diante deles caminho de três dias, para lhes buscar lugar de descanso”.

Quando o Temor a Elohim assumir o controle de nossas ações, poderemos confiar plenamente que Sua Palavra Se encarregará de nos encontrar este lugar de descanso!!!

Chazak, Chazak Venit Chazek!!!
Força, força e que sejamos fortalecidos!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário