quinta-feira, 11 de julho de 2013

CICLO TRIENAL - SEDRAH 118 (Semana de 07 a 13 de julho/2013)

Torah: Bamidbar/Números 30:1-31:54
Tema(s): Os votos; Os despojos de Midian  
Haftarah: Shofetim/Juízes 1 e 4; Yirmyahu/Jeremias 47
Tema(s): Contra os Kana’aniym/cananeus; A história de Divorah; Contra os filishtim/filisteus  
Shirim U’Chochmah: Kohelet/Eclesiastes 7:20-30
Tema(s): A retidão e o homem  
Shir Mizmor: Tehilim/Salmos 118
Tema: Celebração ao Eterno

TORAH
Bamidbar/Números 30:
1 Mosheh falou aos Yisre’eliym dizendo-lhes tudo o que o Eterno lhe[1] tinha ordenado.
2 Mosheh falou[2] aos chefes tribais dos Yisre’eliym, dizendo-lhes que esta é a Palavra que o Eterno tinha ordenado: 3 “Se um homem faz um voto ao Eterno ou faz um juramento de obrigar-se[3], ele não deve quebrar sua palavra[4]. Ele deve fazer tudo que expressou verbalmente. 4 Esta é a lei quando uma mulher faz um voto ao Eterno ou compromete-se por uma obrigação enquanto ainda é uma jovem[5] na casa de seu pai. 5 Se seu pai permanece em silêncio quando ouve[6] o voto dela ou auto-imposta obrigação, então todos os seus votos e auto-impostas obrigações devem ser mantidos. 6 No entanto, se ele a impede[7] no dia[8] em que o ouve, então qualquer voto ou auto-imposta obrigação dela não será cumprido. Desde que o pai dela a impediu, o Eterno a perdoará. 7 Esta é a lei se ela é prometida a um homem e está comprometida por seus votos e auto-impostas obrigações verbais[9]8 Se os homens em sua vida[10] ouvem a respeito e permanecem silenciosos no dia em que o ouvem, então seus votos e auto-impostas obrigações devem ser mantidos. 9 No entanto, se os homens em sua vida a impedem no dia em que eles ouvem a respeito, eles podem anular seus votos e auto-impostas obrigações e o Eterno a perdoará. 10 O voto de uma viúva ou divorciada deve ser mantido, não importa que obrigação ela tenha tomado sobre si própria. 11 Esta é a lei se uma mulher faz um voto ou um juramento para uma auto-imposta obrigação na casa de seu marido[11]12 Se seu marido ouve[12] e permanece em silêncio sem impedi-la, então todos os seus votos e auto-impostas obrigações devem ser mantidos. 13 Contudo, se seu marido os anula no dia em que os ouve, então todos os seus votos e auto-impostas obrigações verbalmente expressos não necessitam ser mantidos. Desde que seu marido os anulou, o Eterno a perdoará. 14 Assim, no caso de todo voto ou juramento envolvendo auto-negação[13], o marido da mulher pode confirmá-los e seu marido pode anulá-los. 15 Se seu marido permanece silencioso o dia inteiro, então ele, automaticamente, confirmou qualquer voto ou obrigação que ela assumiu. Ele simplesmente os confirmou permanecendo em silêncio no dia em que ele os ouviu. 16 Contudo, se ele os anula depois de os ouvir, ele remove qualquer culpa que ela possa ter por violá-los. 17 Estas são as regras que o Eterno ordenou a Mosheh com referência ao relacionamento entre um homem e sua mulher e entre um pai e sua filha enquanto ela é uma jovem em casa de seu pai.

Bamidbar/Números 31:
1 O Eterno falou a Mosheh dizendo: 2 “Toma vingança pelos Yisre’eliym contra os midianitas. Então tu morrerás e serás juntado a teu povo”. 3 Mosheh falou ao povo, dizendo: “Destaquem[14] homens para o serviço armado contra Midian, de modo que a vingança do Eterno possa ser tomada contra os midianitas. 4 Mil de cada tribo de Yisra'El serão enviados para o serviço armado”. 5 Dos milhares de Yisra'El, mil voluntários[15] de cada tribo, um total de doze mil enviados para o exército. 6 Mosheh enviou os mil homens de cada tribo como um exército[16] junto com Pinechas[17] ben Elazar, o Kohen, que estava encarregado[18] dos artigos sagrados[19] e sinais[20] de trombetas[21]7 Eles montaram um ataque de surpresa[22] contra Midian como o Eterno tinha ordenado a Mosheh e mataram todos os varões adultos. 8 Junto com as outras vítimas, eles também mataram os cinco reis de Midian[23]: Avah[24], Rekem[25], Tsur[26], Chur e Reva, os cinco reis medianiym. Eles também mataram Bil'am ben Peor[27], pela espada. 9 Os Yisre’eliym também tomaram cativas todas as mulheres de Midian e seus filhos. Eles tomaram como presa de guerra todos os seus animais, todas as suas posses e toda a sua riqueza[28]10 Os Yisre’eliym também incendiaram todas as suas cidades residenciais e fortalezas[29]11 pegando toda presa e todo saque, de homens e animais. 12 Eles trouxeram os cativos, a presa e o saque a Mosheh e a Elazar, o kohen e toda a comunidade Yisre’eliy, que estavam nas Planícies Ocidentais de Moav, às margens do Yarden, em frente a Yericho. 13 Mosheh, Elazar, o kohen e todos os príncipes da comunidade saíram para saudá-los fora do acampamento. 14 Porém, Mosheh ficou irritado com os generais e capitães[30], que eram os oficias retornando da campanha militar. 15 ‘Por que vocês mantiveram todas as mulheres vivas? Perguntou Mosheh. 16 Estas são exatamente aquelas que estiveram envolvidas com os Yisre’eliym por instigação de Bil'am, fazendo-os serem infiéis ao Eterno no incidente de Peor e trazendo uma praga sobre a comunidade do Eterno. 17 Agora matem toda criança do sexo masculino, assim como toda mulher que tenha estado envolvida intimamente com um  homem. 18 Contudo, todas as jovens meninas que não tenham estado envolvidas intimamente com um homem, vocês devem manter vivas para vocês mesmos. 19 Agora vocês devem permanecer fora do acampamento por sete dias. Quem matou uma pessoa ou tocou num cadáver deve se purificar no terceiro dia e no sétimo dia[31]. E quanto a vocês e seus cativos[32]20 toda roupa, todo artigo de couro, qualquer coisa feita de produtos de cabras[33] e todo artigo de madeira devem sofrer tal purificação[34]21 Elazar, o kohen, disse aos soldados que retornavam da campanha: ‘Esta é a regra que o Eterno ordenou a Mosheh: 22 Quanto ao ouro, prata, cobre, ferro, estanho e chumbo, 23 o que foi usado sobre fogo[35] deve ser trazido sobre o fogo e purgado e então purificado com aspersão de água[36]. No entanto, aquilo que não foi usado sobre o fogo necessita somente ser mergulhado num mikveh[37].
24 Vocês próprios também devem mergulhar seus corpos[38] e suas roupas no sétimo dia e vocês então estarão puros de modo que possam entrar no acampamento’. 25 O Eterno falou a Mosheh dizendo: 26 “Junto com Elazar, o kohen e os líderes paternais da comunidade, tu deves fazer uma contabilidade dos homens e animais saqueados como presa. 27 Então divide o saque igualmente[39], dando metade para os guerreiros que saíram para a batalha e a outra metade para a comunidade. 28 Dos soldados que participaram da campanha arrecada um tributo para o Eterno consistindo em um de cada quinhentos dos seres humanos, gado, jumentos e rebanho. 29 Toma isto da metade deles e dá-o a Elazar, o kohen, como um donativo elevado ao Eterno. 30 Da metade que está indo para os outros Yisre’eliym, toma um de cada cinquenta[40] dos seres humanos, gado, jumento, rebanho e outros animais[41] e dá-os aos Levi’im que estão encarregados com o Mishkan dos Eterno”. 31 Mosheh e Elazar, o kohen, fizeram como o Eterno tinha ordenado a Mosheh. 32 Em acréscimo aos bens[42] que as tropas tomaram como presa, o saque consistiu em seiscentos e setenta e cinco mil cabeças de rebanho, 33 Setenta e duas mil cabeças de gado, 34 Sessenta e um mil jumentos, 35 Trinta e dois mil seres humanos[43]36 A meia porção daqueles que saíram para o exército foi a seguinte: Rebanho em número de trezentos e trinta e sete mil 37 e o tributo do rebanho para o Eterno foi de seiscentos e setenta e cinco. 38 Havia trinta e seis mil cabeças de gado, das quais o tributo para o Eterno foi de setenta e duas. 39 Havia trinta mil e quinhentos jumentos, dos quais o tributo para o Eterno foi de sessenta e um. 40 Havia dezesseis mil seres humanos, dos quais o tributo para o Eterno consistiu em trinta e dois indivíduos. 41 Mosheh deu o tributo para Elazar, o kohen, como donativo elevado ao Eterno, como o Eterno havia ordenado a Mosheh. 42 A metade que Mosheh tomou dos militares para os outros Yisre’eliym como 43 a porção da comunidade, consistiu em trezentos e trinta e sete mil e quinhentos do rebanho, 44 Trinta e seis mil do gado. 45 Trinta mil e quinhentos jumentos 46 e dezesseis mil seres humanos. 47 Dos seres humanos e animais que foram a metade dos Yisre’eliym, Mosheh tomou um de cada cinquenta e os deu aos Levi’im, que estavam encarregados do Mishkan do Eterno. Tudo foi feito como o Eterno havia ordenado a Mosheh. 48 Os generais e capitães, que eram oficiais sobre divisões do exército, aproximaram-se de Mosheh. 49 Eles disseram a Mosheh: ‘Nós fizemos um censo dos guerreiros sob nosso comando e nenhum homem foi perdido! 50 Nós, portanto, desejamos trazer uma oferenda ao Eterno. Cada homem que achou qualquer artigo de ouro, tais como pulseira de [44], um bracelete[45], um anel[46], um brinco[47] ou um ornamento de corpo[48] deseja trazê-lo para expiar por nossas almas diante do Eterno’. 51 Mosheh e Elazar, o kohen, tomaram todos os artigos de ouro deles. 52 Todo donativo elevado de ouro que foi oferecido ao Eterno totalizou dezesseis mil setecentos e cinquenta shekalim[49]. Isto foi dado pelos generais e capitães. 53 Os outros soldados, no entanto, tomaram o saque deles para si próprios. 54 Mosheh e Elazar, o kohen, tomaram o ouro dos generais e capitães e o trouxeram para a Tenda da Comunhão como uma lembrança para os Yisre’eliym diante do Eterno.

[1] Bamidbar/Números 30:1 – Lhe. Literalmente 'Mosheh'. Isto encerra a Palavra do Eterno a Mosheh.
[2] Bamidbar/Números 30:2 – Mosheh falou. Alguns dizem que isso foi dado depois da guerra com Midian.
[3] Bamidbar/Números 30:3 – Obrigar. Em hebraico é 'assar'. Ou 'proibir'.
[4] Bamidbar/Números 30:3 – Ele não deve. Eis um mandamento negativo.
[5] Bamidbar/Números 30:4 – Jovem. Da idade de 11 anos até 12,5 anos. Antes dessa idade, seus votos não são comprometidos e mais tarde seu pai não poderá mais anulá-los.
[6] Bamidbar/Números 30:5 – Ouve. Há aqui uma questão. Isto significa que o pai deve presencialmente ouvir a declaração do voto ou se ele meramente ouve falar a respeito dessa declaração.
[7] Bamidbar/Números 30:6 – Impede. Em hebraico é 'heini'. Ou 'quebra', 'anula', 'contraordem' segundo a Septuaginta. Qualquer palavra que nega o voto é efetiva.
[8] Bamidbar/Números 30:6 – No dia. Até o cair da noite desse dia. Ver abaixo o perek/capítulo 30, passuk/versículo 15.
