terça-feira, 2 de abril de 2013

SEDRAH 103 - RESUMO SEMANAL (HA'ISH / HOMENS)


"Desvenda os meus olhos, para que eu contemple as maravilhas de Tua Torah."  Tehilim (Salmos) 119:18

RESUMO DO ESTUDO SEMANAL DA SEDRAH


Texto estudado no último Shabat :
Yeshayahu (Isaias) 30

O texto inicia-se com uma advertência dura aos filhos rebeldes de Israel, por fazerem projetos sem levar em consideração o Eterno e seus mandamentos e, também, por alianças indevidas.
Quando agimos assim estamos admitindo que há alguém mais poderoso ou tão poderoso quanto YHWH, ou ainda, que é mais importante que nosso Elohim, o que não é admissível.
Com base nesse texto, foram levantadas algumas situações práticas do nosso dia-a-dia para se saber qual deve ser o nosso posicionamento: (1) a possibilidade de se fazer sociedade empresarial com o Egito (aliança secular); (2) a escolha de nossa carreira profissional e de nossos filhos; e (3) exemplos de alguns empreendimentos, para saber se, como observadores da Torah, há como aderir a eles.
Concluiu-se que fazer sociedade empresarial com o Egito, ou seja, pessoas que não observam a Torah, só é possível desde que estas aceitem todas as condições impostas pelos israelitas; ficou claro também nos debates, que é praticamente impossível essa sociedade pois, além das questões mandamentais, há os comportamentos éticos/morais, achados normais pelo homem secular, como a adesão à corrupção, muito comum nos tempos atuais.
No tocante à carreira profissional, de preferência, deve-se optar por aquelas em que o cumprimento da Torah possa ser integral; com relação aos filhos, deve-se educá-los na Torah e ensiná-los que a Torah é o bem mais precioso que temos e que a escolha da profissão deve ser amoldada ao cumprimento dos mandamentos, mas, a escolha deve ser delegada a eles.
Com relação a determinados empreendimentos, constatou-se a impossibilidade de abertura de lojas/franquias em Shopping Centers, por exemplo, por ser obrigatório o trabalho nos Shabatot; qualquer empreendimento a ser aberto por israelitas deve ser criteriosamente estudado, pois, seu funcionamento deve ser pautado nas prescrições estabelecidas pela Torah.
Enfim, nossos projetos de vida, sejam quais forem, devem se adequar, amoldar ao estilo de vida estabelecido pela Torah, pois, o contrário é desobediência ao Eterno e nos fará sofrer as consequências.
Seguindo os versículos seguintes, por mais que o Egito tenha aparência de bem, ofereça riquezas e fale uma linguagem agradável e doce, devemos ter o máximo de cuidado para não nos contaminarmos; citou-se como exemplo, a posse do novo papa Francisco, que aparenta ser muito carismático e possuir uma linguagem doce; trata-se apenas de aparência, pois, o objetivo real é desviar as nações da possibilidade de conhecer o verdadeiro Elohim Echad.
Devemos evitar pedir auxílio/socorro ao Egito, pois como diz a Palavra, tal auxílio é inútil, vão, falso, fútil e ineficaz e nos levará à vergonha; e pior, pode “manchar o próprio Nome do Eterno”. Foi compartilhada a experiência de um chaver que, por necessidade, acabou tendo esse procedimento, ficando angustiado por um bom tempo, em virtude da pessoa que o ajudou dizer claramente que "o ídolo" é quem daria o bem que ele estava precisando. Mas, Baruch HaShem, o Eterno reverteu sua angústia em bênção e o nosso querido irmão abriu mão desse socorro e conseguiu ainda mostrar que o Eterno foi quem supriu sua necessidade.
O constante estudo da Torah e o meditar dia e noite nas Mitzvot de YHWH nos dão preparo para perceber a solução apresentada pelo Eterno, que pode estar bem diante de nós. Se não a percebemos, é porque estamos afastados das Escrituras e sujeitos à influência mundana, corrupta e malfazeja, que distorce nosso enxergar, ouvir e entender.
Encerrando essa primeira parte, devemos sempre estar atentos para não sucumbir diante de mensagens agradáveis, que até somos tentados a ouvir, pois, o que nos interessa é obedecer; assim como David, devemos respirar a Torah para evitar ao máximo Sua transgressão.
A segunda parte do nosso estudo iniciou no versículo 18 e mostra a compaixão do Eterno para com aqueles que fazem Teshuvah (retornam às veredas da fé) e que têm buscado observar seus mandamentos.
Nesse trecho há algumas profecias que ainda não se cumpriram, pois, ainda estamos no Egito espiritual (vivendo na diáspora).
De qualquer maneira, houve consenso de que nosso futuro depende de nossas atitudes hoje; devemos nos esforçar no limite de nossas forças para obedecer ao Eterno.
Eis o amor do Eterno: Quando o filho erra, Ele pune, mas depois o redime!
por Yossef Ben  Israel v'Yesher

Nenhum comentário:

Postar um comentário