quinta-feira, 31 de maio de 2012

CICLO TRIENAL - SEDRAH 62 (Semana de 27 de maio a 02 de junho/2012)

Torah: Shemot/Êxodo 26:31-27:21
Tema(s): Mishkan/Tabernáculo: Véu, Altar, Átrio e o Azeite da Menorah
Haftarah: Yehoshuah/Josué 22; Melachim Beit/2a. Reis 12, 16
Tema(s)O Altar de Reuven e Gad; O Reinado de Yehoash/Joás; O Reinado de Achaz/Acaz
Shirim u’Chochmah: Tehilim/Salmos 62; Chochmah Sh'lomo/Sabedoria de Salomão 11
Tema(s):  A Esperança em Elohim; Os Milagres e  as Pragas em Mitzrayim/Egito 

PERGUNTAS

1  A que podemos comparar a "lâmpada continuamente acesa" no Mishkan (Shemot 27:20)?

2  Qual o objetivo do altar construído pelos filhos de Rúben e de Gade, descrito em Yehoshua/Josué 22:1-34? 

3  Segundo Melachim Beit/2a. Reis 12: Como deveria ser "administrado" o dinheiro entregue na "Casa do Senhor"?  

4  Leia Melachim Beit/2a. Reis 16 e responda: Como foi o reinado do rei Achaz/Acáz?

5  Tehilim/Salmos 62.  Que lições  lições podemos extrair desse  Salmo e como aplicá-las às nossas vidas? 

SABEDORIA DE SALOMÃO/Chochmah Sh'lomo

Capítulo (Perek) 11
A água, para Israel e para os egípcios    
1 Pela mão de um santo profeta aplanou suas dificuldades;
2 eles atravessaram um deserto inabitado, e levantaram suas tendas em lugares ermos;
3 resistiram aos que os atacavam, e repeliram seus inimigos.
4 Tiveram sede e clamaram a vós: do rochedo abrupto a água lhes foi dada, e da pedra seca estancaram sua sede.
5 Porque os elementos que tinham servido para punir seus inimigos, foram-lhes dados, na sua necessidade, como benefício:
6 em lugar das ondas de um rio perene turvadas por uma lama de sangue,
7 pela punição do decreto que consagrava crianças à morte, vós lhes destes, de maneira inesperada, água em abundância,
8 mostrando-lhes, pela sede que então sofreram, como punistes seus inimigos.
9 Por isso, tratados com piedade na sua provação, reconheceram quanto deviam ter sofrido os ímpios, julgados com ira.
10 A estes provastes como um pai que corrige, mas a outros provastes como um rei severo que condena.
11 Tanto estando longe como perto, a dor os consumiu da mesma forma,
12 porque tiveram um segundo para se entristecer e gemer à lembrança dos males passados.
13 Compreendendo, com efeito, que o que era para eles castigo, era para outros ocasião de benefício, sentiram a mão do Senhor;
14 e aquele que, outrora exposto e abandonado, tinham repelido com zombaria, admiraram-no finalmente, porque sofreram uma sede diferente da sede do justo.

Os egípcios e os animais: moderado castigo    
15 Por outro lado, para os punir dos loucos pensamentos de sua perversidade, que os faziam extraviar-se na adoração de répteis irracionais e de vis animais, enviastes contra eles uma multidão de animais estúpidos,
16 a fim de que compreendessem que por onde cada um peca, será punido.
17 Não era difícil à vossa mão todo-poderosa, que formou o mundo de matéria informe, mandar contra eles bandos de ursos e de leões ferozes,
18 ou animais desconhecidos e duma nova espécie, cheios de furor, exalando um hálito inflamado, ou espalhando um fumo infecto, ou lançando de seus olhos faíscas terríveis,
19 capazes não só de os exterminar com seus golpes, mas ainda de os matar de terror só pelo seu aspecto.

20 E, mesmo sem isso, eles poderiam perecer por um sopro, perseguidos pela justiça e arrebatados pelo vento de vosso poder; mas, dispusestes tudo com medida, quantidade e peso,
Onipotência e amor de YHWH   
21 porque sempre vos é possível mostrar vosso poder imenso, e quem poderá resistir à força de vosso braço?
22 Diante de vós o mundo inteiro é como um nada, que faz pender a balança, ou como uma gota de orvalho, que desce de madrugada sobre a terra.
23 Tendes compaixão de todos, porque vós podeis tudo; e para que se arrependam, fechais os olhos aos pecados dos homens.
24 Porque amais tudo que existe, e não odiais nada do que fizestes, porquanto, se o odiásseis, não o teríeis feito de modo algum.
25 Como poderia subsistir qualquer coisa, se não o tivésseis querido, e conservar a existência, se por vós não tivesse sido chamada?
26 Mas poupais todos os seres, porque todos são vossos, ó YHWH, que amais a vida. 
oooOOOooo

terça-feira, 29 de maio de 2012

VÍDEO - MA NAVU (QUÃO FORMOSOS) / YESHAYAHU/ISAIAS 52:7

Shalom, chaverim!
Dedico este vídeo, inspirado em Isaias 52:7, a todos aqueles que têm buscado a verdadeira teshuvah (retorno à fé do Mashiach) e desejado, de todo coração, ser porta-vóz das "boas novas".
Shavuah Tóv!
"Quão formosos sobre os montes são os pés do que anuncia as boas-novas, que proclama a paz, que anuncia coisas boas, que proclama a salvação, que diz a Tsion:  O teu Elohim reina!". (Yeshayahu/Isaias 52:7)


MA NAVU 
Ma navu al heharim raglei hamevaser. (2x)
Mashmia yeshua, mashmia shalom.  (2x)
Ma navu al heharim raglei mevaser, 
mashmia shalom, 
mashmia tov,  
mashmia yeshua, 
omer letziyon malach Elohayich.

TRADUÇÃO
(Português)
Quão formosos sobre os montes são os pés do que anuncia as boas-novas, 
que proclama o shalom (a completude), 
que anuncia coisas boas, 
que proclama a salvação,
que diz a Tsion/Sião:  O teu Elohim reina!

(English)
How pleasant on the mountains are the feet of the messenger of good tidings, 
proclaiming peace,  
proclaiming good,  
proclaiming salvation; 
saying to Zion, your Elohim reigns.
oooOooo

segunda-feira, 28 de maio de 2012

TESHUVÁ PASSO (7): DEIXANDO A ESTRUTURA CLERICAL (Parte 1)