[9] Bamidbar/Números 30:7 – Verbais. Em hebraico é 'bata'. Ou 'promessa'. Conforme Vaiykra/Levítico 5:“4 Isso também é verdade se uma pessoa faz um juramento verbal para fazer bem ou mal, não importa o que é expresso no juramento e então o esquece. Em qualquer desses casos, a pessoa é considerada culpada, tão logo ela descobre o que fez.”.
[10] Bamidbar/Números 30:8 – Homens em sua vida. Isto é, seu pai e seu marido juntos. Embora a Torah expresse literalmente 'seu homem', denota ambos. Ou 'seu marido, também'.
[11] Bamidbar/Números 30:11 – Na casa de seu marido. Uma vez que uma mulher entra na casa de seu marido, ela é considerada plenamente casada e não mais sob controle de seu pai.
[12] Bamidbar/Números 30:12 – Ouve. Aqui a mesma questão já suscitada: Se ele deve realmente ouvir, presencialmente, ou também por ouvir falar a respeito. Considerar perek/capítulo 30, passuk/versículo 5.
[13] Bamidbar/Números 30:14 – Autonegação. Enquanto o pai de uma jovem pode anular qualquer voto, o marido pode anular somente o voto que envolve autonegação. Não importa quão menor seja a autonegação. Qualquer autonegação por parte da mulher acabará afetando o marido. Outros, no entanto, mantêm que o pai também poderá anular qualquer voto que envolva autonegação.
[14] Bamidbar/Números 31:3 – Destaquem. Em hebraico é 'chalats'. Ou 'alerta', 'arma', segundo a Septuaginta: “Armem-se alguns de vocês e preparem-se para travar uma guerra do Eterno contra os midianitas para os castigar. Mobilizem mil homens de cada tribo.”.
[15] Bamidbar/Números 31:5 – Voluntários. Ou 'foram cedidos'.
[16] Bamidbar/Números 31:6 – Como um exército. Ou ‘... junto com Pinechas, filho de Elazar, o sacerdote do exército'. Considerar a próxima Nota de Rodapé.
[17] Bamidbar/Números 31:6 – Pinechas. Ele foi enviado como o sacerdote ungido para a guerra. Em D'varim/Deuteronômio 20: “2. Antes de começarem a batalha haverá um sacerdote que se porá diante do exército de Yisra'El e dirá: 3.'Ouçam-me todos vocês, gente de Yisra'El! Não tenham medo ao irem agora combater.”.
[18] Bamidbar/Números 31:6 – Encarregado. Literalmente: 'que tinha em suas mãos'.
[19] Bamidbar/Números 31:6 – Artigos sagrados. A arca. Verificar Nota de Rodapé para o perek/capítulo 10, passuk/versículo 33. Outros dizem que era a lâmina frontal sacerdotal (tsits) mencionada em Shemot/Êxodo 28:“33 Em volta de toda a orla inferior, porás romãs de púrpura violeta e escarlate, assim como carmesim, entremeadas de campainhas de ouro:” ou Urim e Tumim, conforme  Shemot/Êxodo 28:“30. No peitoral de julgamento porás o Urim e o Tumim, para que estejam sobre o peito de Aharon quando ele se apresentar diante de YHWH. Assim Aharon levará constantemente sobre o seu coração, diante de YHWH, o julgamento dos filhos de Yisra'El”. Ou 'os vasos sagrados onde estavam as trombetas'.
[20] Bamidbar/Números 31:6 – Sinais. Em hebraico é 'teruá'. Literalmente 'staccato'.
[21] Bamidbar/Números 31:6 – Trombetas. Verificar acima o perek/capítulo 10, passuk/versículo 9. Outros dizem que estes eram chifres de carneiro.
[22] Bamidbar/Números 31:7 – Montaram um ataque de surpresa. Ou 'colocaram-se em linha de combate' conforme a Septuaginta
[23] Bamidbar/Números 31:8 – Cinco reis de Midian. Para cada uma das cinco nações midianitas. Conforme Yehoshua/Josué 13:“21. A terra de Re’uven incluía também as cidades do planalto e o reino de Siom. 22. Siom foi o rei que vivia em Cheshbon e que Mosheh matou, juntamente com os outros chefes de Midian - Evi, Requem, Hur, Zur e Reba. 23. O povo de Israel matou também Balaão, o mágico, filho de Beor. O rio Jordão formou o limite ocidental da tribo de Re’uven.”.
[24] Bamidbar/Números 31:8 – Avah. Em hebraico vemos: אוה avah, uma raiz que pode significar: ‘Desejar, inclinar-se a, cobiçar, esperar pacientemente, querer, suspirar, ansiar, ambicionar, aspirar, preferir, ansiar por comida e bebida, ansiar por, desejar com ardor referindo-se aos desejos corporais). אוה Avah é um nome próprio masculino que em português, respeitado o transliterado, é grafado como Evi que significa: 'Meu desejo'. Refere-se a um dos cinco chefes de Midian.
[25] Bamidbar/Números 31:8 – Rekem. Alguns dizem que a cidade de Rekem, também conhecida como Kadesh e Petra, foi assim denominada em homenagem ao rei, conforme Flavio Josefus, Antiguidades 4:8:1. Alguns dizem que é Kadesh Barnea. Considerar perek/capítulo 13, passuk/versículo 26 e 32:8 logo adiante. O Targum expressa como Rekem, que também é identificada como Petra, situada a 69 quilômetros ao sul do Mar Morto. Outros dizem que é uma área que dista 88 quilômetros ao sudoeste do Mar Morto.
[26] Bamidbar/Números 31:8  Tsur. Pai de Kozbi ou Kazbi. Considerar perek/capítulo 25, passuk/versículo 15.
[27] Bamidbar/Números 31:8 – Bil'am, filho de Beor. Embora ele tivesse partido para casa (perek/capítulo 24, passuk/versículo 25), ele foi para Midian para tentar obter seu pagamento. Ele achava que tal pagamento lhe era devido em razão da praga que sobreviera a Yisra'El como resultado do acatamento de seu conselho. Ver perek/capítulo 25, passuk/versículo 9 e  perek/capítulo 31, passuk/versículo 16.
