sábado, 9 de fevereiro de 2013

CICLO TRIENAL LEYELADIM - SEDRAH 98 (FIM DO CENSO E A PUREZA DO ACAMPAMENTO )

Shalom, Yeladim

A Sedrah desta semana continua a relatar as tarefas e responsabilidades dadas aos B'nei Levi'im/Filhos de Levi que, a despeito do que muitos crêem, não era tocar e cantar, mas, servir aos Kohanim e executar nas tarefas mais pesadas, como montagem e desmontagem do Mishkan/Tabernáculo quando tinham de mudar o acampamento de lugar, bem como o cuidado com os objetos sagrados.  
Na semana passada conhecemos a família de Kehat/Coate e esta semana as famílias de Gershon/Gerson e Merari. 
Vamos ao estudo desta semana?!

"FIM DO CENSO DOS LEVI'IM E A PUREZA DO ACAMPAMENTO" 
Bamidbar/Números 4:21 - 5:10  

Conforme o mandado do Senhor foram contados por Moisés, cada qual segundo o seu serviço, e segundo o seu cargo; assim foram contados por ele, como o Senhor lhe ordenara." (Bamidbar/Números 4:49)

A Sedrah começa com a contagem dos Gershonitas (filhos de Gershon) e finalmente dos Meraritas (filhos de Merari) especificando o tipo de serviço e o trabalho que cada um deveria executar, com relação ao Mishkan/Tabernáculo.
Assim como os kehatitas eram responsáveis pelo transporte das coisas sagradas, os guershonitas e os meraritas possuíam, também, funções específicas.  Os primeiros eram responsáveis pelo transporte de todos os tecidos, como as cortinas, as cobertas, enfim, todos os materiais que serviam para recobrimento do Mishkan. Já os meraritas tinham como função transportarem as tábuas, os varais, os pilares e colunas, as estacas, as bases, as cordas etc, enfim todos os elementos de madeira e utensílios para a sustentação e montagem do Mishkan.

Assim, finalizamos o perek/capítulo 4 de Bamidbar, que fala sobre o censo realizado entre os da Tribo de Levi.

O perek/capítulo 5 de Bamidbar e que dá continuidade à Sedrah desta semana, inicia nos relembrando acerca do cuidado com a tsara’at/lepra por conta da maledicência e o que deveria ser feito no caso de alguma pessoa contraí-la para que a Pureza e a Santidade do arraial e do Mishkan fossem preservadas; isto era fundamental!

Ao apresentar, novamente, a tsara’at (consequência da Lashon Harah), o Eterno nos alerta para o cuidado que devemos ter na relação com Ele e o próximo.

Finalmente, a Torah nos fala da restituição (devolução) que deve ser feita quando, ao violarmos as Suas Mitzvot, por consequência, ferirmos ou prejudicarmos o nosso próximo.

Disse mais o Senhor a Moisés:  Dize aos filhos de Israel:  Quando homem ou mulher pecar contra o seu próximo, transgredindo os mandamentos do Senhor, e tornando-se assim culpado (...) confessará o pecado que tiver cometido, e pela sua culpa fará plena restituição, e ainda lhe acrescentará a sua quinta parte; e a dará àquele contra quem se fez culpado.” (Bamidbar/Números 5:6-7)
À primeira vista, pode parecer algo pouco importante, porém, a Torah nos diz que além de "pagarmos a parte prejudicada um valor correspondente aos danos causados", deveríamos  ir além, ou seja, recompensa-la com mais 20% sobre o valor do prejuízo.

Exemplo:- "Pedimos emprestado o video game do nosso amigo que valia R$ 150 e, sem querer, deixamos escapar da mão, cair no chão e quebrar. Pela Torah, além do valor de R$ 150, deveríamos dar mais 20% de indenização ao nosso amigo pelo prejuízo (1/5 do valor = R$ 30), num total de R$ 180".  

Não lhe parece justo?! Então, vamos nos colocar no lugar desse amigo! "Além de ficarmos  tristes pela quebra do nosso brinquedo, vamos ter de esperar até que outro seja comprado e, se não existir mais do mesmo modelo, ainda vamos ter de pagar mais por um modelo mais novo."

Então ... o que acha?! Na prática, o Eterno quer nos ensinar a exercer a "justiça", fazendo-nos entender que as nossas ações têm consequências e que devemos ser responsáveis por elas, tomando todo cuidado, principalmente, para não prejudicarmos nossos semelhantes, pois o simples arrependimento, muitas vezes, não é suficiente. É preciso "re"compensarmos o mal que causamos, o que nem sempre, é uma tarefa fácil.

Portanto, Yeladim, da mesma forma que devemos tomar cuidado com aquilo que falarmos que possa CAUSAR DANO ao nosso próximo, também, devemos ser responsáveis pelos prejuízos materiais que lhe causarmos, olhando sempre pelo ponto de vista da Torah.

E, sempre que falar ou agir, lembre do princípio do semáforo: PARE, PENSE e  AJA.  

Isso servirá de "alerta" para não que violemos essas Mizvot e, assim, não corramos o risco de sermos "lançados fora do arraial; privados da comunhão com os achim e longe da presença de HaShem".

Shabat Shalom!

Nenhum comentário:

Postar um comentário