quarta-feira, 3 de abril de 2013

CICLO TRIENAL - SEDRAH 104 (Semana de 31 de março a 06 de abril/2013)

Torah:    Bamidbar/Números 11:1 - 35    
Tema(s):  A Queixa do Povo e o Alimento enviado
Haftarah:  Shoftim/Juízes 7; Yeshayahu/Isaias 66; Yirmyahu / Jeremias 20; Iyov/Jó 12
Tema(s):     A vitória de Gid'on (Gideão); O Juízo de Yerushalayim e Yehudah; A Soberania de Elohim
Chochmah: Mishlei/Provérbios 31:1-9
Tema(s):  Palavras de Lemu'El
Tehilim: Tehilim/Salmos 104
Tema(s):  As Maravilhas da Criação
Torah
Bamidbar/Números 11:

1 O povo começou a queixar-se e isso foi mau aos ouvidos do Eterno. Quando o Eterno ouviu, Ele revelou Sua cólera e fulgurou o fogo do Eterno, consumindo a margem do acampamento.  2 O povo clamou a Mosheh e quando Mosheh rezou ao Eterno, o fogo se apagou.  3 Ele chamou o lugar Taverah , pois o fogo do Eterno os tinha queimado.  4 A multidão misturada  entre os Yisre’eliym começou a ter fortes desejos e os Yisre’eliym, uma vez mais, começaram a lastimar-se:  ‘Quem  nos  dará  alguma  carne  para  comer’? Eles  pediram. 5 ‘Nós  lembramos  com  saudade  o  peixe que podíamos comer no Egito, de graça, junto  com os  pepinos, melões, porros , cebolas e alhos.  6 Mas agora nossas almas estão secas, com nada  a  não ser manah ,  diante dos nossos olhos’.  7 O manah  era  como  semente  de  coentro   com  um  brilho  semelhante  ao da  pérola . 8. O povo podia simplesmente sair para uma volta e juntá-lo. Eles então o  moíam  num  moinho manual  ou o esmagavam num pilão, cozinhando-o  numa  panela  e fazendo dele bolos.  Seu gosto  era como um folhado  de óleo. 9 À noite, quando o sereno caia sobre  o acampamento, o manah descia sobre ele. 10 Mosheh ouviu o povo lastimando-se com suas famílias próximo da entrada  de suas  tendas. O Eterno ficou muito irritado e Mosheh também o considerou errado. 11 ‘Porque Tu estás me tratando tão mal’? Disse Mosheh ao Eterno. ‘Tu não gostas mais de mim’? 12 Eu fui a mulher que esteve grávida desta nação em meu ventre? Eu os dei à luz? Mas Tu me disseste que eu deveria carrega-los em meu peito, como uma ama carrega uma criança até que chegássemos à terra que Tu juraste aos seus ancestrais. 13 Onde posso obter carne suficiente para dar a todo esse povo? Eles estão se queixando a mim para lhes dar alguma carne para comer.  14 Eu não posso ser responsável por toda essa nação! É muito pesado para mim! 15 Se Tu vais fazer isso comigo, apenas faze-me um favor  e mata-me! Não me faças me ver entrando em situação tão terrível’!  16 O Eterno disse a Mosheh: “Junta setenta anciãos de Yisra'El  – aqueles  que tu sabes serem anciãos e líderes do povo. Traze-os para a Tenda da Comunhão e que eles fiquem lá contigo. 17 Quando Eu baixar Minha essência  e falar contigo lá, Eu farei parte do espírito que tu possuis emanar e Eu conferirei a eles. Tu então não terás de suportar sozinho toda a responsabilidade.  18 Dize ao povo como segue: Preparem-se para amanhã, pois então vocês terão carne para comer. Vocês têm se lastimado aos ouvidos do Eterno, dizendo: 'Quem nos dará alguma carne para comer? Era melhor para nós no Egito’”! ‘Agora o Eterno lhes dará carne e vocês terão de comê-la. 19 Vocês a comerão não somente por um dia, não por dois dias, não por cinco dias, não por dez dias e não por vinte dias,  20 mas por um mês inteiro vocês a comerão até que ela saia pelo nariz de vocês, fazendo-os nauseados. Isso porque vocês rejeitaram o Eterno agora que ele está entre vocês e vocês se lastimaram diante d’Ele’: ‘Porque nós deixamos o Egito’? 21 Mosheh disse: ‘Aqui eu estou com 600.000 homens a pé  sozinho e Tu dizes que Tu lhes dará suficiente carne para comer por um mês inteiro! 22 Mesmo se todo o rebanho e gado fosse abatido, poderia haver o suficiente para eles? Se todo peixe do mar fosse juntado ele seria suficiente’? 23 O Eterno disse a Mosheh: “Meu poder então ficou limitado ? Tu verás agora se Minha Palavra será cumprida ou não”! 24 Mosheh saiu  e falou ao povo o que o Eterno tinha dito. Ele juntou setenta dos anciãos do povo e os pôs em torno da Tenda. 25 O Eterno desceu na nuvem e falou a Mosheh. Ele fez o espírito que tinha atribuído sobre Mosheh emanar e Ele o conferiu aos setenta anciãos. Quando o espírito desceu sobre eles, eles ganharam a dádiva da profecia e não a perderam. 26 Dois homens permaneceram no acampamento e o espírito também pousou sobre eles. O nome do primeiro era Eldad e o nome do segundo era Medad . Embora eles estivessem entre aqueles listados  eles não saíram para a Tenda da Comunhão, mas falaram profeticamente no acampamento. 27 Um jovem correu para falar a Mosheh: ‘Eldad e Medad estão falando profecia no acampamento’! Ele anunciou.  28 Yehoshua, filho de Nun, o auxiliar escolhido  de Mosheh falou: ‘Meu senhor Mosheh’, ele disse, ‘interrompe-os’!  29 ‘Tu estás enciumado por minha causa’? Replicou Mosheh. ‘Eu apenas desejaria que todo o povo do Eterno tivesse o do de profecia! Que o Eterno confira Seu Espírito a todos eles’!  30 Mosheh então retornou ao acampamento junto com os anciãos de Yisra'El. 31 O Eterno fez um vento começar a soprar, varrendo codornizes  do mar. Elas esgotaram suas forças sobre o acampamento e voavam somente dois cúbitos acima do solo por uma distância de um dia de jornada  em cada direção. 32 O povo andou para lá e para cá todo esse dia, toda noite e todo o dia seguinte e juntou codornizes. Mesmo aqueles que pegaram menos  juntaram dez chomers . O povo as espalhou em torno do acampamento. 33 A carne ainda estava entre seus dentes quando o povo começou a morrer. A cólera do Eterno foi manifestada contra o povo e Ele o golpeou com uma praga extremamente severa.  34 Mosheh chamou o lugar de ‘Sepulturas-do-Desejo’, ‘Kivrot HaTaavah’ , uma vez que foi nesse lugar que sepultaram as pessoas que     tiveram esses desejos.  35 De Sepultura do Desejo, o povo viajou para Chatserot . Eles permaneceram em Chatserot mais tempo do que planejaram.

