domingo, 30 de setembro de 2012

MENORAH - PRIMEIRO TEMPLO (COMPARTILHANDO)

Menorah


Menorah from Jerusalem. Photo Jona Lendering.
Menorah from Jerusalem
(Hecht Museum, Haifa)
Menorah: The seven-branched lampstand in the Jewish temple in Jerusalem, one of the most common symbols of Judaism.

Period of the First Temple

The word menorah just means candelabrum or lampstand, and there were several menorahs in the temple in Jerusalem. According to the Biblical book of Kings, there were ten lampstands in the hall of the temple of Solomon:
So Solomon made all the vessels that were in the house of the Lord: the golden altar, the golden table for the bread of the Presence, the lampstands of pure gold, five on the south side and five on the north, before the inner sanctuary.
[1 Kings 7.48-49;
tr. Revised standard version]
Fourth-century oil lamp with a menorah from Cologne. Römisch-Germanisches Museum, Köln (Germany). Photo Jona Lendering.
Fourth-century oil lamp with amenorah from Cologne (Römisch-Germanisches
Museum; Köln)
It is possible that these menorahs were seven-branched, because they had to give light to a room that measured "sixty cubits long, twenty cubits wide, and thirty cubits high" (1 Kings 6.2). Ten small oil lamps is insufficient for a room with these dimensions, and it must be noted that archaeologists have found bowl-shaped oil lamps with seven spouts, supported by lampstands. That these ten candelabra were seven-branched is certainly not impossible, but we will never know for certain, because every precious object in the temple of Solomon was destroyed by the troops of king Nebuchadnezzar in 587 BCE (2 Kings 24.13).

Description

After the Babylonian Exile (586-530), Judaism had to reinvent itself. Now that Jerusalem was part of the Achaemenid Empire, there was no king, and religious power came into the hands of the priests, who added texts to the Bible that deal with correct cultic practices. (This does not mean that they invented them; although they certainly included new elements like theBabylonian calendar, the priestly authors sincerely believed that they wrote down what had been practice before 586.) In this age, the following description of the seven-armed Menorah appears to have been written:
And you shall make a lampstand of pure gold. The base and the shaft of the lampstand shall be made of hammered work; its cups, its capitals, and its flowers shall be of one piece with it; and there shall be six branches going out of its sides, three branches of the lampstand out of one side of it and three branches of the lampstand out of the other side of it; three cups made like almonds, each with capital and flower, on one branch, and three cups made like almonds, each with capital and flower, on the other branch - so for the six branches going out of the lampstand; and on the lampstand itself four cups made like almonds, with their capitals and flowers, and a capital of one piece with it under each pair of the six branches going out from the lampstand. Their capitals and their branches shall be of one piece with it, the whole of it one piece of hammered work of pure gold. And you shall make the seven lamps for it; and the lamps shall be set up so as to give light upon the space in front of it. Its snuffers and their trays shall be of pure gold. Of a talent of pure gold shall it be made, with all these utensils.
[Exodus, 25.31-40; RSV]

Relief of the menorah from Ostia (Italy). Photo Jona Lendering.
Relief of the menorah from Ostia

The priestly author of these words believed that the Menorah had been made by Moses, and had been with the Jews when they wandered through the desert. The seven-branched Menorah would have burned from evening to morning (Leviticus, 24.3). Measurements are not given in the Bible, and reproductions of the Menorah are absent from this period; perhaps the measurements can be derived from the Talmud (Menahot, 28b), which says that the Menorah was eighteen handbreadths high.

Period of the Second Temple

When the temple was rebuilt, there was only one Menorah, not ten. The object is mentioned with some stress in the book of Chronicles, which was written immediately after the Exile, and is based on Kings. The next line, however, has no parallel in Kings, and is therefore an insertion by the author of Chronicles:
The priests offer to the Lord every morning and every evening burnt offerings and incense of sweet spices, set out the showbread on the table of pure gold, and care for the golden lampstand that its lamps may burn every evening.
[2 Chronicles, 13.11; RSV]
This line is from a speech that enumerates the priestly duties, and it is obvious that the author considered the Menorah very important. It is also referred to by Ben Sira, who wrote in c.200 BCE and takes for granted that everyone knows the Menorah (Ben Sira 26.17). According to 1 Maccabees,1.21, the Menorah was stolen by Antiochus IV Epiphanes, but a new one was made after Judas the Maccabaean had cleansed the temple (1 Maccabees4.49-502 Maccabees10.3). The relighting of the Menorah is still commemorated at Hanukkah.