[28] Bamidbar/Números 31:9 – Todas as suas riquezas. A Septuaginta fala em 'saquearam suas forças'.
[29] Bamidbar/Números 31:10 – Fortalezas. Ou 'cidades fortificadas'. Em hebraico é 'tira'. Ou 'palácios'.
[30] Bamidbar/Números 31:14 – Generais e capitães. Literal, 'comandantes de milhares' e 'comandantes de centenas'.
[31] Bamidbar/Números 31:19 – No terceiro dia e no sétimo dia. Verificar acima no perek/capítulo 19, passukim/versículos 12 e 19.
[32] Bamidbar/Números 31:19 – Quanto a vocês e seus cativos. Ou 'isto é para ambos, vocês e seus cativos'. Realmente, gentios não ficam impuros pelo contato com os mortos. Porém, tão logo os prisioneiros foram tomados cativos, eles adquiriram o status de 'escravos' e assim assumiram uma condição similar à dos Yisre’eliym. Alguns dizem que havia Yisre’eliym apóstatas incluídos entre os prisioneiros.
[33] Bamidbar/Números 31:20 – Produtos de cabras. Até mesmo dos chifres e cascos.
[34] Bamidbar/Números 31:20 – Tal purificação. Conforme acima exposto no perek/capítulo 19, passuk/versículo 18.
[35] Bamidbar/Números 31:23 – Sobre fogo. Isso ensina que qualquer recipiente usado para cozinhar deve ser primeiro purgado para remover qualquer alimento estragado ou proibido. Se ele é usado para cozinhar com água, esta deve ser levada à fervura nele, conforme Vaiykra/Levítico 6:“2 Qualquer pote de barro no qual ela é cozida deve ser quebrado. No entanto, se ela é cozida num pote de cobre, o pote pode ser purgado e enxaguado com água”. O pote de barro deve ser quebrado porque o sabor é absorvido no pote. Ver Vaiykra/Levítico 6:“11E após o tempo prescrito ele se torna proibido de ser usado para preparo de alimentos. Daí aprendemos que um pote de barro absorve o sabor do alimento e não pode ser purgado. Ser purgado é um procedimento realizado em água fervente, para remover o sabor da oferenda. Daí aprendemos que potes contaminados com alimento não-Kasher podem ser purgados em água fervente.
[36] Bamidbar/Números 31:23 – Aspersão de água. É a 'Mei Nidah', conforme perek/capítulo 19, passuk/versículo 9.
[37] Bamidbar/Números 31:23 – Mergulhado num mikveh. Daqui deriva a lei de que recipientes de metal obtidos de um gentio devem ser imersos antes de serem usados. Isto é como um processo de 'conversão', tal como a imersão de um prosélito. Alguns dizem que isso ensina que recipientes para cozinhar, usados com água, necessitam apenas ser purgados e não queimados, daí o versículo ser traduzido 'deve ser trazido através da água fervente'.
[38] Bamidbar/Números 31:24 – Seus corpos e suas roupas. Conforme Shemot/Êxodo 19:10 E YHWH lhe disse: “Vai ter com o povo e torna-o kadosh hoje e amanhã. Que lavem as suas vestes”.
[39] Bamidbar/Números 31:27 – Divide o saque igualmente. Isto estabelece o padrão de que qualquer saque seria dividido igualmente entre aqueles que iam para a batalha e aqueles que permaneciam à retaguarda para manter a segurança. Diz Sh'muel Alef/1ºSamuel 30:“ 23 Não, meus irmãos! O Senhor guardou-nos e ajudou-nos a derrotar o inimigo. Numa altura destas alguém poderia dar ouvidos a uma tal proposta? 24. Vamos todos repartir o que obtivemos como irmãos - os que foram à batalha e os que guardaram as bagagens”.
[40] Bamidbar/Números 31:30 – Um de cada cinquenta. Isto é tomado como um padrão para o donativo 'terumah' dos kohanim/sacerdotes. Alguns dizem que uma parte do saque deve ser posta de lado em todas as guerras de vingança, embora isso não seja exigido nas guerras comuns.
[41] Bamidbar/Números 31:30 – Outros animais. Tais como camelos.
[42] Bamidbar/Números 31:32 – Bens. Bens inanimados, como ouro e prata, por exemplo. Ou 'fora o que foi destruído na guerra' ou 'fora o que foi comido'.
[43] Bamidbar/Números 31:35 – Trinta e dois mil seres humanos. Eram mulheres que nunca experimentaram intimidade com um homem.
[44] Bamidbar/Números 31:50 – Pulseira de pé. Em hebraico é 'ets'adá', da raiz 'tsa'ad', que quer dizer 'andar'. Ou 'fita de braço' conforme Sh'muel Beit/2ºSamuel 1:“10 Depois peguei na sua coroa e numa pulseira que trazia no braço e trouxe-as para ti, meu Elohim.”.
[45] Bamidbar/Números 31:50 – Bracelete. Em hebraico é 'tsamid'. Temos em ; Bereshit/Gênesis 24:“22 Quando os camelos acabaram de beber, o homem tirou um anel de ouro pesando meio shekel que colocara em suas narinas e dois braceletes de ouro pesando dez shekalim.”.
[46] Bamidbar/Números 31:50 – Anel. Em hebraico é 'tabaat'. Conforme Shemot/Êxodo 35:“22 Homens e mulheres, todos aqueles que tinham o coração generoso trouxeram brincos, arrecadas, anéis, colares, jóias de ouro de toda espécie, cada um apresentando a oferta de ouro que dedicava a YHWH”.
[47] Bamidbar/Números 31:50 – Brinco. Em hebraico é 'aguil'. Temos em Yehesk’El/Ezequiel 16:“12 Ofereci-te belos adornos, pulseiras, colares, anéis, brincos, além de uma rica tiara para a testa.”. Ou 'porta-seios', ou, segundo a Septuaginta 'bracelete'. Contudo, é possível é possível que haja uma transposição na Septuaginta e 'aguil' seria traduzido como 'cadeia'.