Haftarah
Yeshayiahu/Isaias 66:
1 Assim disse o Eterno: “Os céus são o Meu trono e a terra é o estrado para Meus pés. Qual seria a casa que Me poderíeis edificar? E que lugar haveria para Meu repouso? 2 Por Minha mão foram feitas todas estas coisas e só então vieram a existir” – diz o Eterno. Voltarei Meus olhos para o necessitado, de Espírito contrito, que zela por Minha Palavra.  3 O que mata um boi para oferece-lo a Mim como sacrifício, como o que fere um homem; quando sacrifica um cordeiro, é como se quebrasse a nuca de um cão; quando oferece uma oblação, é como se sacrificasse um porco; quando queima incenso, é como se adorasse um ídolo. Já que eles fizeram escolha dos seus caminhos e a sua alma se deleita nas suas abominações, 4 também Eu hei de escolher deles zombar e os aterrorizarei com seus próprios temores, porque não Me responderam quando chamei, nem Me escutaram quando falei; antes fizeram o que é mau aos Meus olhos e escolheram aquilo em que Eu não Me deleito. 5 Dai ouvido à Palavra do Eterno, vós que por ela zelais. “Vossos irmãos que vos odeiam e rejeitam, dizem: ‘Pela grandeza do nosso nome será glorificado o Eterno’, mas não é assim; enquanto nós nos alegrarmos, eles serão envergonhados. 6 Um som de tumulto vem à cidade, do Templo vem a voz do Eterno, que exerce Sua vingança sobre Seus inimigos. 7 Antes que estivesse em trabalho de parto, já deste à luz; antes que lhe viessem as dores, já fizeste nascer um filho homem. 8 Quem jamais ouviu tal coisa e quem já viu algo semelhante? Poderia uma terra nascer em um dia? Uma nação completa de uma só vez? Pois tão pronto teve Tsyion sinais de parto, de uma só vez deu à luz seus filhos. 9 Faria Eu chegar uma mulher ao ponto de dar à luz e não a deixaria gerar”? Diz o Eterno. Sendo Eu quem faz nascer, impediria Eu o nascimento? 10 Regozijai-vos com Yerushalayim, alegrem-se com ela todos os que a amam. Sim! Transbordai de alegria todos vós, que por ela vos enlutaste, 11 para que vos farteis e vos deleiteis do alvéolo de mel da sua glória.  12 Pois assim disse o Eterno: “Eis que eu estenderei sobre ela a paz como um rio e a glória das nações como uma torrente que transborda e dela gozareis; no braços sereis levados e sobre joelhos sereis acariciados. 13 Como quem recebe de sua mãe conforto, assim Eu vos consolarei e em Yerushalayim sereis confortados. 14 e com isto vosso coração se regozijará e os vossos ossos como a relva verde florescerão; será conhecida a mão do Eterno em favor dos seus servos e Ele Se dignará contra os Seus inimigos. 15 Pois eis que entre chamas virá o Eterno e Sua carruagem será como turbilhão da tempestade, para retribuir à Sua ira com furor e à Sua repreensão com labaredas de fogo. 16 Pois com o fogo da Sua espada entrará o Eterno em juízo com toda criatura; e muitos serão destruídos pelo Eterno: 17 Os que se purificam para entrar nos jardins onde se acham seus ídolos, grupo após grupo, a fim de os servirem; os que comem da carne do porco, dos répteis e do rato, serão todos consumidos” – diz o Eterno – 18 “pois conheço as suas obras e seus pensamentos; virá o tempo em ajuntarei as nações de todas as línguas; elas virão e perceberão Minha glória. 19 Sobre elas porei um sinal e os que dentre eles escaparem enviarei às nações: a Tarshish , Pul  e Lud , cujos povos sabem atirar setas; a Tuval  e a Yavan  e aos moradores das ilhas remotas, que não ouviram sobre Minha fama, nem viram a Minha glória; e entre estas nações anunciarão Minha glória. 20 E dentre todas as nações trarão vossos irmãos como oferendas ao Eterno – sobre cavalos e em carros, em liteiras e sobre mulas – a Meu Santo Monte, a Yerushalayim” – diz o Eterno – “assim como os b’nei Yisra’El trazem sua oferta num vaso puro à Minha casa. 21 Deles escolherão também alguns para cohanim e outros para levitas – diz o Eterno – 22 pois, assim como os céus e a nova terra, que hei de fazer, estarão eternamente perante Mim,” – diz o Eterno – assim também durará vossa posteridade e vosso nome. 23 E em cada Lua Nova e em cada Shabat, toda criatura virá prostrar-se perante Mim, em Meu Santuário” – diz o Eterno. 24 “Ao sair, verão os cadáveres dos homens que transgrediram contra Mim. Pois não desaparecerá o verme que os devora nem o fogo que os consome e se constituirão em horror para toda a carne”.  