The Menorah as shown on the honorary arch of Titus. Photo Marco Prins.
The Menorah as shown on the honorary arch of Titus.
This lampstand is described by Flavius Josephus (Jewish War, 7.148-149) and shown on the Arch of Titus in Rome. The lower part of the central shaft shows an oriental design very much like the columns of Persepolis. It is perfectly possible that the Menorah made by Judas the Maccabaean is an accurate copy of a candelabrum made immediately after the return from the Babylonian Exile. Alternatively, the last-mentioned Menorah, although taken away by Antiochus IV, may have been given back at some unknown moment.

By now, the Menorah was never extinguished; according to Josephus (Jewish Antiquities, 3.199), three candles burned permanently (the others were lighted only during the night). Cleaning, lighting, and trimming was among the tasks of the high priest.

Later history

After the fall of Jerusalem in 70 CE, the Menorah was brought to Rome. The representation on the Arch of Titus poses a minor problem, because the pedestal (an octagon) is different from all other representations, which nearly always show the Menorah with three legs. Worse, the octagon shows eagles with garlands in their beaks and capricorns on its upper tier, and aquatic animals on its lower tier: these symbols are not known from Judaean art of the centuries BCE, and violate the second of the Ten Commandments ("You shall not make for yourself an idol, whether in the form of anything that is in heaven above, or that is on the earth beneath, or that is in the water under the earth") Eagles and water snakes do not belong on a Jewish cultic object.

The Menorah as shown on a relief from Sardes. Photo Marco Prins.
The Menorah as shown on a relief from Sardes (©**)
Several solutions have been proposed, which all have their problems: perhaps this is not the real Menorah (but what's the point of carrying it around in a triumph?), perhaps the pedestal is a Roman restoration because the Menorah was damaged during the sack of Jerusalem (no evidence), perhaps the pedestal is in fact a litter, designed to give the object stability during the procession (perhaps the least implausible explanation).

However this may be, the Menorah was in Rome, and was deposited (with other cult objects from the temple of Jerusalem) in the Temple of Peace in Rome (Josephus, Jewish War, 7.150). The Temple Treasures may have been transferred to another place after the Temple of Peace was destroyed in a great fire in 192, and were probably taken to Carthage by the Vandals, who sacked Rome in 455. Here, the Menorah was among the objects seized by the Byzantine general Belisarius, who captured the city in 534. In his Vandal Wars, Procopius states that the sacred objects of the Jews were brought toConstantinople and carried through the streets during Belisarius' triumphal procession (4.9).

If Procopius is to be believed, the Menorah was almost immediately sent back to Jerusalem, because a Jew told Justinian that the lampstand had brought disaster to every city where it had been. The object's presence in Jerusalem, however, is not recorded, perhaps because Palestine was later conquered by Muslims.

Literature

  • "Menorah" in Encyclopaedia Judaica (1972-1972)
  • Sam Waagenaar, The Pope's Jews (1974) (especially for the Menorah in Rome, Carthage, Constantinople)
http://www.livius.org/te-tg/temple-treasure/menorah.html

sábado, 29 de setembro de 2012

REFLEXÃO ÀS PERGUNTAS DA SEDRAH 79 (A CONSAGRAÇÃO DOS COHANIM/SACERDOTES)



A CONSAGRAÇÃO DOS COHANIM / SACERDOTES 

Enquanto a Sedrah da semana passada descreveu os Korbanot (sacrifícios) da perspectiva daquele que levava a oferenda, esta semana, a Torah concentra-se mais diretamente nas tarefas dos Cohanim, trazendo mais detalhes sobre seu serviço. 
por Yossef Michael
O verso 23, de Vayicrah 8 diz o seguinte: "e tendo Moisés imolado o carneiro, tomou do sangue deste e o pôs sobre a ponta da orelha direita de Arão, sobre o polegar da sua mão direita, e sobre o polegar do seu pé direito".

1-     O que isso significa e o por quê da orelha, mão e pé direitos? 

Resp.: Vemos que se trata de uma confirmação do ritual de consagração e santificação que aparece pela primeira vez em Shemot 29. O propósito deste ritual era justamente preparar o Cohen Gadol e os demais cohanim para o serviço no Mishkan.
Durante estes sete dias em que ali permaneciam, diariamente, eram feitos sacrifícios expiatórios por eles e pelo Mishkan. O resultado final deste processo era justamente a obtenção de uma condição de altíssima separação tanto do Mishkan como daqueles que nele oficiariam, para que o Eterno pudesse finalmente preenchê-lo com toda Sua Glória para ali Se fazer conhecer aos B’nei Yisra’El.
Interessante que a palavra aqui traduzida como consagração é hamiluiym, que, segundo a Concordância Strong #04394, deriva da raiz antiga #04390, que quer dizer:
  1. encher, estar cheio
1a) (Qal)
      1a1) estar cheio
             1a1a) plenitude, abundância (particípio)
             1a1b) estar cheio, estar completo, estar terminado
      1a2) consagrar, encher a mão
1b) (Nifal)
      1b1) estar cheio, estar armado, estar satisfeito
      1b2) estar concluído, estar terminado
1c) (Piel)
      1c1) encher
      1c2) satisfazer
      1c3) completar, terminar, concluir
      1c4) confirmar
1d) (Pual) estar cheio
1e) (Hitpael) reunir-se contra

Isto deixa ainda mais claro a ideia da consagração. Através dela era encerrado o ciclo de preparação do Mishkan e dos Cohanim. Não podia ser diferente.
Vamos agora ao passuk específico da pergunta, já com o contexto da consagração bem definido.
Certamente o hebraico irá nos auxiliar nesta jornada.
A palavra aqui traduzida como orelha é az’nam, que, segundo a Concordância Strong #0241, deriva da raiz antiga #0238, ozen, que pode significar:
  1. ouvir, escutar
1a) (Hifil)
      1a1) ouvir, escutar, dar ouvidos
      1a2) ser obediente, atento
      1a3) ouvir ou escutar as orações (referindo-se a Elohim)

Interessante que as passagens em que az’nam aparece nas Escrituras, confirmam isto. Vejamos duas passagens em especial.

Yiov 36:10, “Abre-lhes também os seus ouvidos, para sua disciplina, e ordena-lhes que se convertam da maldade”

Yirmiyahu 7:24, “Mas não ouviram, nem inclinaram os seus ouvidos, mas andaram nos seus próprios conselhos, no propósito do seu coração malvado; e andaram para trás, e não para diante”

Vemos aqui que a primeira palavra, az’nam, nos mostra a relevância da obediência ao Eterno, através do “dar ouvidos” à Sua Voz.
Já a palavra aqui traduzida como polegar, no hebraico é bohen, que, segundo a Concordância Strong #0931, é procedente de uma raiz não utilizada aparentemente significando ser grosso; DITAT - 209a; n f
  1.       polegar, polegares dos pés (sempre mencionados em conjunto).
Esta talvez seja a palavra mais difícil de compreender seu significado... Muito no campo da especulação, a partir de inúmeras passagens, gostaria de propor uma “teoria” que justifique seu emprego...
Vejamos algumas das passagens em que uma variante da mesma, porém com a mesma raiz apareceu, falamos de bahen, onde hen, significa literalmente ele, ela, eles, elas e ba quando a ela associada denota em ele (nele), em ela (nela) e assim por diante, no sentido de algo interno, ou mesmo preenchido...

Yirmiyahu 4:29, “Ao clamor dos cavaleiros e dos flecheiros fugiram todas as cidades; entraram pelas matas e treparam pelos penhascos; todas as cidades ficaram abandonadas, e já ninguém habita nelas”

Yirmiyahu 48:9, “Dai asas a Moav; porque voando sairá, e as suas cidades se tornarão em desolação, e ninguém morará nelas”

Yirmiyahu 51:43, “Tornaram-se as suas cidades em desolação, terra seca e deserta, terra em que ninguém habita, nem passa por ela filho de homem”

Sh’muel Alef 31:7, “E, vendo os homens de Israel, que estavam deste lado do vale e deste lado do Jordão, que os homens de Israel fugiram, e que Saul e seus filhos estavam mortos, abandonaram as cidades, e fugiram; e vieram os filisteus, e habitaram nelas”

Yehezk’El 42:14, “Quando os sacerdotes entrarem, não sairão do santuário para o átrio exterior, mas porão ali as suas vestiduras com que ministraram, porque elas são santas; e vestir-se-ão de outras vestiduras, e assim se aproximarão do lugar pertencente ao povo”

É impressionante que bahen nas quatro primeiras passagens aparece associada à morada, habitação, no caso específico de homens, porém em situações de desolação e grandes tribulações, enquanto em Yehezk’El ela aparece associada às vestiduras, enquanto “entorno”, “cobertura” de algo, no caso o corpo onde “habitava” o próprio Eterno.
Ainda temos mais um elemento, novamente, no campo da especulação... A palavra bohen (polegar) aparece conjugada, tanto para mão, como para pé, o que pode indicar ação, em referência à mão, e conexão, em referência ao pé, ou mesmo caminho.
Assim, uma possível justificativa para a questão acima, seja que o Eterno, Bendito Seja Ele, esteja através do ritual de consagração transmitindo a seguinte mensagem aos Cohanim: “Através deste sangue, hoje reafirmo uma aliança que foi estabelecida com seus pais, Avraham, Yits’chak e Ya’akov, uma aliança baseada no temor e obediência a YHWH, teu Elohim, para que com suas ações, possam trilhar e conduzir Meu povo, pelos Meus Caminhos, de forma que Eu jamais deixe de habitar no meio deles, uma vez que Eu sou Santo e santo também deverá ser Meu povo!!!”