[48] Bamidbar/Números 31:50 – Ornamento de corpo. Em hebraico é 'kumaz' ou, segundo a Septuaginta, 'grampo de cabelo'. Conforme Shemot/Êxodo 35:22, onde se acha transcrita tal expressão.
[49] Bamidbar/Números 31:52 – Dezesseis mil setecentos e cinquenta shekalim. Cerca de 140,7 quilos. Em hebraico temos: shekel ou no plural  שקלים shekaliym, procedente de (שקל shakal, uma raiz que pode significar: ‘Pesar, medir na balança, liquidar, pesar no sentido de medir um preço na balança, referindo-se à tristeza no sentido figurado, ser pesado ou medido na balança). É um nome masculino que pode significar: ‘Siclo, a principal unidade de medida de peso para: a) ouro = 1/10000 de um talento e igual a 220 grãos; b) prata = 1/3000 de um talento e igual a 132 grãos; c) cobre = 1/1500 de um talento e igual a 528 grãos.  O Siclo, a Mina e o Talento eram peças ou barras de metal (prata ou ouro) usados como meio de pagamento (Melachim Beit/2ºReis 18:14). Como moeda, aparece o Darico, também traduzido por Dracma (Divrei Hayamin Alef/1ºCrônicas 29:7; Ezra/Esdras 2:69; 8:38; Nehemiah/Neemias 7:70). Era de ouro e pesava 8,4 gramas. Segundo a Bíblia na versão do padre Almeida Revisada a peça de dinheiro (quesita) citada como ‘dinheiro’ em Bereshit/Gênesis 33:“19.Comprou por cem moedas de prata aos filhos de Hamor, pai de Sh’chem, o pedaço de terra onde havia levantado sua tenda.”, como se pode, ver equivale a 100 moedas de prata. Todas as cópias semitas trazem o termo  ככרים kikarim que o grego traduz como ‘talentos’. O kikar era uma unidade que equivalia a 60 manim ou 1500 shekalim. Em hebraico temos:ככר kikar, procede de (כרר karar, significando: girar, dançar) e pode significar também: ‘Redondo, um distrito arredondado (localidades do vale do Yarden), um pão redondo, um peso arredondado, talento (de ouro, prata, bronze, ferro). Liga-se a ככר kiker no aramaico, correspondente a ככר kikar, podendo significar, segundo o tradutor grego: ‘Talento’. Temos ainda no hebraico a palavra: שקם shakam ou (fem.) שׂקמה shikmah, de origem incerta. É um nome feminino que pode significar: ‘Sicômoro que por sua vez significa: ‘Que produz figos’.

HAFTARAH
Shofetim/Juízes 1:
1 Depois da morte de Yehoshua, os b’nei Yisra’El perguntaram ao Eterno, dizendo: ‘Quem subirá por nós primeiro ao Kana’aniym para fazer guerra contra eles’? 2 E o Eterno disse: “Yehudah subirá! Eis que lhe dei a terra na sua mão”! 3 E Yehudah disse a seu irmão Shimon: ‘Sobe comigo à terra que me coube por sorteio e lutaremos contra os kana’aniym e eu também irei à terra que te coube por sorteio’. E Shimon foi com ele. 4 E Yehudah subiu e o Eterno deu na sua mão os kana’aniym e os feriziym. E feriram em Bezek dez mil homens.
5 E encontraram Adoni Bezek, em Bezek[1] e lutaram contra ele e feriram os kana’aniym e os fereziym. 6 Porém, Adoni Bezek fugiu e o seguiram, prenderam e cortaram-lhe os polegares das mãos e dos pés. 7 E Adoni Bezek disse: ‘Setenta reis com os polegares das mãos e dos pés cortados apanhavam migalhas debaixo de minha mesa; assim como eu fiz, o Eterno me pagou’! E o trouxeram a Yerushalaiym e lá morreu. 8 E os b’nei Yehudah lutaram contra Yerushalaiym e a tomaram e a feriram  fio de espada e puseram fogo à cidade. 9 Depois os b’nei Yehudah desceram para lutar contra os kana’aniym que habitavam nas montanhas, no deserto do Negev e na baixada. 10 E Yehudah partiu contra os kana’aniym que habitavam em Chevron – e o nome de Chevron fora outrora Kiriat Arba – e feriram  Sheshai, Achiman e Talmai. 11 E dali partiu contra os moradores de Devir – e o nome de Devir fora outrora Kiriat Sefer. 12 E Kalev disse: ‘Aquele que ferir Kiriat Sefer e a tomar, darei a ele minha filha Aksa por esposa’. 13 E Otniy’el ben Kenaz, o irmão mais novo de Kalev, tomou-a e ele lhe deu a sua filha Aksa por esposa. 14 E quando ela veio a ele, persuadiu-o a autorizá-la a pedir um campo a seu pai. E ela saltou do jumento e Kalev lhe disse: ‘O que tens’? 15 E ela disse: ‘Dá-me uma bênção, pois me deste terra seca. Dá-me também fontes de água’! E Kalev lhe deu as fontes superiores e as fontes inferiores. 16 Também os filhos de Keyniy[2]subiram da cidade das tamareiras que é Yericho com os b’nei Yehudah para o deserto de Yehudah, ao sul de Arad e foram e habitaram com o povo. 17 E Yehudah foi com seu irmão Shimon e derrotaram os kana’aniym que habitavam em Tsefat e a destruíram e deram o nome a esta Cidade de Chormah. 18 E Yehudah tomou Gaza[3] e seus arredores, Ashkelon e seus arredores. 19 E o Eterno estava com Yehudah, que expulsou os habitantes da montanha, mas não os do vale, porquanto tinham carros de ferro. 20 E deram Chevron a Kalev, como Mosheh o dissera e expulsou de lá os três filhos de Anak. 21 Mas os b’nei Benyamin não expulsaram os Yebusiym que habitavam em Yerushalaiym e os Yebusiym habitaram com os b’nei Benyamin em Yerushalaiym até hoje. 22 Também a Casa de Yossef subiu a Beit El e o Eterno estava com eles. 23 E a Casa de Yossef mandou espiar Beit’El – e o nome desta cidade fora outrora Luz. 24 E os espiões viram um homem saindo da cidade e lhe disseram: ‘Mostra-nos a entrada da cidade e faremos bondade contigo’. 