Sétimo Passo:  Deixando a Estrutura Clerical ( Parte 1)
 por Sha'ul Bentision
II -  Três Histórias, Uma Realidade
Fabiano passa por um estresse familiar intenso. Sente que sua vida parece estar desmoronando. No intervalo de almoço do seu trabalho, Fabiano resolve passar na bela congregação que frequenta. Ele se recorda das palavras do diácono vestido elegantemente de terno no primeiro dia em que Fabiano lá esteve, lhe dirigindo um sorriso  e dizendo: “Seja bem-vindo à Casa do Senhor!” Não há ninguém no local naquele horário, mas ali, na Casa do Senhor, Fabiano encontra a paz que precisa para poder orar e derramar seu coração.
Não muito longe dali, Camila aguarda ansiosamente o seu horário de atendimento no gabinete do pastor. Camila sofre perseguição no trabalho, e está extremamente angustiada. Ela aguarda ansiosamente o momento em que poderá falar com o pastor Marcus. Afinal, ele é um homem ungido, um verdadeiro servo do Senhor. Camila tem certeza de que o pastor terá as respostas que ela tanto precisa, e que sua oração irá não apenas acalmá-la, mas também será um marco em sua vida. Uma linha divisória que representará o início do fim de seus problemas.
Muitos quilômetros dali, em uma cidade afastada, José encaminha um e-mail cheio de esperança. Ele ouviu falar sobre os mandamentos do Eterno, e busca agora uma congregação que tenha a prática da guarda desses mandamentos. José sabe que o grupo que ele conheceu não tem congregação em sua cidade. José então escreve aos líderes do grupo, pedindo que abram um trabalho em sua cidade, pois ele quer muito frequentar um local com aquela visão das Escrituras.
Essas três histórias parecem muito diferentes, mas na realidade elas trazem uma semelhança bastante singular: A dependência emocional e espiritual de uma estrutura clerical. Estrutura essa que jamais foi encorajada, fundamentada, nem mesmo autorizada pela Bíblia.
Se juntos, querido leitor, compreendermos os erros existentes nessas três histórias, estaremos dando um grande passo para nos libertarmos desse engano, de modo a consolidarmos nossa fé em alicerces sólidos.
Esse é o último passo do processo de desintoxicação que se faz necessário para que possamos começar a viver a teshuvá. Encaro essa desintoxicação como o tirar o lixo do terreno, antes que possamos começar o plantio propriamente dito.
Encare, portanto, caro leitor, com alegria esse último passo, pois você está sendo liberto de um sistema extra-bíblico, e no lugar disso poderá construir um relacionamento sincero com o Messias Yeshua.
Neste passo, vamos tratar daquela que talvez é o vício mais terrível e mais difundido na atualidade: O vício pela estrutura clerical.
III - A “Casa do Senhor”
Avaliemos, portanto, cada história. Vamos compará-las à narrativa bíblica, para entendermos melhor o que precisa ser observado.
A primeira história que vamos avaliar é a de Fabiano. Fabiano se sente bem ao ir à “Casa do Senhor”, mas será que a Bíblia dá respaldo para chamarmos a um local de culto de “Casa do Senhor”?
  • III.1) O Tabernáculo
O termo “Casa do Senhor” só aparece nas Escrituras para se referir a três coisas. A primeira delas, o Tabernáculo - que em hebraico é chamado de Mishkan:
“As primícias dos primeiros frutos da tua terra trarás à Casa de YHWH teu Elohim.” (Shemot/Êxodo 23:19)
“E assim fazia ele de ano em ano. Sempre que Hanah subia à Casa de YHWH, a outra a irritava; por isso chorava, e não comia.” (Sh’muel Alef/1 Samuel 1:7)
A ideia do Tabernáculo era que YHWH acompanharia o povo onde quer que esse fosse. Por esta razão o Tabernáculo era móvel, e observa-se nas Escrituras que ele era desmontado e remontado sempre que o povo peregrinava, até seu estabelecimento na terra de Kena’an (Canaã).
Tabernáculo, portanto, representava a presença de YHWH em meio ao povo, acompanhando-o onde quer que esse fosse.
  • III.3) O Templo
A segunda coisa que é chamada de “Casa do Senhor” nas Escrituras é o Templo - ou, como é chamado nas Escrituras, o Heichal (santuário ou palácio):
“E Shlomo se aparentou com Faraó, rei do Egito; e tomou a filha de Faraó, e a trouxe à cidade de David, até que acabasse de edificar a sua casa, e a Casa de YHWH, e a muralha de Yerushalayim em redor.” (Melachim Alef/1 Reis 3:1)
“E sucedeu que, saindo os cohanim do santuário, uma nuvem encheu a Casa de YHWH.” (Melachim Alef/1 Reis 8:10)
O Templo foi desejo do rei David, realizado por Shlomo (Salomão), seu filho. Porém, quando David consultou a YHWH sobre a construção do Templo, observe qual é a primeira coisa que YHWH responde:
“Vai, e dize a David meu servo: Assim diz YHWH: Tu não me edificarás uma casa para eu morar; Porque em casa nenhuma morei, desde o dia em que fiz subir a Israel até ao dia de hoje; mas fui de tenda em tenda, e de tabernáculo em tabernáculo. Por todas as partes por onde andei com todo o Israel, porventura falei alguma palavra a algum dos juízes de Israel, a quem ordenei que apascentasse o meu povo, dizendo: Por que não me edificais uma casa de cedro?” (Divrei haYamim Alef/1 Crônicas 17:4-6)
Se o leitor continuar a ler o capítulo 17, verá que YHWH consente que o filho de David construísse a casa. Mas essa introdução nos mostra que o Templo foi muito mais um desejo de David que foi honrado por YHWH do que um desejo direto de YHWH.
Como Ele próprio deixa claro, Ele nunca ordenou que fosse construída a Ele uma casa de cedro, e sempre habitou em meio a onde o povo estivesse.
Isso, inclusive, é confirmado por Estêvão, quando em seu discurso perante os líderes de Israel, afirma:
"Shlomo, porém, edificou-lhe uma casa. Mas o Altíssimo não habita em casas feitas por mãos; como disse o profeta: O céu é o meu trono, E a terra o escabelo dos meus pés; Que casa me edificareis, diz YHWH, Ou qual é o lugar do meu repouso? Não fez, porventura, a minha mão todas estas coisas?" (Ma'assei HaSh'lichim/Atos 7:47-50)
Sha’ul (Paulo) diz algo semelhante:
“O Elohim que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Adon do céu e da terra, não habita em Heichal feito por mãos de homens.” (Ma’assei HaSh’lichim/Atos 17:24)
Com a destruição do Templo, todavia, aonde mais habitaria YHWH senão com o seu próprio povo, em meio ao exílio, e onde quer que estivessem?
  • III.4) Nos Tempos de Hoje
Yeshua nos fala sobre esse tempo, ao dar resposta à mulher samaritana. Porque os samaritanos afirmavam que a Casa de YHWH deveria estar sobre o monte Guerizim, em Yerushalayim (Jerusalém):
"Disse-lhe Yeshua: Mulher, crê-me que a hora vem, em que nem neste monte nem em Yerushalayim adorareis o Pai. Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação vem dos judeus. Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Elohim é Ruach, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade." (Yochanan/João 4:21-24)
Nisto podemos observar que, na realidade, a “Casa do Senhor” nada mais é do que a Sua presença no meio do povo, e não um edifício construído. Até porque, desde o momento da destruição do Heichal, não existe mais nenhum edifício que a Bíblia afirme ser a “Casa do Senhor”.
Esta constatação nos leva à terceira coisa que é chamada de “Casa do Senhor”, nas Escrituras - embora não diretamente, mas mesmo assim de forma bem clara: 
“Assim vós sois pedras vivas, edificadas como Heichal espiritual, sacerdócio santo oferecendo sacrifícios espirituais, recebidos perante Elohim pela mão de Yeshua HaMashiach.” (Kefa Alef/1 Pedro 2:5)
“Ou não sabeis que o vosso corpo é o Heichal da Ruach haKodesh, que habita em vós, proveniente de Elohim, e que não sois de vós mesmos?” (Curintayah Alef/1 Coríntios 6:19)
“Edificados sobre o fundamento dos emissários e dos profetas, de que Yeshua HaMashiach é a principal pedra da esquina; No qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para Heichal santo em YHWH. No qual também vós juntamente sois edificados para morada de Elohim na Ruach.” (Efessayah/Efésios 2:20-22)
Portanto, a “Casa do Senhor” não é um local específico de culto de uma congregação, e sim YHWH habitando em meio ao seu povo. Porque Yeshua afirmou:
"Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles." (Matitiyahu/Mateus 18:20)
É simples: Onde quer que nós nos reunamos em Nome do Messias Yeshua, Ele ali estará conosco.
Se alguém, caro leitor, lhe disser que recebeu revelação do Eterno para construir uma casa, ou local, pode descartar tal revelação sem medo de errar, pois o Eterno é o mesmo ontem, hoje e sempre. Ele não muda de opinião, nem de modo de pensar.
  • III.5) Os seguidores de Yeshua
Dito isto, vejamos inclusive como eram as coisas nos tempos dos seguidores de Yeshua:
"Como não me esquivei de vos anunciar coisa alguma que era proveitosa e de vo-la ensinar publicamente, e de casa em casa." (Ma'assei HaSh'lichim/Atos 20:20)
Pense agora, querido leitor, em como eram as coisas dois mil anos atrás: As casas eram muito mais precárias, e bem pequenas. A mobília era cara, pois eram todas feitas a mão, de forma rústica.
Não havia geladeira para servir aquele refrigerante refrescante, e frequentemente as pessoas se sentavam sobre o chão, ou contra a parede. Em ambientes bastante estreitos, e com iluminação por fogo - o que os tornava ambientes quentes no verão.
Nas casas, as pessoas não tinham sequer acesso às Escrituras. Se desejassem ler os Escritos da Palavra, tinham que se dirigir às sinagogas, ou copiar à mão trechos em pergaminhos caríssimos. Muita coisa era memorizada, por essa razão.
E mesmo assim, eles tinham a alegria de se reunirem nos lares. Compare agora isso com a dependência, caro leitor, mostrada por Fabiano na nossa história.
Perceba que o sentimento de Fabiano, que se conforta em ir à “Casa do Senhor”, é puramente emocional, sem qualquer base espiritual ou bíblica. É claro que se Fabiano for orar ao Eterno em sinceridade e temor, Ele o ouvirá onde quer que Fabiano estiver. Porém, Fabiano ainda está preso a laços de religiosidade, sem fundamento bíblico.
Alguns leitores podem pensar: Isso significa que YHWH não deseja que tenhamos um local de reunião? A resposta a isso é: Não é bem por aí o raciocínio.
  • III.6) O Local de Culto: Positivo, porém não indispensável
YHWH jamais proibiu às pessoas de se reunirem em um determinado local ou que, juntos, optassem por edificar um local para as reuniões.
Pelo contrário, na sua carta, Ya’akov haTsadik (Tiago, o Justo) no verso 2:2 fala da “vossa sinagoga”. O termo aramaico que aparece para isso é “knuwshtekuwn”, que vem de “knuwshta”, que basicamente é o termo aramaico para o que em hebraico chamamos de “knesset” - um termo utilizado para se referir a uma sinagoga. Pois, “sinagoga” é o termo grego.
Se você, caro leitor, tem acesso a um local de reunião, isso é ótimo. Afinal, a estrutura física ajuda muito. Mas isso não pode ser considerado indispensável para uma vida de um seguidor de Yeshua.
A questão é apenas compreendermos que o local de culto não tem a função de ser “Casa do Senhor”, e sim apenas de abrigar a “Casa do Senhor”, que somos nós, seguidores de Yeshua, que podemos nos reunir em qualquer lugar.
Muitas congregações oferecem estruturas belíssimas, música ambiente, ar condicionado, cadeiras confortáveis, lindos vitrais, tetos bem altos, que acabam conferindo ao lugar uma aura de sacralidade.
É preciso compreendermos que esse efeito é emocional, e que YHWH não habita em construções humanas, e sim em meio ao Seu povo, esteja ele num local como esse, ou mesmo em meio ao deserto.
(continua...)
IV - A ordem de Yeshua que mais é ignorada
para ver estudo completo visite:  www.torahviva.org