2-     Tzofar é o nome de um dos três amigos de Iyov e significa "chilrear, pipilar, chiar". No perek/capítulo 11, verso 6 ele diz mais ou menos o seguinte:-  “Você tem sorte por não ser pior, pois Elohim está-lhe cobrando menos do que o que merece o seu pecado.” Qual foi o pecado de Iyov, aos olhos de Tzofar e que tipo de "amigo" Tzofar representa? 

Resp.: Interessante que Tzofar vem da raiz antiga Tsafar, que também pode significar, segundo a Concordância Strong #06852, “ir cedo, partir cedo”, talvez no sentido de precipitação. Exatamente na mesma linha em que a tradução proposta para Tzofar aparece.

Segundo o dicionário Michaelis:
chil.re.ar
(chilro+ear) vint 1 Chalrear, gorjear, pipilar. vint 2 Palrar, tagarelar. vtd 3 Exprimir em gorjeio.

Neste contexto, Tzofar pode ser entendido como um amigo precipitado, cuja boca não consegue ser contida, acabando assim tagarelando, falando demais e de forma inoportuna.
Não podia ser diferente, pois Tzofar o acusa (a Yiov) justamente de ser um tagarela, cujo palavrório desafiava ao Eterno. A impressão que dá é que ocorreu um processo de “transferência”, isto é, Tzofar lançou sobre Yiov suas acusações baseado em suas próprias mazelas e transgressões. “Transferindo” a Yiov seu “espinho na carne”, Tzofar sentia-se aliviado.
Honestamente, quantas vezes já não nos deparamos com situações como estas? Às vezes como vítimas de alguma acusação e em outras no papel do acusador?
O livro de Yiov é impressionante, pois ao provar o justo Yiov, o Eterno nos dá uma verdadeira lição de como deveriam ser nossas vidas... Através dos “amigos” de Yiov todas as nossas mazelas são expostas. Se olharmos para cada exemplo proposto neste livro, veremos que temos muito mais a ver com os “amigos” do que propriamente com o justo Yiov. A mim, pelo menos, a “carapuça serviu como uma luva”...

Uma mensagem importante desta passagem é justamente a questão do controle que devemos ter sobre nossas línguas, pois uma vez lançadas, as palavras não podem ser recuperadas e o estrago, muitas vezes, pode ser muito grande!

3-     No perek/capítulo 27:8-9, Iyov/Jó diz o seguinte: "( ) qual é a esperança do ímpio, quando O Eterno o cortar, quando O Eterno lhe arrebatar a alma? Acaso YHWH lhe ouvirá o clamor, sobrevindo-lhe a tribulação?".  Em muitos casos, o castigo sobre o ímpio e o opressor não lhes vem depressa, de modo a ser presenciado por todos. Aliás, muitas vezes até os vemos prosperar. Você diria que isso é tolerância por parte de HaShem?  Que essa "tolerância" de HaShem é uma espécie de perdão?! Explique!

Resp.: A própria continuação do perek de Yiov nos mostra o destino do ímpio e a justiça de Elohim Avinu. Agora sobre a pergunta, minha opinião é que não se trata de uma “tolerância”, mas sim de uma “premeditação”...

Como assim “premeditação”?
No sentido mais direto da palavra... O Eterno, conhecendo o ontem, o hoje e o amanhã, sabe exatamente como agirá tanto o justo como o ímpio e “permite” que ele se afunde cada vez mais em sua impiedade, mais ou menos, como aquele ditado “Quanto maior a árvore, maior o tombo”.
Será que as Escrituras suportam esta leitura?

Yeshayahu 10:6, “Enviá-la-ei contra uma nação hipócrita (chaneph, mesma raiz para ímpio), e contra o povo do meu furor lhe darei ordem, para que lhe roube a presa, e lhe tome o despojo, e o ponha para ser pisado aos pés, como a lama das ruas”

Pelo contexto geral deste perek de Yeshayahu, não há dúvidas que o Eterno trará assolação sobre os ímpios...

