segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

PURIM: HISTÓRIA DE ESTER - A RAINHA QUE SALVOU O SEU POVO

Shalom, chaverim!

Estamos nos aproximando de Purim, uma época especial para relembrarmos os feitos de Hadassa (nome hebraico de Ester), a jovem que se tornou rainha e arriscou sua vida para livrar da morte o nosso povo, os israelitas.

Apesar de não ser um mandamento bíblico, essa festividade marca um dos eventos mais alegres entre o povo de Israel!

"E que estes dias seriam lembrados e guardados em cada geração, família, província e cidade, e que esses dias de Purim não fossem revogados entre os israelitas, e que a memória deles nunca teria fim entre os de sua descendência". (Ester 9:28)

Portanto, vamos aproveitar a oportunidade para ler o livro de Ester  e contar a historia pra todas as crianças?!

A HISTÓRIA DE ESTER E A LEMBRANÇA DE PURIM
(Ester 1 a 10)
Há muitos e muitos anos, num reino chamado Pérsia, havia um rei muito poderoso chamado Achasverosh/Assuero. Sua esposa, a rainha Vashti, era a mulher mais bela de todo o reino. No terceiro ano de seu reinado, o rei convidou os príncipes de todas as províncias para lhes mostrar toda riqueza e beleza do seu reino.
Terminado esse tempo, o rei decidiu convidar todo o povo de Shushan, capital do reino, para participar durante uma semana de uma grande festividade nos jardins do palácio.
Em separado, a rainha Vashti reunia as esposas de todos os hóspedes do rei também para grandes festas no palácio.
No sétimo dia, como ponto máximo das celebrações, o rei mandou chamar a rainha, para exaltar sua beleza perante todos os convidados. Ao ser chamada pelo rei a rainha Vashti firmemente respondeu: Digam ao rei que não posso aceitar".
Quando os eunucos transmitiram a recusa da rainha, Achasverosh/Assuero sentiu-se desrespeitado e humilhado perante o povo, afinal, ser chamado a estar na presença do rei, era considerado uma alta honraria.
Despedidos os convidados, consultou aos seus ministros sobre "que atitude deveria tomar contra a rebelde Vashti". A resposta foi unânime:"tirar-lhe a coroa e buscar no reino uma nova esposa, afinal, se as outras mulheres seguissem o seu exemplo, desobedecendo aos seus maridos seria uma vergonha, porque cada homem deve ser o senhor na sua casa".
Que difícil decisão, pois o rei amava muito Vashti. Por fim, a rainha foi banida para muito longe do reino. Seus ministros, preocupados com sua solidão insistiram: "oh! rei Achasverosh, já é tempo de eleger uma nova rainha". Certamente, uma mulher tão bela quanto Vashti alegraria seu coração!
Foram, então, postos editais em todas as províncias, convocando as moças do reino para que o rei escolhesse a substituta de Vashti.
Havia em Shushan um homem chamado Mordechai/Mordecai, vindo de Yerushalayim/Jerusalém. Ele criara como filha uma parente órfã de pai e mãe chamada Hadassa (Esther). Era uma jovem belíssima.
Ao saber do edital, Mordechai, decidiu esconder Ester crendo que moça alguma do reino poderia superar sua beleza. Comunicou a ela sua decisão, recomendando: "Hadassa, se você for escolhida não diga que é israelita". Esther prometeu obedecer, porque o tinha como um pai. Sua esperança era que o rei escolhesse outra moça entre as centenas que lhe fossem apresentadas. Mas o tempo passava sem que Achasverosh coroasse a nova rainha. Era como se a beleza de Vashti apagasse a beleza de todas as candidatas; nenhuma lhe agradava. Até que chegou a vez de Esther e o rei ficou impressionado com sua formosura e apressou-se em escolhê-la. Passaram-se sete anos desde a deposição de Vashti, quando Esther ocupou o trono como rainha da Pérsia.
Mordechai passava todos dias no páteo das mulheres para ter notícias da sua filha adotiva, a rainha Esther.
Foi numa desses dias que ouviu dois eunucos conversando sobre uma conspiração contra o rei. Imediatamente mandou comunicar a Esther. Ela tomou as providências devidas e foram punidos aqueles que tramavam derrubar Achasverosh. Essa atitude de Mordechai foi anotada nas "Crônicas Diárias do reino".
Nesse tempo, a pessoa mais importante no reino, depois do rei, era Haman, que gozava de algumas regalias, recebendo honrarias, entre elas, que por lei todo indivíduo se curvasse e se prostrasse diante dele. A lei era rigorosamente cumprida por todos, exceto por Mordechai que acreditava que somente ao Eterno deveria se prostrar . Ao notar o desdém de Mordechai, Haman encheu-se de ódio, não somente contra ele, mas contra todo o seu povo.
Denunciou os judeus a Achasverosh, acusando-os de terem costumes estranhos e não obedecerem as leis do rei e aconselhou-o a exterminá-los.