25 E ele mostrou-lhes a entrada da cidade e feriram a cidade a fio de espada, porém aquele homem e toda a sua família deixaram ir. 26 E aquele homem foi à terra dos Chitiy, construiu uma cidade e deu a ela o nome de Luz, que é seu nome até hoje. 27 E Menasheh não expulsou os habitantes de Beit Sham e de suas aldeias, nem de Tahach e de suas aldeias, nem os habitantes de Dor e de suas aldeias, nem os habitantes de Yivleam e de suas aldeias, nem os habitantes de Megido e de suas aldeias. Assim, os  kana’aniym persistiram em habitar naquela terra. 28 E quando Yisra’El se fortaleceu, fez dos kana’aniym tributários, mas não os expulsou totalmente. 29 E Efraiym não expulsou os kana’aniym que habitavam em Gezer e os kana’aniym habitaram no meio dele em Gezer. 30 Zevulun não expulsou os habitantes de Kitron, nem os habitantes Nahalol e os kana’aniym habitaram no meio dele e foram seus Tributários. 31 Aher não expulsou os habitantes de Aco, nem os habitante de Tsiydon, nem os de Achlav, nem de Achziv, nem de Chelba, nem de Afik, nem de Rechov. 32 E os Asheriym habitaram no meio dos kana’aniym que habitavam na terra, porquanto não os expulsaram. 33 Naftali não expulsou os habitantes de Beit Shemesh, nem os habitantes de Beit Anat e habitou no meio dos kana’aniym que habitavam na terra, porém os habitantes de Beit Shemesh e de Beit Anat lhes foram tributários. 34 E os emoriym empurraram os b’nei Dan até a montanha, porque não os deixaram descer ao vale. 35 E os emoriym persistiram em habitar no monte Cheres, em Aialon e em Shaalbim, porém prevaleceu a mão da Casa de Yossef e eles se tornariam tributários. 36 E a divisa dos emoriym foi desde Maale Akraviym, da rocha para cima.

  Shofetim/Juízes 4:
  1 E os b’nei Yisra’El tornaram a fazer o que era mau aos olhos do Eterno, depois que Ehud morrera 2 e o Eterno entregou-os na mão de Yavin[4], o rei de Kana’an, que reinava em Chatsor. E Sisra[5] era o comandante de seu exército e morava em Charoshet Hagoim. 3 E os b’nei Yisra’El clamaram ao Eterno, porque ele tinha novecentos carros de ferro e oprimiu violentamente os b’nei Yisra’El por vinte anos. 4 E Devorah, a profetisa, mulher de Lapiydot, julgava Yisra’El naquele tempo. 5 Ela ficava debaixo da palmeira de Devorah, entre Ramah e Beit El, na região montanhosa de Efraiym; e os b’nei Yisra’El subiam a ter com ela para julgamento. 6 E ela mandou chamar a Barak ben Avinoam, de Kedesh Naftali e disse-lhe: ‘Na verdade, o Eterno, o Elohim de Yisra’El, ordenou: “Vai e atrai os b’nei Yisra’El para o monte Tabor e leva contigo dez mil homens dos b’nei Naftali e dos b’nei Zevulun. 7 E atrairei a ti, para o ribeiro de Kishon, Sisra, o comandante do exército de Yavin, juntamente com seus carros e a multidão de seu povo e o entregarei nas tuas mãos”.
  8 E Barak disse-lhe: ‘Se fores comigo, irei, mas se não fores comigo, não irei’! 9 E ela disse: ‘Certamente irei contigo! Mas não será tua a glória na trajetória em que vais, porque o Eterno entregará Sisra nas mãos de uma mulher’! E Devorah se levantou e foi com Barak a Kedesh. 10 E Barak convocou a tribo de Zevulun e a de Naftali em Kedesh e fez subirem dez mil homens atrás dele; e Devorah também subiu com ele. 11 E Chever, o keyniy, tinha se separado do resto dos filhos de Chovav, o sogro de Mosheh[6] – e tinha armado as suas tendas até chegar à planície em Tsa’anaiym, que está junto a Kedesh. 12 E anunciaram a Sisra que Barak ben Avinoam tinha subido ao monte Tabor. 13 E Sisra ajuntou todos os seus carros – novecentos carros de ferro – e todo o povo que estava com ele, desde Charoshet Hagoim até o Ribeiro de Kishon. 14 E Devorah disse a Barak: ‘Levanta-te, porque este é o dia em que o Eterno entregou Sisra nas tuas mãos! Certamente, o anjo do Eterno saiu para que sejas bem sucedido’! E Barak desceu do monte Tabor com dez mil homens atrás de si. 15 E o Eterno desbaratou a Sisra, com todos os seus carros e todo o acampamento, a fio de espada diante de Barak. E Sisra desceu do carro e fugiu a pé. 16 Mas Barak perseguiu os carros e o acampamento até Charoshet Hagoim. Todo o acampamento de Sisra caiu a fio de espada; não  sobrou um sequer. 17 Mas Sisra fugiu a pé para a tenda de Ya’El, a mulher de Chever, o keyniy, porque havia paz entre Yavin, o rei de Kana’an, que reinava em Chatsor e a Casa de Chever, o keyniy. 18 E Ya’El saiu ao encontro de Sisra e disse-lhe: ‘Entra, meu senhor, entra na minha tenda; não temas’! E ele entrou em sua tenda e ela o cobriu com uma coberta. 19 Ele lhe disse: ‘Dá-me, rogo-te, um pouco d’água, porque estou com sede’! E ela abriu um odre de leite e deu a ele de beber e tornou a cobri-lo. 20 E ele disse-lhe: ‘Põe-te à porta da tenda e se vier alguém e te perguntar e disser: ‘Há alguém aqui’! Responderás: ‘Não’. 21 E Ya’El, a mulher de Chever, tomou a estaca da tenda, lançou mão do martelo, chegou-se a ele mansamente e cravou-lhe a estaca em sua têmpora, de modo que penetrou na terra, pois estava num sono profundo e muito exausto e assim morreu. 22 E eis que surge Barak, que perseguia Sisra e Ya’El saiu ao seu encontro e disse-lhe: ‘Vem e te mostrarei o homem a quem procuras’! E ele foi até ela e eis que Sisra jazia morto, com a estaca na sua têmpora. 23 Naquele dia, o Eterno humilhou Yavin, o rei de Kana’an, diante dos b’nei Yisra’El. 24 E a mão dos b’nei Yisra’El prevaleceu cada vez mais contra Yavin, o rei de Kana’an, até que exterminaram Yavin, o rei de Kana’an.    

Yirmyahu/Jeremias 47:
1 A Palavra que o Eterno falou ao profeta Yirmiyahu a respeito dos filishtiym, antes do faraó atacar Gaza: 2 Assim disse o Eterno: “Eis que um fluxo de água vem do norte e se tornará uma corrente poderosa que inundará totalmente o país e a cidade com todos os seus moradores; o povo clamará e todos os habitantes se lamentarão. 3 Ante o estrépito das cavalgaduras de seus valentes, o estrondo de seus carros de guerra e o ruído de suas rodas, os pais nem sequer atenderão a seus filhos porque suas mãos se debilitarão, 4 ante o dia que se aproxima, em que serão pilhas os filishtiym, destruídas Tiro e Tsidon, sem que sobreviva quem quer que possa trazer ajuda, pois é o Eterno que abate os filishtiym, os remanescentes da ilha de Kaftor[7]5 Calvos se tornaram os homens de Gaza e Ashkelon, o remanescente de sua terra, tornou-se uma ruína; até quanto te mortificarás? 6 Ó espada do Eterno, por quanto tempo não te silenciarás? Volta à tua bainha e queda-te em repouso!
7 Como te poderás silenciar se o Eterno ordenou tua ação? Ele te apontou para Ashkelon e para a costa do mar. 

[1] Shofetim/Juízes 1:5 – Bezek. Em hebraico temos: אדני בזק Adoni-Bezek, procedente de (אדני adoni ou, na forma contraída: אדן adon, procedente de uma raiz que significa: ‘Governar’. É um nome masculino que pode significar: ‘Firme, forte, senhor, chefe, mestre referindo-se aos homens, superintendente dos negócios domésticos, rei referindo-se ao Eterno, o Senhor Eterno, Senhor de toda terra, senhores, reis referindo-se aos homens, referente ao proprietário do monte de Samaria, marido, profeta, governador, príncipe, Senhor dos senhores ou provavelmente 'o teu marido YHWH', meu senhor, meu chefe, meu mestre referindo-se aos homens, pai Mosheh, cohem/sacerdote, capitão, reconhecimento geral de superioridade referindo-se ao Eterno, meu Senhor e meu Elohim, Adonai em paralelo com YHWH) e (בזק Bezek. É um nome próprio de localidade que, em português, observado o transliterado, é grafado como ‘Bezeque’ significando: 'Relâmpago'. Refere-se à terra de Adoni-Bezek, o lugar onde Yisra'El ajuntou-se sob a liderança de Sha’ul).
[2] Shofetim/Juízes 1:16 – Keyniy. Em hebraico é: קיני Keyniy ou קיני Kiyniy citado em Divrei Hayamin Alef/1ºCrônicas 2:55, procedente de [קין Kayin, o mesmo que [קין kayin, no sentido original de ‘fixidez’. É um nome masculino que significa ‘lança’ com um jogo de palavras sobre a afinidade com (קנה kanah, uma raiz que pode significar: ‘Obter, adquirir, criar, comprar, possuir obter referindo-se ao Eterno que cria e redime o Seu povo, possuidor referindo-se a Chavah, adquirindo um varão, referindo-se ao ato de adquirir conhecimento, sabedoria, ser comprado, levar a possuir)]. Em grego é Καιν. Kayin significa 'possessão'. É um nome próprio masculino que se refere ao filho mais velho de Adam e Chavah e o primeiro homicida, o qual assassinou seu irmão Havel. É um nome próprio gentílico que se refere à tribo à qual pertencia o sogro de Mosheh e que vivia na região entre o sul da Filishtiy/Palestina e as montanhas do Sinai.). É um adjetivo gentílico. Keyniy ou queneu significa 'ferreiros'. Refere-se à tribo à qual pertencia o sogro de Mosheh e que vivia na região entre o sul da Filishtiy/Palestina e as montanhas do Sinai.
[3]Shofetim/Juízes 1:18 – Gaza. Em hebraico é: עזה Azzahprocedente de עזז azazuma raiz que significa: ‘Ser forte, prevalecer, tornar firme, fortalecer’. Em grego γαζα. É um nome feminino próprio de localidade. Em português é grafado como ‘Aia’ ou ‘Gaza’ significando 'o forte'. Outro nome para ‘Gaza’, uma cidade dos filishtim/filisteus localizada no extremo sudoeste da Filshtiy/Palestina, perto do Mediterrâneo. Também pode ser entendida como: גזה gazahuma raiz [da mesma família que (גוז guz, também uma raiz, podendo significar: “Passar por cima, passar desta vida no sentido de falecer, passar no sentido de desdita, trazer, cortar fora")]. Enfim, גזה gazah quer dizer: ‘Cortar, cortar fora, dividir’. ‘Aquele que separou no particípio’.