Yeshayahu 10:16-18, “Por isso o Senhor, YHWH T’sevaot, fará definhar os que entre eles são gordos, e debaixo da sua glória ateará um incêndio, como incêndio de fogo. Porque a Luz de Yisra’El virá a ser como fogo e o seu Santo por labareda, que abrase e consuma os seus espinheiros e as suas sarças num só dia. Também consumirá a glória da sua floresta, e do seu campo fértil, desde a alma até à carne, e será como quando desmaia o porta-bandeira”

Outra passagem impressionante está em Tehilim 106. Vemos aqui a diferença no tratamento que o Eterno dá a Seu povo e aos ímpios. A passagem é um pouco chocante, pois os primeiros passukim, que revelam a iniquidade de Am Yisra’El, são tremendamente pesados. Aqui a impiedade (de Am Yisra’El) está associada à idolatria, ao sacrifício humano e à contaminação da terra, porém ainda assim poderemos ver, em seguida, a dimensão da Misericórdia do Criador. Vamos a alguns passukim que ilustram esta situação...

Tehilim 106:34-48, “Não destruíram os povos, como YHWH lhes dissera. Antes se misturaram com os goyim, e aprenderam as suas obras. E serviram aos seus ídolos, que vieram a ser-lhes um laço. Demais disto, sacrificaram seus filhos e suas filhas aos demônios, e derramaram sangue inocente, o sangue de seus filhos e de suas filhas que sacrificaram aos ídolos de Kena’an; e a terra foi manchada com sangue. Assim se contaminaram com as suas obras, e se corromperam com os seus feitos. Então se acendeu a ira de YHWH contra o Seu povo, de modo que abominou a Sua herança. E os entregou nas mãos dos goyim; e aqueles que os odiavam se assenhorearam deles. E os seus inimigos os oprimiram, e foram humilhados debaixo das suas mãos. Muitas vezes os livrou, mas o provocaram com o seu conselho, e foram abatidos pela sua iniqüidade. Contudo, atendeu à sua aflição, ouvindo o seu clamor. E Se lembrou da Sua aliança, e Se arrependeu segundo a multidão das Suas misericórdias. Assim, também fez com que deles tivessem misericórdia os que os levaram cativos. Salva-nos, YHWH nosso Elohim, e congrega-nos dentre os goyim, para que louvemos o Teu nome santo, e nos gloriemos no Teu louvor. Bendito seja YHWH Elohim de Yisra’El, de eternidade em eternidade, e todo o povo diga: Amen. Louvai a YHWH”

Ao contrapormos estas passagens, creio que ficou claro qual o melhor lado para estarmos. Ainda que nossas transgressões sejam pesadas, Ele está disposto a cumprir, sempre, Sua parte na Aliança que foi estabelecida com nossos pais, Avraham, Yits’chak e Ya’akov, uma Aliança que nos levará à Salvação, se seguirmos Seus Caminhos, Sua Torah. Já para os ímpios, ainda que, a uma primeira vista, tudo pareçam “bênçãos”, no final... Nada, absolutamente nada, ocorre sem o governo e intenção do Criador... BH!!!

4-   Yeshayahu/Isaias 8:19 - "Quando vos disserem:  Consultai os que têm espíritos familiares e os feiticeiros, que chilreiam e murmuram, respondei:  Acaso não consultará um povo a seu Elohim? Acaso a favor dos vivos consultará os mortos?".  Que analogia podemos fazer a respeito desse verso e que lições podemos tirar para a nossa vida?

Resp.: Uma palavra interessante é "murmuram", pois, a partir do hebraico, uma possível tradução para ela é inventar, entre as demais possíveis e mesmo murmuração.

A advertência dada pelo Eterno àqueles que consultam a necromantes é bastante clara.

Vayikrah 20:6-7, “Quando alguém se virar para os adivinhadores e encantadores, para se prostituir com eles, Eu porei a Minha face contra ele, e o extirparei do meio do seu povo. Portanto santificai-vos, e sede santos, pois Eu sou YHWH vosso Elohim”

Mas qual a relevância disto? Simples; só existe a Verdade, segundo a Palavra de YHWH. Não há outro que responderá a nossos temores e angústias com a Verdade. O que pode ser encontrado em outras situações? O engano, a mentira.