sábado, 26 de maio de 2012

CICLO TRIENAL LE YELADIM - 61 (ESPECIAL - MEGUILAT/HISTÓRIA DE RUTH)

Shalom, Yeladim ...
Estamos nos aproximando de Shavuot (Festa das Primícias / Pentecostes), portanto, uma ótima oportunidade para aprendermos um pouquinho da História de Rut, a moabita que, por fazer a melhor melhor escolha, foi privilegiada em fazer parte do Povo de HaShem! 
Chag Shavuot Sameach!
                           
"A HISTÓRIA DE RUT"
Rute é um livro que leva o nome de seu personagem principal"
Na Bíblia está situado entre Shoftim/Juízes e Sh'muel/Samuel e inicia com a frase: "Nos dias em que julgavam os juízes", indicando a época em que ocorre esse relato.

Nessa ocasião, O Eterno mandou nomearem Juízes  para ajudarem na condução do povo (2a. Samuel 7:11) pois, depois que os Israelitas estavam passando por declínio espiritual generalizado, relaxando na observância das Mitzvot / Mandamentos. 

Desde que houvesse um juiz, o povo servia a YHWH, caso contrário, logo seguiam após os deuses de outras nações. 
O povo de Israel não possuía um rei, como as outras nações, pois, HaShem mesmo queria reinar sobre o povo, de forma que os advertiu, dizendo que "se eles O abandonassem e fossem após outros deuses, Ele fecharia as janelas dos céus". (Deuteronômio 6:3; 8:9; 11:11,12). 
Infelizmente, foi exatamente o que acabou ocorrendo! Apesar de virem tantos sinais e maravilhas da parte de YHWH ao serem tirados do Egito, ao se estabelecerem em Kena'an/Canaã, o coração do povo começou a esfriar. Com o esfriamento espiritual, veio também a privação, pois, não houve chuva, como YHWH os havia prevenido. Não tendo chuva, os campos não germinaram, não houve o que colher e a fome se espalhou por toda parte.
O que ocorreu a seguir não estava nos propósitos de HaShem. Em meio a esse contexto, Elimelech/Elimeleque, de Belém da Judéia (ou Efrata), decidiu partir de sua terra natal com a esposa Noemi e seus os seus dois filhos. 
Será que YHWH, mesmo enviando fome àquela terra, não protegeria aqueles que confiassem nEle? 
Veja que interessante: o significado do nome Belém (Beit Lechem) é "Casa do pão"; Judá (Yehudah) significa "Louvor" ou "Ele será louvado"; Efratah "Lugar de fertilidade"; Elimeleque (Elimelech) "Meu Elohim é rei"; Noemi (Naomi) "Minha amada" ou "Meu prazer". 
Seria coincidência?! 
Certamente que não! Os planos de HaShem são sempre maravilhosos para Seus filhos, todavia, ele não os obriga a nada ... deixa-os escolher e é claro, nem sempre fazemos as melhores escolhas, certo? 
Foi assim que aquela família foi para Moav/Moabe - uma terra estranha, em meio a um povo considerado inimigo.
Algum tempo depois, Elimelech morre e acaba deixando Naomi com seus dois filhos Machlon e Kilyion que se casaram com duas moabitas, Orpah e Rut.
Alguns anos mais tarde, também os dois filhos de Elimelech morreram, deixando desamparada Naomi, juntamente com suas duas noras.
Tendo ficado sabendo que YHWH havia se compadecido do Seu povo e o abençoara com fartura de pão, Naomi resolveu voltar à sua terra levando consigo Orpah e Rut. Porém, a certa altura do caminho, aconselhou-as a voltarem para junto de seus familiares.
Orpah reluta, mas, concorda em retornar à casa de seus pais, porém, Rut decide ficar com Naomi, dizendo: "aonde quer que você for eu irei; e onde quer que ficar também eu ficarei; o teu povo será o meu povo, o teu Elohim será o meu Elohim"
Vendo Naomi que Rut estava decidida a ir com ela, partiram para Belém da Judéia, chegando já no início da colheita da cevada.
Indo ao campos colher espigas, certo dia,Rut conheceu Boaz, parente de Elimelech, que a permitiu que ela trabalhasse em seu campo.
Naomi já estava com idade avançada e preocupada em deixar Rut desamparada, aconselhou a se aproximar de Boaz. 
O livro de Rute nos conta uma maravilhosa história de amor e dedicação, que termina com o casamento de Rut e Boaz, um próspero israelita. 
Rut e Boaz tiveram um filho chamado Oved (Obede), que foi pai de Yishai (Jesse). O filho mais novo de Yishai foi David, ungido (separado) por YHWH e amado rei de Israel.  
A obediência leva Rut a fazer a escolha certa! Seu amor por Nahomi/Noemi e o desejo de servir a YHWH fizeram com que ela fosse "privilegiada" em fazer parte da linhagem do Povo de Israel e ter como bisneto, um jovem sincero amado por Elohim -  David Melech!