[4] Shofetim/Juízes 4:2 – Yavin. Em hebraico temos: יבין Yavin, procedente de (בין viyn ou conforme tradukka.com/pt הבנה havinah, uma raiz que pode significar: ‘Discernir, compreender, considerar, perceber, saber com a mente, observar, marcar, atentar, distinguir, ter discernimento, percepção, compreensão, ser inteligente, discreto, ter compreensão, fazer compreender, dar compreensão, ensinar, mostrar-se com discernimento ou atento, considerar diligentemente, ensinar, instruir, prudência, consideração). É um nome próprio masculino que pode significar: ‘Aquele a quem elohim serve’. Em português é grafado como: ‘Jabim’. Refere-se a um rei de Chazor que organizou uma confederação dos príncipes do norte contra Yehoshua; confederação derrotada junto as águas do Merom ou a outro rei de Chazor cujo general, Sísera, foi derrotado por Barak.
[5] Shofetim/Juízes 4:2 – Sisra. Em hebraico encontramos: סיסרא Sisra, de derivação incerta. É um nome próprio masculino que significa 'ordem de batalha'. Refere-se ao comandante vitorioso do exército do rei de Kana’an, Yavin, que reinava em Chazor, que foi morto por Ya’el com uma estaca na fronte, durante uma fuga. Pode ainda referir-se a um antepassado de uma família de servos do Templo que retornou do exílio com Zerubav’El.
[6] Shofetim/Juízes 4:11 – Chovav, o sogro de Mosheh. Considerar o exposto na Nota de Rodapé nº 51, acima.
[7] Yirmyahu/Jeremias 47:4 – Kaftor. Em hebraico encontramos: כפתר Kaftor ou (Amós 9:7) כפתור Kaftoraparentemente o mesmo que (כפתר kaptor ou (Amós 9:1) כפתור kaptor, Provavelmente significando ‘circundar’. É um nome masculino que pode significar: ‘Esfera, maçaneta, capitel, capitel de um pilar, esfera como ornamento. É nome próprio de localidade que em português, observado o transliterado, é grafado como ‘Caftor’ significando 'uma coroa'. Refere-se ao nome original dos filishtiym/filisteus, presumivelmente na costa sudoeste da Ásia Menor, talvez no Egito ou nas suas proximidades ou mais provavelmente na ilha de Creta. A ilha de Creta, terra de origem ou área de passagem dos filishtiym/filisteus.

SHIRIM U'CHOCHMAH
Kohelet/Eclesiastes 7:
20 Pois não há sobre a terra alguém tão correto que só faça o bem e não peque jamais. 21 Não dispenses atenção a tudo que se fala para que não escutes teu servo te amaldiçoar. 22 Pois bem sabe o teu coração que muitas vezes amaldiçoastes alguém. 23 Com minha sabedoria alcancei tudo isto e disse: ‘Tornar-me-ei um sábio’! Mas isto estava além de minha capacidade. 24 Quem saberá alcançar o que está muito distante ou é muito profundo? 25 Dediquei meu coração a pesquisar a sabedoria e a razão de todas as coisas, a buscar compreender a iniquidade da insensatez e a complexidade da loucura. 26 Descobri que mais amarga que a morte é a mulher cujo coração está recheado de armadilhas e redes e cujas mãos são como grilhões. Quem é justo dela escapará e o pecador a ela há de sucumbir. 27 Vede o que concluí – diz Kohelet – unindo tudo para apresentar uma conclusão. 28 Eis o que buscou minha alma, sem encontrar: Um homem digno – entre mil, pude encontrar um, mas não uma mulher, entre todas elas. 29 Eis o que pude concluir: O Eterno fez  homem reto; ele, porém, se deixa por muitas intrigas.

SHIR MIZMOR
Tehilim/Salmos 118:
1 Agradecei ao Eterno porque Ele é bom e eterna é Sua misericórdia. 2 Que proclame Yisra’El: ‘Eterna é Sua misericórdia’. 3 Que também proclame a Casa de Aharon: ‘Eterna é Sua misericórdia4 Que proclamem todos os que temem ao Eterno: ‘Sua misericórdia é infinita’! 5 Invoquei o Eterno no momento de angústia e Ele me ouviu e me livrou das atribulações. 6 O Eterno está comigo, por isso nada temerei, o que me pode fazer o ser humano? 7 O Eterno está comigo e me ampara, por isso posso enfrentar os meus inimigos. 8 Melhor é confiar no Eterno do que nos seres humanos. 9 Melhor é n’Ele confiar do que em príncipes. 10 Cercaram-me todas as nações, mas em Nome do Eterno as destrocei. 11 Voltaram a cercar-me, envolveram-me de todos os lados, mas em Nome do Eterno as destrocei. 12 Cercaram-me como abelhas com seus ferrões, mas foram extintos como o fogo que queima os espinhos, pois em Nome do Eterno os destrocei. 13 Com violência me empurraram para me fazer cair, mas o Eterno me amparou. 14 O Eterno é minha força e meu cântico e Ele foi minha salvação. 15 Vozes de júbilo e salvação são escutadas das tendas dos justos, porque proezas realizou a destra do Eterno. 16 Exalta-se a destra do Eterno e proezas realiza. 17 Não morrerei! Viverei e hei de relatar os feitos do Eterno. 18 Ele severamente me puniu, mas não me entregou à morte. 19 Os portais da justiça abri para mim; por elas entrarei para louvar ao Eterno. 20 Esta é a porta do Eterno, pela qual entrarão os justos. 21Quero agradecer-Te porque me escutaste e Te tornaste minha salvação. 22 A pedra inicialmente rejeitada pelos edificadores, veio a tornar-se a pedra angular, 23 pois assim o determinou o Eterno. Maravilhoso é isto para nós! 24 Este é o dia com que nos brindou o Eterno e nele nos alegraremos e nos regozijaremos! 25 Rogo, ó Eterno, salva-nos e faz-nos prosperar! 26 Bendito é aquele que vem em Nome do Eterno. Nós o bendizemos da Casa do Eterno. 27 O Eterno é nosso Elohim, é Quem nos ilumina. Trarei a oferenda e atai-a aos ângulos do altar. 28 Tu és meu Elohim e sempre Te louvarei.
29 Agradecei ao Eterno porque Ele é bom e eterna é Sua misericórdia.    
Bom estudo e Shabat Shalom!

Nenhum comentário:

Postar um comentário