Mishlei 22:17-21, “Inclina o teu ouvido e ouve as palavras dos sábios, e aplica o teu coração ao Meu conhecimento. Porque te será agradável se as guardares no teu íntimo, se aplicares todas elas aos teus lábios. Para que a tua confiança esteja em YHWH, faço-te sabê-las hoje, a ti mesmo. Porventura não te escrevi excelentes coisas, acerca de todo conselho e conhecimento, para fazer-te saber a certeza das palavras da verdade, e assim possas responder palavras de verdade aos que te consultarem?”

Ainda que aqui a referência seja conhecermos a Verdade para dela falarmos a quem possa nos perguntar, faz todo o sentido, sabermos que a Verdade nos foi deixada por escrito, em Sua Torah para que nela pudéssemos crer e, agindo segundo Sua Vontade, encontrarmos o caminho para a Salvação!!!

Para nossas vidas, podemos tirar muitas lições, mas creio que a principal delas seja a confiança no Elohim Echad e em Sua Torah, como única fonte para encontrarmos o Alimento que nos levará à vida eterna!

Shabat Shalom a todos!
Chazak, Chazak, Venit Chazek!!!

CICLO TRIENAL LEYELADIM - SEDRAH 79 (A CONSAGRAÇÃO DOS COHANIM/SACERDOTES)

Shalom Yeladim,
Terminamos os sete primeiro capítulos de Vayicrah/Levítico, onde aprendemos sobre as Instruções dadas por HaShem a respeito dos Korbanot/Sacrifícios.
O perek/capítulo 8 começa com YHWH dando Instruções à Mosheh sobre como deveria ser feita a dedição dos Cohnim (Aharon e seus filhos) para o serviço no Mishkan.
Vamos ao estudo!
A CONSAGRAÇÃO DOS COHANIM
Vayicrah/Levítico 8:1-36
O que significa ser consagrado? Como já vimos anteriormente, ser consagrado é o mesmo que "ser separado; ser dedicado". Ou seja, Aharon e seus filhos foram escolhidos por HaShem com um propósito especial; servir de "intermediário" entre o povo de Israel e YHWH, apresentando a HaShem seus sacrifícios, suas oferendas e suas ações de graças.
Para tanto, YHWH deu Instruções específicas a Mosheh, dizendo: "2 Toma a Aharon e a seus filhos com ele, e os vestidos, e o óleo da unção, e o novilho da oferta pelo pecado, e os dois carneiros, e o cesto de pães ázimos, 3 e reúne a congregação toda à porta da tenda da revelação".
Para que os Cohanim se apresentassem diante de HaShem era necessário um preparo todo especial: precisavam ser purificados em água (mikveh);  se vestir com as roupas feitas exclusivamente para eles oficiarem o serviço a YHWH (com todos os acessórios); colocar sobre as vestes o éfode (estola sacerdotal); e o peitoral com as 12 pedras que representavam as 12 Tribos de Israel. Deveriam também colocar sobre a cabeça um turbante e a lâmina de ouro, tudo conforme as Instruções de YHWH.
"10 Então Mosheh, tomando o óleo da unção, ungiu o Mishkan/tabernáculo e tudo o que nele havia, e os santificou". 
Uma coisa muito interessante é ver que, apesar de "escolhidos por HaShem", eles não estavam isentos (livres) de apresentar sacrifício pelos seus pecados, pois, como homens, também não estavam livres de pecar. "14 Então fez chegar o novilho da oferta pelo pecado; e Aharon e seus filhos puseram as mãos sobre a cabeça do novilho da oferta pelo pecado". Impor as mãos sobre o animal representava a "transferência" do pecado da pessoa para o animal que, pela chessed/misericórdia de YHWH, morreria no lugar do infrator (pecador). 
"23 e tendo Mosheh imolado o carneiro, tomou do sangue deste e o pôs sobre a ponta da orelha direita de Aharon, sobre o polegar da sua mão direita, e sobre o polegar do seu pé direito"
Algo muito interessante podemos aprender sobre esse korban/sacrifício feito pelo Cohanim e o fato de HaShem instruir Mosheh a ungir com sangue a ponta da orelha direita e os polegares da mão e do pé direitos). Por exemplo: o servo de YHWH deve estar sempre pronto a ouvir a voz dEle (Shemah Ysrael) e obeceder; suas mãos devem estar sempre limpas/purificadas para servir a YHWH e os seus pés sempre apressados para fazer o bem, não se desviando para a direita ou para a esquerda.
"33 Durante sete dias não saireis da porta da tenda da revelação, até que se cumpram os dias da vossa consagração; porquanto por sete dias ele vos consagrará"
E Aharon e seus filhos fizeram todas as coisas que o Senhor ordenara por intermédio de Mosheh! 