Atividade:
(pintar, recortar e dobrar)
LIVRO ILUSTRADO PARA MENORES DE 6 ANOS
baixar PDF: http://www.bibleforchildren.org/PDFs/portuguese/Ruth%20A%20Love%20Story%20Portuguese.pdf

sexta-feira, 25 de maio de 2012

"ARQUEÓLOGOS ENCONTRAM INDÍCIOS DE QUE BELÉM EXISTIU ANTES DE YESHUA"


23/05/2012 10h06 - Atualizado em 23/05/2012 10h06
fonte:  http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2012/05/arqueologos-acham-indicio-de-que-belem-existia-antes-de-jesus-nascer.html

Arqueólogos acham indício de que Belém existia antes de Jesus nascer

Cidade é citada no Velho Testamento, mas não havia evidência física. Segundo pesquisadores, local ficava no Reino de Judá.

Selo de argila cita Belém antes do nascimento de Cristo (Foto: Reuters/Baz Ratner)Selo de argila cita Belém antes do nascimento de
Cristo (Foto: Reuters/Baz Ratner)

Arqueólogos israelenses afirmaram nesta quarta-feira (23) que descobriram a primeira evidência física que suporta os relatos do Velho Testamento de que a cidade de Belém já existia séculos antes de se tornar venerada como a terra natal de Jesus Cristo.
A evidência encontrada é um selo de argila escavado perto dos muros da Cidade Velha de Jerusalém, com três linhas gravadas em hebraico antigo que incluem a palavra “Belém”.
“A primeira vez que o nome Belém aparece fora da Bíblia é em uma inscrição do período do Primeiro Templo”, disse Shukron em nota, se referindo a um período que vai de 1006 a.C. até 586 a.C..
Eli Shukron, que dirigiu a escavação feita pela Autoridade de Antiguidades de Israel, disse que o selo aparentemente foi colocado em um carregamento de prata ou produtos agrícolas, entregue por Belém como um tributo ao rei de Judá, nos arredores de Israel, entre os séculos 8 e 7 antes de Cristo.
A relíquia do tamanho de uma moeda aponta que Belém – mencionada pela primeira vez no Livro de Gênesis – “era, de fato, uma cidade no Reino de Judá, e possivelmente mais antiga
que isso”, ele afirmou.
Belém se localiza ao sul de Jerusalém, no atual território da Cisjordânia.
O arqueólogo israelense Eli Shukron mostra o tamanho do selo encontrado (Foto: Reuters/Baz Ratner)O arqueólogo israelense Eli Shukron mostra o tamanho do selo encontrado (Foto: Reuters/Baz Ratner)