sábado, 16 de fevereiro de 2013

O PAPA E O FIM DOS TEMPOS?! (REFLEXÃO)

O PAPA E O FIM DOS TEMPOS?!
por Sha'ul Bentsion
Esses tempos, muitos têm se indagado qual seria a relevância da renúncia do papa, muito comentada na mídia nos últimos dias, para os israelitas.
Evidentemente que a mudança de chefia em uma organização com a força política da Igreja Católica pode ter impacto sobre a vida de todo o mundo, e possivelmente um impacto na vida de Israel.
Bento XVI, por exemplo, participou da juventude nazista na sua adolescência, e em 2007 permitiu a volta da liturgia latina, que inclui em seu texto uma oração para “livrar os judeus das trevas”. Alguns afirmam que Bento XVI era amistoso para com os judeus, mas o autor desta reflexão se permite duvidar desse fato.
Assim sendo, é evidente que a postura do novo papa para com Israel e os judeus pode ter algum impacto político. Mas, não creio que seja a isso que as pessoas se refiram quando desejam saber qual a relevância do evento.
Fato é que existe uma cultura, herdada do imaginário de outras religiões, de que devamos estar alertas e atentos para os sinais dos tempos. Sejam esses sinais na natureza, ou eventos geo-políticos. E que tais sinais serviriam de alerta aos fiéis para se prepararem para os acontecimentos cataclísmicos do fim do mundo.
Essa, contudo, não é uma ideia judaica. Pelo contrário, ela é uma ideia completamente antitética ao pensamento do Tanach.
No Tanach, encontramos a seguinte frase:
“Assim diz YHWH: do caminho das nações não aprenderás, nem dos sinais dos céus te espantarás, pois as nações deles se espantam.” (Yirmiyahu/Jeremias 10:2)
A frase acima indica que o israelita sabe que todas as coisas estão no controle de YHWH.
Nos tempos de Yirmiyahu (Jeremias), os sinais dos céus assombravam as nações, que acreditavam ser tais sinais influência dos deuses sobre suas vidas. Acreditavam que sua sorte, e seu futuro, dependia dos sinais acima indicados.
Hoje em dia, a idolatria está mais sofisticada. Os falsos deuses das nações são chamados de demônios, ou de espíritos imundos, ou de qualquer outra designação para aterrorizar os homens. Porém, o temor aos falsos deuses permanece o mesmo.
Os sinais também se tornaram mais complexos: biochip, profecias maias, código de barras, a renúncia do papa, entre outros. Mas, continuam sendo sinais que espantam as nações, e dos quais Israel não deve se ocupar.
Todos querem desvendar os segredos do fim dos tempos, mas a Torá já nos dizia há milhares de anos:
“As coisas encobertas pertencem a YHWH, nosso Elohim, mas as coisas reveladas se aplicam a nós e aos nossos filhos eternamente; para que cumpramos todas as palavras desta Torá.” (Devarim/Deuteronômio 29:28)
Mas existem, alguns dirão, sinais proféticos nos Nevi’im (Profetas), alguns dirão. E é verdade, existem sim. Porém, as profecias do Tanach nada mais são do que isso: indicadores do que acontecerá no fim, para que saibamos que tudo já havia sido dito por YHWH Elohim.
As profecias do Tanach não são misteriosas, nem dotadas de grandes mistérios, nem necessitam de qualquer tipo de interpretação ou aplicação mirabolante. Ou seja, diferentemente das religiões das nações, as profecias no Tanach são anúncios claros de acontecimentos futuros, e não chaves para algum tipo de conhecimento oculto.
Outra grande diferença é o objetivo das profecias do Tanach. Elas não visam em momento algum que Israel se prepare para algum tipo de tribulação futura, estocando alimentos (como fazem algumas religiões), nem dotar os israelitas de algum tipo de conhecimento especial sobre os tempos do fim.
O único objetivo dos sinais dos profetas é simples:
“Sim, fizeram seus corações como um diamante, para não darem ouvidos à Torá nem às palavras que YHWH Tseva’ot enviou através do seu sopro pelos primeiros profetas. E houve grande ira da parte de YHWH Tseva’ot.” (Zechariyah/Zacarias 7:12)
“Lembrai vós da Torá de Moshe meu servo, que Eu ordenei a ele no Chorev para todo Israel, com estatutos e juízos.” (Malachi/Malaquias 3:22)
Em outras palavras, os sinais proféticos não são para aqueles que cumprem a Torá, e sim para aqueles que, em rebeldia, se desviaram dela. Para que reconheçam a mão de YHWH sobre todas as coisas, e assim possam retornar à Torá.
Esse, aliás, poderia muito bem ser o resumo de praticamente tudo que há nos Nevi’im (Profetas). A mensagem profética, diferentemente das religiões das nações, não tem um fim em si mesma. A mensagem profética tem como único objetivo conscientizar da magnitude da mensagem da Torá.
Um dia, as nações se voltarão contra Israel, conforme está profetizado. Quando isso ocorrer, haverá grande angústia em Israel. E Israel clamará a YHWH Elohim, e se arrependerá de todas as suas transgressões. E YHWH salvará o povo de Israel, e destruirá as nações que se levantaram contra o Seu povo. Israel herdará as nações, e o remanescente dos povos observará a Torá de YHWH, que legislará novamente a partir do Seu Templo, no Seu monte, na Sua cidade. E Israel terá novamente a condução dos cohanim (sacerdotes), e a profecia retornará à terra de Israel em abundância. E o governo político estará com a descendência de David.
E tudo isso está no controle de YHWH, e acontecerá no tempo determinado por Ele. A nós, compete unicamente retornar à verdade da Torá, e abandonar toda a idolatria que foi imposta a nossos pais à força, ou mesmo que nossos pais possam ter adquirido voluntariamente.
Qual a relevância da mudança do papa para Israel, do ponto de vista profético? A resposta é simples: Nenhuma.
Porque sabemos o que precisamos fazer, para que YHWH esteja no nosso meio. Arrependamo-nos das nossas transgressões, voltemos à Torá, e Ele nos sarará as feridas. É tudo o que precisamos saber.

fonte: http://peshat.kol-hatorah.org/?p=491

3 comentários:

  1. Olá, meu nome é João Carlos e gosto de ler a prender mais sobre os ensinamentos que apresenta. Mas o que dizer quanto ao livro de DANIEL que apresenta em seu capítulo 2 7,8 e 9 uma visão panorâmica da história mundial apresentando até o nome de Ciro que ainda nem tinha subido ao poder. Ali não são "APENAS INDICADORES" eram explicações muito claras e exatas sobre as nações e suas ascensões e quedas. è uma verdadeira enciclopédia de história geral das nações que se estende até os dias de hoje, você não acha ?

    Grato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Shalom, João Carlos. Agradecemos sua visita! O chaver tem toda a razão. Realmente o que se encontra nos capítulos 2, 7, 8 e 9 de Daniel "não são apenas indicadores", eram visões proféticas de um futuro distante, que se realizariam com a revolta dos Macabeus (167 antes da era comum (3729) a 134 antes da era comum). A "História dos Hebreus de Josefo", e "I e II Macabeus" são os únicos relatos que temos acerca do período helênico na Judéia. Muito triste, não?!
      Até breve!

      Excluir
  2. Um link interessante sobre o assunto:
    http://pt.scribd.com/doc/13371083/A-Revolta-Dos-Macabeus-e-a-Origem-Do-Poder

    ResponderExcluir