ATIVIDADE:
(para pintar e recortar)
Você seria capaz de descrever cada peça do vestuário do Cohen HaGadol/Sumo Sacerdote?

  1. ________________________________
  2. ________________________________
  3. ________________________________
  4. ________________________________
  5. ________________________________
  6. ________________________________
  7. ________________________________
  8. ________________________________
  9. ________________________________
  10. ________________________________
  11. ________________________________
  12. ________________________________

2  Em que livros da Bíblia encontramos descritas as "Vestes Sacerdotais"? 

  • ________________________________
  • ________________________________
  • ________________________________
3  O que aprendemos com a Sedrah desta semana?
________________________________
________________________________

Shabat Shalom e lehitra'ot!

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

CICLO TRIENAL - SEDRAH 79 (Semana de 23 a 29 de setembro//2012)


Torah:  Vayicrah/Levítico 8:1-36            
Tema(s): A consagração dos Cohanim/sacerdotes
Haftarah:  Iyov/Jó 11 e 27; Yeshayahu/Isaías 8
Tema(s) A sabedoria de Elohim; A firmeza na justiça; Os filhos de   Yeshayahu/Isaías      
Shirim u’Chochmah: Tehilim/Salmos 79; Sefer Chochmah Yeshua ben Sirach/Livro da Sabedoria de Yeshua filho de Sirach 9
Tema(s):  Lamento por Yisra'El; Relacionamento com mulheres e amigos
PERGUNTAS:


Enquanto a Sedrah da semana passada descreveu os Korbanot (sacrifícios) da perspectiva daquele que levava a oferenda, esta semana, a Torah concentra-se mais diretamente nas tarefas dos Cohanim, trazendo mais detalhes sobre seu serviço. 
O verso 23, de Vayicrah 8 diz o seguinte: "e tendo Moisés imolado o carneiro, tomou do sangue deste e o pôs sobre a ponta da orelha direita de Arão, sobre o polegar da sua mão direita, e sobre o polegar do seu pé direito"
1.  O que isso significa e o por quê da orelha, mão e pé direitos? 

2.  Tzofar é o nome de um dos três amigos de Iyov e significa "chilrear, pipilar, chiar". No perek/capítulo 11, verso 6 ele diz mais ou menos o seguinte:-  “Você tem sorte por não ser pior, pois Elohim está-lhe cobrando menos do que o que merece o seu pecado.” Qual foi o pecado de Iyov, aos olhos de Tzofar e que tipo de "amigo" Tzofar representa?

3.  No perek/capítulo 27:8-9, Iyov/Jó diz o seguinte: "( ) qual é a esperança do ímpio, quando O Eterno o cortar, quando O Eterno lhe arrebatar a alma? Acaso YHWH lhe ouvirá o clamor, sobrevindo-lhe a tribulação?".  Em muitos casos, o castigo sobre o ímpio e o opressor não lhes vem depressa, de modo a ser presenciado por todos. Aliás, muitas vezes até os vemos prosperar. Você diria que isso é tolerância por parte de HaShem?  Que essa "tolerância" de HaShem é uma espécie de perdão?! Explique!

4.  Yeshayahu/Isaias 8:19 - "Quando vos disserem:  Consultai os que têm espíritos familiares e os feiticeiros, que chilreiam e murmuram, respondei:  Acaso não consultará um povo a seu Elohim? acaso a favor dos vivos consultará os mortos?".  Que analogia podemos fazer a respeito desse verso e que lições podemos tirar para a nossa vida?

TEHILIM/SALMOS 79
(interpretação semita)

