sexta-feira, 20 de julho de 2012

CICLO TRIENAL - SEDRAH 69 (Semana de 15 a 21 de julho/2012)

Torah: Shemot/Êxodo  34:29 /35 /36:38       
Tema(s): Mosheh retorna; o Shabat; Início das obras no Mishkan/Tabernáculo
Haftarah: Yirmyahu/Jeremias 31; Hoshea/Oseias 1; 2
Tema(s) Aliança renovada com as 2 Casas de Yisra'El; A infidelidade de Efrayim e Yehudah    
Shirim u’Chochmah: Tehilim/Salmos 69; Chochmah Sh'lomo/Sabedoria de Sh'lomo 18
Tema(s):  Pedido de Salvação; A morte dos primogênitos e a ameaça do deserto
PERGUNTAS: 
1.  Relacione quais das Asseret HaDibrot/Dez Instruções (Mandamentos)  aparecem mencionadas em Shemot/Êxodo 35 e seus "desdobramentos".
2.  Leia Yirmiahu/Jeremias 31:31-34 e responda: "Que pacto foi 'invalidado' e de que 'pacto novo' YHWH está falando?
3.  No Tehilim/Salmos 69:8-9 o salmista fala "das afrontas que cairam" sobre ele.  De quais "afrontas" ele fala? Por quem se sentia "afrontado"? Qual a causa dessas afrontas?

Reflexão:  Shemot/Êxodo 36:5-7 (Sobre a liberalidade do coração)
Marcos 12:43-44 "E, chamando os seus discípulos, disse-lhes: Em verdade vos digo que esta pobre viúva deitou mais do que todos os que deitaram na arca do tesouro; Porque todos ali deitaram do que lhes sobejava, mas esta, da sua pobreza, deitou tudo o que tinha, todo o seu sustento." 

SABEDORIA DE SALOMÃO/Chochmah Sh'lomo
Capítulo (Perek) 18

1 Para teus santos, porém, a luz era fulgurante. Aqueles lhes ouviam a voz, mas não viam sua figura; e os exaltavam, por não terem sofrido as mesmas coisas.
2 Também lhes agradeciam porque, tendo sido antes prejudicados, não se desforravam; e pediam perdão porque, anteriormente, os haviam oprimido.
3 Assim, providenciaste uma coluna ardente de fogo como guia para o caminho desconhecido, e um sol inofensivo para a sua gloriosa peregrinação.
4 Aqueles, de fato, mereciam estar privados de luz e sofrer o cárcere das trevas, por terem mantido presos teus filhos, pelos quais começava a ser dada ao mundo a luz incorruptível da Lei.
A morte dos primogênitos e a libertação
5 Quando intentaram matar os filhinhos dos justos – um dentre eles tendo sido libertado, depois de exposto – em compensação por eles, arrebataste uma multidão de filhos e os destruíste juntos na água impetuosa.
6 Aquela noite fora antes conhecida por nossos pais a fim de que, sabedores dos juramentos em que tinham crido, se mostrassem mais confiantes.
7 Ela foi acolhida pelo teu povo como salvação dos justos, mas também como extermínio dos injustos:
8 assim como puniste os adversários, assim também nos engrandeceste, chamando-nos a ti.
9 Em segredo, os filhos justos dos bons ofereciam sacrifícios e, de comum acordo, estabeleceram esta lei divina: que os santos haveriam de acolher da mesma forma bens e perigos, já antecipadamente entoando os hinos de seus pais.
10 Entretanto, ressoava o clamor dissonante dos inimigos, e se difundia o som lamentoso dos que choravam seus filhinhos.
11 Com o mesmo castigo foi atingido o servo e o senhor, o homem do povo sofrendo de modo semelhante ao rei:

12 da mesma forma todos, com o mesmo tipo de morte, contavam mortos inumeráveis. Já não bastavam os vivos para sepultá-los, porque a um só momento fora exterminada a parte melhor da sua geração.
13 E eles, que descriam de tudo por causa dos seus malefícios, agora, na matança dos seus primogênitos, deviam confessar que esse povo é filho de YHWH!
14 De fato, quando um tranqüilo silêncio envolvia todas as coisas e a noite chegava ao meio do seu curso,
15 a Tua Palavra toda-poderosa, vinda do céu, do seu trono real, precipitou-se, como guerreiro impiedoso, ao meio de uma terra condenada ao extermínio. Levando o teu decreto irrevogável como espada afiada,
16 erguendo-se, encheu tudo de morte e, tocando o céu, andava sobre a terra.
17 Então, de repente, a visão de sonhos terríveis os perturbou e lhes sobrevieram inesperados temores,
18 enquanto, arrojados para um lado e para o outro, semimortos, patenteavam a causa da morte de que morriam.
19 Pois as visões que os perturbavam advertiam-nos antecipadamente, para que não perecessem ignorando a causa dos males que sofriam.
A intervenção do justo
20 É verdade que também aos justos feriu uma provação mortal e aconteceu no deserto a morte de uma multidão, mas a tua ira não perdurou por muito tempo.
21 Pois um homem irrepreensível apressou-se em lutar por eles sobraçando o escudo do seu ministério: a oração e a propiciação pelo incenso. Ele resistiu à Ira e pôs fim à fatalidade, demonstrando que era teu servo.
22 E assim venceu a Ira, não pela força corporal nem pelo poder da armadura, mas pela Palavra submeteu o Castigador, recordando os juramentos e as alianças dos antepassados.
23 Como já em multidão caíssem, mortos, uns sobre os outros, ele interveio e sustou a arremetida da Ira, barrando-lhe o caminho que levava aos que ainda viviam.
24 Na sua veste sacerdotal estava representado todo o orbe terrestre, as façanhas dos patriarcas, no entalhe das quatro ordens de pedras, e a tua Majestade, no diadema da sua cabeça.
25 Diante dessas coisas, o Exterminador parou e delas teve medo; a simples amostra da tua Ira já era suficiente.

oooOOOooo 





Nenhum comentário:

Postar um comentário