Yirmyahu/Jeremias 20:
1 E Pashchur  ben Imer, o cohen, que era o responsável pela Casa do Eterno, ouviu Yirmyahu proclamando estas profecias. 2 Ele então agrediu o profeta Yirmyahu e o colocou na prisão que ficava junto ao portão superior de Benyamin, na Casa do Eterno. 3 No dia seguinte, Pashchur libertou Yirmyahu, que assim lhe falou: ‘O Eterno não te denominou Pashchur, mas, sim, Magor Missaviv . 4 Pois assim disse o Eterno: “Eis que trarei o terror tanto para ti como para todos os teus amigos; tombarão abatidos pela espada de teus inimigos e com teus próprios olhos assistirás a tudo isto. Entregarei todos de Yehudah nas mãos do rei da Babilônia que os levará como cativos e os ferirá com a espada. 5 Além disto, darei todo o conteúdo desta cidade – tudo o que nela se acumulou, toda a sua riqueza, bem como todos os tesouros dos reis de Yehudah – a seus inimigos, que os saquearão e os levarão para a Babilônia. 6 Quanto a ti, Pashchur, tu e todos os que habitam em tua casa seguirão em cativeiro; irás à Babilônia, lá virás a perecer e lá serás enterrado, tu e todos os teus amigos a quem comunicaste falsas profecias”. 7 ‘Ó Eterno, Tu me persuadiste e me deixei persuadir; Tu me dominaste e prevaleceste sobre minha vontade. Tornei-me motivo de zombarias; todos riem de mim, 8 porque sempre que falo, cito somente violência e saque e, por isto, só reprovação e ironia provocam as Palavras do Eterno. 9 Se eu dissesse – Não mais O mencionarei nem falarei em Seu Nome – estas palavras seriam como um fogo ardente consumindo meu coração e queimando meu corpo e não conseguiria cumpri-las. 10 Ouvi os murmúrios de muitos que, reunidos em redor, dizem: Pronunciai algo contra ele para que o denunciemos; todos que me tinham amizade desejam agora minha destruição’: ‘Talvez o possamos enganar e prevalecer sobre ele e então nos vingar’. 11 Mas qual o poderoso guerreiro, o Eterno me protege! Por isto vacilarão meus perseguidores e não prevalecerão. Sentir-se-ão envergonhados por seu fracasso, uma desilusão que não hão de esquecer. 12 Ó YHWH Tseva’ot, que testas os justos e que percebes o que se passa em sua mente e em seu coração! Permita que eu chegue a ver Tua vingança desfechada sobre eles, pois Te revelarei minha causa. 13 Cantai ao Eterno, louvai ao Eterno, pois Ele salvou a alma do desfavorecido da mão dos malfeitores! 14 Amaldiçoado seja o dia em que fui concebido e que não seja abençoado o dia em que minha mãe me deu à luz! 15 Amaldiçoado seja aquele que trouxe esta notícia a meu pai, dizendo: ‘De ti veio à luz um menino’, proporcionando-lhe uma grande alegria. 16 Seja este homem como as cidades que o Eterno destruiu sem arrependimento e que ouça gritos ao amanhecer e toques de alarme ao meio dia, 17 por não ter me aniquilado ainda no seio materno, para que ele fosse meu túmulo e sua gravidez se perpetuasse. 18 Por que tive de emergir do seio materno, para somente penar e me entristecer e ter meus dias consumidos pela humilhação?