Com isso convenceu o rei a fazer um decreto a todas as províncias do reino, que todos os israelitas, adultos e crianças, fossem executados em um só dia.
Ao ouvir a notícia da tragédia, Mordechai correu para Esther, mandando que ela fosse suplicar ao rei piedade para o seu povo. Era uma ordem difícil de ser cumprida, porque ninguém podia entrar na presença do rei sem ser por ele convocado; quem tivesse essa ousadia seria morto. Mas Mordechai insistiu: "Hadassa, você precisa ir; não pense que escapará ao massacre que ameaça todos os israelitas".
Esther criou coragem. Convocou seu povo, com a ajuda de Mordechai, pedindo a todos que jejuassem e orassem para ajudá-la nessa difícil tarefa. A seguir, vestiu os roupas reais e postou-se no pátio em frente ao salão real. Se o rei estendesse o cetro, ela teria permissão; se ele não estendesse o cetro ela seria punida pela desobediência.
Vendo-a, Achasverosh sorriu e levantou o cetro como sinal de sua aprovação. Pediu que ela se aproximasse e perguntou-lhe, ternamente: "O que queres, rainha Esther? Pede-me! Até metade do reino te darei". Então Esther respondeu que apenas vinha convidá-lo para um jantar em que Haman também comparecesse. O rei aceitou, surpreso por tão simples petição.
Ao recebee o convite, Haman envaideceu-se; "era tão importante que até a rainha o distinguia, convidando-o junto com o rei". "Mas", disse Haman à sua esposa e aos filhos, "nada disso me satisfaz enquanto vir Mordechai à porta do palácio". "Mande enforcá-lo", responderam. Esse é o meu desejo, replicou Haman; não só Mordechai; mas todo o seu povo muito em breve deixarão de existir.
Aconteceu que, nessa mesma noite, o rei ficou com insônia e pediu que lessem para ele as "Crônicas Diárias" onde era anotado tudo o que acontecia no palácio. Ao ouvir o caso da conspiração tramada contra ele e de como Mordechai o salvara, quis saber que recompensa tinham dado àquele homem. "Nenhuma", responderam!
Nesse momento chegou Haman e o rei consultou-o: "Que se fará ao homem por quem o rei tiver gratidão?" Pensando que esse homem seria ele, Haman propôs: "Que esse homem vista o traje real, use uma coroa, monte o cavalo do rei e seja levado pelas ruas, apregoando-se: Assim se faz ao homem de quem o rei está grato".
"Então", disse Achasverosh, "apressa-te, veste Mordechai e leva-o pelas ruas, como disseste". E Haman teve que cumprir as ordens do rei. Mas terminado o passeio pela cidade, voltou para casa furioso e contou à família a humilhação que havia passado. "Como devo vingar-me?" perguntou à esposa. E ela respondeu: "Se Mordechai, perante quem já começaste a cair, é da semente dos israelitas, não vencerás, mas certamente cairás perante ele".
No dia seguinte, quando se realizava o banquete de Esther, com a presença do rei e de Haman, Achasverosh perguntou novamente: "Qual é a tua petição, rainha Esther? E qual o teu requerimento? Até metade do reino te será dado".
Esther levantou-se e disse: "Peço a minha vida e a do meu povo. Porque eu e meu povo seremos exterminados".
O rei também levantou-se indignado: "E onde está aquele cujo coração o permitiu tal crueldade?" Respondeu Esther: "O homem, o inimigo, o opressor é Haman".
(Desenho para pintar)
Surpreso e chocado por essa revelação contra o homem que ele mais admirava, Achasveroch retirou-se para o jardim. Então Haman atirou-se aos pés de Esther pedindo misericórdia. Voltando o rei do jardim, deparou-se com Haman ajoelhado diante de Esther e gritou-lhe: "O que fazes? Porventura também queres forçar a rainha na minha própria casa? Guardas! Prendam este homem!"
Nesse mesmo dia, Haman foi enforcado na forca que havia preparado para mordechai e, a pedido de Esther, o rei revogou a lei que decretava a morte de todos os jisraelitas. A seguir, mandou chamar Mordechai. Deu-lhe o anel (que representava autoridade) retirado de Haman e colocou-o na posição que seu inimigo ocupara. Mordechai saiu do palácio usando um majestoso manto e levando, na cabeça, uma coroa de ouro.
Seu primeiro ato como ministro foi decretar que os israelitas preservassem, para sempre, como memorial, o dia 14 do "décimo segundo mês bíblico", dia esse em que a tristeza se transformou em alegria. Que os celebrassem com banquetes, troca de presentes entre a família e amigos, e tsedakah (donativos) aos necessitados. E como esse dia foi marcado pela mudança de sorte dos israelitas, foi chamado de Purim, plural de"pur (sorte, em hebraico).
oooOOOooo

Nenhum comentário:

Postar um comentário