Um tehllim/salmo de Assaf. Ó Elohim, os povos invadiram Tua possessão, profanaram o Teu sagrado santuário, converteram Yerushalayim em montes de escombros. Deixaram os cadáveres dos Teus servos para se tornarem alimento para as aves de rapina, e a carne dos Teus devotos para as feras da terra. Seu sangue derramaram como água por toda Yerushalayim e nem sequer havia quem os pudesse enterrar. Nos tornamos objetos de escárnio para nossos vizinhos, zombaria e desprezo para os que nos rodeiam. Até quando, Eterno, ficarás irado? Será eterna Tua cólera? Até quando Teu zelo queimará como fogo? Derrama Tua ira sobre os povos que não Te reconhecem e sobre os reinos que não invocam o Teu Nome. Porque destruíram Yaa'kov e assolaram a sua morada. Não Te recordes contra nós das iniqüidades do passado; apressa-Te em proporcionar-nos a Tua misericórdia, pois estamos muito enfraquecidos. Socorre-nos, ó Elohim da nossa salvação, pela glória do Teu Nome! Salva-nos e expia os nossos pecados pelo amor do Teu Nome! Para que não indaguem as nações: “Onde está o seu Elohim?” Que vejam as nações diante de nossos olhos a vingança do sangue derramado dos Teus servos. Que Te alcance o gemido do encarcerado, e pela grandeza do Teu poder salva-o da morte. Retribui a nossos inimigos sete vezes mais desgraças que aquelas com que Te desonraram, ó Eterno! Então, nós, Teu povo, o rebanho de Teu campo, louvar-Te-emos eternamente, e de geração em geração cantaremos Tua glória.
Transliterado:
Mizmor leassaf, Elohim báu goyim benachalatêcha, timeú et hechal codshêcha, sámu et Ierushaláyim leiyim. Natenu et nivlat avadêcha maachal leof hasha-maáyim, bessar chassidêcha lechaito árets. Shafechú damam camáyim, sevivot Ierushaláyim veen cover. Hayínu cherpá lish’chenênu, láag vakéles lisvivotênu. Ad ma Adonai teenaf lanétsach, tiv’ar kemo esh kin’atêcha. Shefoch chamatechá el hagoyim asher lo iedaúcha, veal mamlachot asher beshimchá lo caráu. Ki achal et Iaacov, veet navêhu heshámu. Al tizcor lánu avonot rishonim, maher iecademúnu rachamêcha, ki dalônu meod. Ozrênu Elohê yish’enu al devar kevod shemêcha, vehatsilenu vechaper al chatotênu lemáan shemêcha. Láma iomeru hagoyim aiê Elohehem, yivada bagoyim leenênu nicmat dam avadêcha hashafuch. Tavo lefanêcha encat assir, kegódel zeroachá, hoter benê temuta. Vehashev lish’chenênu shiv’atáyim el checam, cherpatam asher cherefúcha Adonai. Vaanáchnu amechá vetson mar’itêcha nodê lechá leolam, ledor vador nessaper tehilatêcha

ECLESIÁSTICO/Ben Sirach
Capítulo (Perek) 9
Relacionamento com mulheres e amigos

Sobre as Mulheres

1 Não tenhas ciúme da tua esposa, para que ela não pense mal de ti!
2 Não dês à mulher poder sobre ti, para que não se meta no que é da tua competência e passes vergonha.
3 Não te dirijas a uma mulher da vida, para que não venhas a cair em seus laços.
4 Não freqüentes a sedutora nem a ouças, para que não venhas a perecer por seus atrativos.
5 Não fixes o olhar numa virgem, para que não venhas a cair por sua beleza.
6 Não te entregues às prostitutas em momento algum, para que não venhas a perder-te e a perder a tua herança.
7 Não circules os olhos pelas ruelas da cidade nem vagueies por suas praças.
8 Desvia teu olhar da mulher enfeitada e não olhes com curiosidade para a beleza alheia.
9 Pela beleza de uma mulher muitos pereceram, pois daí se abrasa a concupiscência como o fogo. [10-11]
12 Jamais te sentes à mesa com mulher casada nem te recostes a seu lado a beber vinho,
13 para que teu coração não venha a inclinar-se para ela e, apaixonado, escorregues para a perdição.

Sobre os homens
14 Não abandones um velho amigo: o novo não será semelhante a ele.
15 Amigo novo é como vinho novo: quando ficar velho, o beberás com gosto.
16 Não tenhas inveja da glória e das riquezas do pecador, pois não sabes como vai ser a sua queda.
17 Não te agrade a prosperidade dos injustos, sabendo que não ficarão impunes até descerem ao abismo.
18 Fica longe de quem tem o poder de matar, e não passarás pelo medo da morte;
19 se, porém, dele te aproximares, nada cometas que possa levá-lo a tirar-te a vida.
20 Fica sabendo que andas perto da morte, pois caminhas no meio de laços e andas sobre redes.
21 Segundo a tua capacidade, convive com teu próximo e relaciona-te com os sábios e prudentes.
22 Com o sensato esteja o teu pensamento, e toda a tua conversação aborde os preceitos do Altíssimo.
23 Os justos sejam os teus convidados e no temor de YHWH esteja a tua ufania.
24 As obras dos operários são louvadas pela habilidade de suas mãos; o chefe do povo, pela sabedoria do seu discurso, e a palavra dos anciãos, pela sua sensatez.
25 É terrível, em sua cidade, o homem de língua solta; quem é temerário nas palavras será odiado. 

Shabat shalom umevorach!