Iyóv/Jó 12:
1 Iyov respondeu e disse: 2 Sem dúvida vós sois como a maioria do povo, mas estariam convosco e morreriam convosco os limites da sabedoria? 3 Pois minha percepção e meus conhecimentos não são menores que os vossos. Não vos sou inferior. Alguém porventura desconhece tudo que dissestes? 4 Pareço ridículo aos olhos de meus vizinhos; o homem que chamou Elohim e a quem Ele respondeu. Sim, é ridículo o justo, o  inocente. 5 Ele é desprezível no conceito de quem se sente seguro. Está destinado a ficar entre aqueles cujos pés escorregam e o fazem cair. 6 Prosperam as tendas dos ladrões e não se sentem hesitantes os que provocam ao Eterno, como se Ele tivesse colocado tudo em suas mãos. 7 Perguntai, porém, aos animais e eles vos ensinarão; perguntai às aves e elas afirmarão. 8 Ou dirigi-vos à terra e também ela ensinará; ide aos peixes do mar e eles declararão. 9 Quem entre eles não sabe que a mão de Elohim a tudo criou, 10 que em Sua mão está a alma de todas as coisas e o alento de toda a humanidade? 11 Acaso o ouvido não avalia as palavras assim como o paladar testa o sabor dos alimentos? 12 Somente os anciãos têm entendimento e é na extensão dos dias de vida que está a sabedoria? 13 Com Ele é que está a sabedoria e o poder! Somente a Ele pertencem a inteligência e a saberia para o conselho. 14 O que Ele destrói não pode ser reerguido. Ele aprisiona um homem e este não pode ser resgatado. 15 Ele retém as águas e provoca a seca. Ele as libera e elas inundam a terra. 16 Com Ele estão a força e a mais profunda sabedoria. Seus súditos são tanto o enganado como o enganador. 17 Perante Ele não possuem critério os conselheiros e ignorantes são os juízes. 18 Ele faz afrouxar o jugo dos reis e lhes prende uma corda ao dorso. 19 Ele desmascara os príncipes injustos e derrota os poderosos. 20 Limita a fala de homens de confiança e retira de anciãos o entendimento. 21 Escarnece dos nobres e enfraquece os fortes. 22 Ele revela mistérios profundos que estavam imersos em escuridão e traz para a luz a sombra da morte. 23 Ele exalta nações e depois as destrói. Expande povos e os faz desaparecer depois. 24 Faz desaparecer a sabedoria dos líderes dos povos da terra e os faz vagar por um deserto sem caminhos. 25 Ele os faz perambular na escuridão sem luz alguma e cambalear como se estivessem embriagados.

Shirim U'Chochmah
Mishlei (Provérbios) 31:1-9
1 Palavras de Lemu’el, o rei, com as quais, profeticamente, sua mãe o exortou: 2 O que, ó meu filho? O que, ó filho de minhas entranhas? O que, ó filho de meus anseios? 3 Não concedas de teu vigor a uma mulher estranha, nem sigas por caminhos que destroem reis. 4 Não é para os reis, ó Lemu’el, não é para os reis embebedar-se com vinho, nem para os príncipes dizerem: ‘Onde encontro bebidas fortes’? 5 Para que não bebam e ouvidem o que já decretaram e pervertam a justiça, que é devida a todos os que estão aflitos. 6 Dá, antes, uma bebida forte ao que está a perecer e vinho a quem tem amargura em sua alma; 7 que ele beba e esqueça sua pobreza e não lembre mais sua miséria. 8 Abre tua boca em favor do mudo e de todos aqueles que estão condenados à destruição. 9 Sim! Abre tua boca, julga com integridade e defende a causa do pobre e do necessitado. 10 Uma mulher valorosa, quem a encontrará? Pois seu valor está acima do de pérolas. 11 O coração de seu marido nela confia plenamente e fortuna não lhe faltará. 12 Ela lhe faz o bem e evita o mal por todos os dias de sua vida. 13 Busca lã e linho e diligentemente trabalha com suas mãos. 14 Como as naves mercantes, de longe provê seus mantimentos. 15 Levanta-se quando ainda é noite, prepara alimento para a família e porções para suas servas. 16 Considera um campo e o adquire e com o fruto de suas mãos planta um vinhedo. 17 Reveste-se de vigor e incrementa a força de seus braços. 18 Observa para que seja boa sua mercadoria; mesmo à noite não se apaga sua lâmpada. 19 Aplica-se no trabalho da roca e suas mãos sustentam o fuso. 20 Estende suas mãos aos pobres e sua generosidade aos necessitados. 21 Não teme por sua família quando vem a neve, porque para todos aprontou vestes de frio. 22 Ela mesma borda suas cobertas; seus vestidos são do mais fino linho branco e púrpura. 23 Seu marido é respeitado nos portões, quando senta entre os anciãos da cidade. 24 Ela faz vestimentas de linho, vende-as e as entrega com cintos aos negociantes. 25 Força e dignidade a revestem e ri confiante no futuro. 26 Só abre a boca com sabedoria e a lei da bondade está sempre em sua língua. 27 Cuida de tudo na casa e não come o pão da ociosidade. 28 Seus filhos se levantam e a abençoam, junto com seu marido, que a louva, dizendo: 29 ‘Muitas são as mulheres de valor, mas tu a todas sobrepujas’! 30 Passageira é a graça e vã a formosura, mas a mulher que teme ao Eterno por todo o tempo será louvada. 31 Concedei-lhe do fruto de suas mãos e que seja louvada por suas obras nos portões.

Tehilim/Salmos 104:
1 Ó alma minha, bendiz o Eterno! Meu Elohim, como és maravilhoso! Majestade e glória Te envolvem. 2 Um manto de luz Te reveste; estendes a vastidão do céu como se fora a coberta de uma tenda. 3 Sobre as águas ergueste Tua morada; fazes das nuvens Tua carruagem e nas asas do vento Te deslocas. 4 Tornas os ventos Teus mensageiros e o chamejante fogo, Teu atendente. 5 Criaste a terra, assentando-a sobre base firme, para que seja para sempre inabalável. 6 Como se estendesses sobre ela um manto, assim a cobriste com os oceanos; as águas cobriam as montanhas. 7 Ante Tua repreensão, começaram a refluir e ante o ribombar de Teus trovões, se apressaram. 8 Ergueram-se os montes, aprofundaram-se os vales, ocupando os lugares que lhes destinaste. 9 Estabeleceste limites que não poderiam ultrapassar as águas, para que não voltassem a cobrir a terra. 10 Ordenaste às fontes que alimentassem regatos, que estes corressem pelos vales entre as montanhas. 11 Dão, assim, de beber a todos os animais dos campos e satisfazem a sede de tdos os silvestres. 12 Perto deles habitam as aves do céu, por entre os ramos das árvores, entoam seu canto. 13 Regas as montanhas do alto da Tua Morada e se farta a terra do fruto de Tuas obras. 14 Fazes crescer relva para o gado e plantas para o uso do homem, para que da terra possa extrair seu pão 15 e também o vinho que alegra seu coração, bem como o óleo que lhe faz reluzir o rosto. 16 Fartam-se de seiva as árvores do Eterno, os cedros do Líbano por ele plantados, 17 onde os pássaros constroem seus ninhos e os ciprestes; onde se abrigam as cegonhas. 18 Os altos montes são refúgio para os cabritos e as rochas para os coelhos. 19 Para marcar as estações criaste a luz e ao sol determinaste o tempo de seu ocaso. 20 Estendes o manto da escuridão e faz-se a noite, quando despertam e vagueiam as feras da floresta. 21 Os filhotes de leão rugem por sua presa e buscam do Eterno seu alimento. 22 Quando nasce o sol, eles se recolhem a seus covis. 23 Sai o homem para seu trabalho e sua obra até à tarde. 24 Quão imensa é a multiplicidade de Tuas obras! Com sabedoria, todas fizeste; plena está a terra de Tuas Criações. 25 Eis o mar, amplo em sua vastidão imensa, habitado por um sem número de criaturas de todos os tamanhos. 26 Por ele navegam os navios e sulca caminhos o grande levyatan. 27 Todos de Ti esperam receber seu alimento no tempo apropriado. 28 Tu o forneces e eles logo o recolhem; abre-lhes Tua mão e os fartas de tudo. 29 Quando escondes Teu rosto se perturbam; quando lhes tiras o fôlego expiram e ao pó retornam. 30 Quando lhes envias Teu sopro de vida são criados e, assim, renovas a face da terra. 31 Perpétua é a glória do Eterno! Possa Ele sempre Se alegrar com o que criou. 32 Com Seu olhar faz estremecer a terra e, a seu toque, se incandescem as montanhas. 33 Enquanto eu viver cantarei ao Eterno; louva-Lo-ei por todos os dias da minha vida. 34 Possa Lhe ser agradável o meu pensar. Regozijar-me-ei no Eterno. 35 Quanto aos pecadores, eles desaparecerão da terra e não mais existirão iníquos. Bendiz o Eterno, ó alma minha! Louvado seja o Eterno! Halelu Yah.
Bom estudo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário