domingo, 27 de novembro de 2011

OITO SENTIDOS DADOS AO TERMO "PALAVRA" EM TEHILIM/SALMOS 119

Shalom, chaverim/amigos,
Certamente, um dos maiores problemas encontrados na Bíblia são algumas palavras que, ao serem traduzidas, acabaram sendo deturpadas ou perdendo a sua essência. 
Abaixo, transcrevo parte de um texto sobre o sentido dado à "PALAVRA" em Tehilim/Salmos 119. Esse Tehilim (que deveríamos conhecer de cor) fala da Torah, a Palavra do Eterno, dada como "Manual de Instrução" aos Seus filhos e que se fez viva e verdadeira através da vinda do Mashiach.
(imagem para fins ilustrativos)
"Tehilim/Salmos 119 é geralmente lembrado por ser o capítulo mais longo da Bíblia e, também, por referir-se quase que exclusivamente à importância da Palavra de 'Elohim' para a vida (...). Confesso que, a exemplo de muitos irmãos, nunca havia me aventurado a meditar mais detidamente sobre o Salmo 119, já que as poucas vezes que o li, o fiz mais por obrigação do que por prazer. 

Entretanto, mergulhar no Salmo 119 é um ótimo e prazeroso exercício (...), buscando entender melhor o que ele ensina. Embora, por si só, o Salmo 119 sirva para inspirar um livro inteiro em 2 ou 3 volumes, alguns versículos merecem ser brevemente destacados. A estrutura do Salmo 119 é bem conhecida. 

É um salmo composto de 22 estrofes, uma para cada letra do alfabeto hebraico, de 'Alef a Tav', que corresponderia a de 'A a Z' no alfabeto ocidental, ou seja, é um poema em acróstico com as 22 letras do alfabeto hebraico compostas em estrofes. Cada estrofe é composta de 8 versos, que, no original hebraico, começam com a mesma letra a que se refere a estrofe. 

Oito também são os sinônimos em hebraico para as palavras que se referem à Palavra de 'Elohim', geralmente traduzidas em português por:

1) lei - תּורה - torah ;
2) testemunhos - עדוּת - edut ;
3) preceitos - פּקּוּד - pikud ;
4) estatutos - חקּה - chukah ;
5) mandamentos - מצוה - mitsvah ;
6) juízos - משׁפּט - mishpat ;
7) palavra - דּבר - dabar ;
8) ordenanças - מנּי - miney.

Importante esclarecer que há 19 ocasiões em que o termo hebraico traduzido por 'palavra' é אמרה - 'imrah'  que, embora seja sinônimo também de 'lei, pacto, tratado' tem nesse casos o sentido de 'promessa', como num dos versículos mais conhecidos do Salmo, o verso 11 'Escondi a tua palavra no meu coração, para não pecar contra ti'. Repare no contraste até certo ponto inusitado: não é exatamente a 'palavra' de 'Elohim' como 'lei', 'mandamento' que devemos esconder no coração para não pecar contra Ele, mas a Sua 'promessa'! Os outros versículos em que 'lei' como 'promessa' aparece são os vv. 38, 41, 50, 58, 67, 76, 82, 103, 116, 123, 133, 140, 148, 154, 158, 162, 170 e 172. 

Interessante também observar que, mesmo 'transcrevendo' para o grego, mais tarde Paulo (Sha'ul) manterá essa estreita ligação entre 'lei' e 'promessa', mais especificamente em Efésios 6:2 - 'Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com 'promessa'

Somente dois versículos (122 e 132) não contêm um desses termos sinônimos, nem se referem explicitamente à Palavra de 'Elohim'. Ao que parece, o escritor do Salmo, divinamente inspirado, quis compor um hino à beleza e à perfeição, procurando abranger num único poema a totalidade dos atributos da Palavra de 'Elohim'. Outra razão possível para essa estrutura peculiar e repetitiva é o fato de se poder ensinar a importância da Palavra aos jovens e às crianças, que teriam uma maneira mais fácil de aprender e memorizar o Salmo, pelo menos em partes, já que cada estrofe utiliza pelo menos 6 desses sinônimos e contém em si mesma um resumo de tudo o que o salmista quer dizer. 

A autoria do Tehilim/Salmo 119 é desconhecida (), embora alguns estudiosos a atribuam a Esdras (). Aqueles que atribuem a Esdras o Salmo 119 filiam-se à corrente de estudiosos que identifica indícios de sua composição após o exílio babilônico (). Esses indícios seriam as referências aos 'poderosos' do verso 23, ao falar "diante de reis" do verso 46, de ter o Senhor como 'herança' no verso 57, e de ser perseguido por 'governantes' no verso 161. De fato, existe uma considerável probabilidade de que os eventos que se sucederam ao retorno do exílio babilônico tenham motivado Esdras, Neemias e os Levitas/Levi'im a comporem o Salmo que prega exatamente a fidelidade à Lei de 'Elohim' e o arrependimento pelo fato do povo ter dela se desviado

Quando o capítulo 9 de Neemias narra a confissão coletiva do povo de Israel, termina com 'um firme concerto e o escrevemos; e selaram-no os nossos príncipes, os nossos levitas e os nossos sacerdotes' (verso 38). O capítulo 10 enumera as famílias dos que firmaram este pacto, que, segundo o verso 29, 'firmemente aderiram a seus irmãos, os mais nobres de entre eles, e convieram num anátema e num juramento, de que andariam na Lei de 'Elohim', que foi dada pelo ministério de Moisés, servo de 'Elohim'; e de que guardariam e cumpririam todos os mandamentos do SENHOR, nosso 'Adon', e os seus juízos e os seus estatutos, atitude corroborada pelo verso 106 do Salmo 119, em que o salmista proclama: 'Jurei e cumprirei que hei de guardar os teus justos juízos'

Repare que somente em Neemias 10:29 aparecem quatro termos diretamente associados à Palavra de 'Elohim': 'Lei', 'mandamentos', 'juízos' e 'estatutos'. Se já era típico do povo hebreu a repetição de termos para fixá-los ainda mais, este comportamento foi ainda reforçado após o retorno do exílio. 

Como Neemias 9:38 expressamente narra, aquele pacto foi 'escrito'. Logo, dada a sua forma única e, por assim dizer, extravagante de composição, o que lhe dá lugar de destaque no Saltério, supõe-se também que o Salmo 119 tenha sido - talvez - o único a ter sido originalmente composto por escrito, para depois ser lido ou recitado, cerimonialmente, enquanto os outros eram geralmente compostos inicialmente de forma verbal ou cantada, por serem obviamente mais simples e fáceis de memorizar. 

O texto-base para este estudo é a versão Almeida Revista e Corrigida, intercalado com outras versões ()."
................
Tehilim/Salmos 119 verso 9 diz que a melhor (ou única) maneira do jovem purificar o seu caminho é alinhando-o à Palavra de “Elohim”. E não só o jovem, mas todo aquele que busca uma vida alinhada à Palavra de "YHWH" deve observar Suas Mitzvot/Mandamentos, tendo-as como regra de vida e prática.
"Escondi a Tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra Ti". (Tehilim/Salmos 119:11)
Se, hoje, ficássemos impedidos de estudar as Escrituras Sagradas, como o povo de Israel ficou, durante os vários períodos de perseguições, exílios, inquisições por que passaram, a "Palavra" de YHWH estaria em nossas bocas?  Se inquiridos sobre os mandamentos do Eterno, lembraríamos pelo menos do IV?  Se questionados sobre a nossa fé, teríamos nos lábios como Yeshua/Jesus, em Marcos 12:28 a 34: "Shemá Israel Adonai Eloheinu Adonai Echad./Ouve, Israel, o Senhor nosso Elohim é o único Senhor.
Nunca é tarde para revermos nossos conceitos!
Os sinais estão  aí ...
Shavuah Tóv!
(nota): os nomes pagãos do texto foram substituídos. 
fonte:  www.e-cristianismo.com.br (parcial)

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

CICLO TRIENAL - SEDRAH 37 (Semana de 20 a 26 de novembro)

Torah: Bereshit/Gênesis 41:37 a 42:24
Tema: Yossef/José é Exaltado; Início da Fome na Terra; Yossef e seus Irmãos
Haftarah: Melachim Alef/1 Reis 3 e 10; Yiov/Jó 28 e 32
Tema(s): A sabedoria de Sh'lomo; A Rainha de Sheva; A sabedoria de Eliahu
Shirim u’Chochmah: Tehilim/Salmos 37; Cohelet/Eclesiastes 6
Tema(s): O destino do Justo e do Iniquo; O Proveito do Homem (II)
PERGUNTAS

Em Bereshit/Gênesis 41:45, Yossef/José se casa com Atsenat/Asenate, filha de Potifar, sacerdote de Om. Que relação você vê entre o casamento de Yossef e o Mashiach Yeshua e o que isso representa para nós, hoje?

Melachim Alef/1 Reis 3 fala sobre o início do reinado do Sh'lomo Melech/Rei Salomão; de  sua fidelidade a HaShem e recompensa.  A que se resume o capítulo 10 e que lições podemos tirar para nossas vidas?

 Qual a mensagem inserida no capítulo 28 de Yiov?

Ya'akov haTsadik/Thiago 3:12 a 17. Discorra sobre esse texto e dê suporte à sua argumentação através de outras passagens ou exemplos bíblicos.

5 Qual a relação entre Tehilim/Salmos 37 e Melachim Alef/1 Reis 3:7 a 14 (pedido de Sh'lomo/Salomão e resposta de HaShem)?

6  Que ensinamentos você pode extrair da Sedrah desta semana?
Bom estudo e Lehitraot!

O QUE FAZER PARA O SHABAT (2) - LASAGNA e SORVETE CASEIRO

Shalom, chaverim!
Esta semana estive pensando no que fazer para o Shabat e uma receita muito prática e que pode ser feita com a devida antecedência é a Lasagna, com a opção de ser servida tanto quente como fria, sem perder o sabor.
O sorvete é receita de uma amiga e fica maravilhoso.
Espero que apreciem.
Shabat Shalom umevorach!

LASAGNA DE PEITO DE PERU ou FRANGO
Ingredientes:
  • 3/4 de litro de leite (light)
  • 2 colheres de sopa de farinha de trigo
  • 200ml de creme de leite desnatado (se quiser um prato mais light)
  • 2 colheres de sopa de margarina
  • 2 colheres de chá de sal
  • 1 pitada de pimenta-do-reino
  • 500g de massa para lasanha pré-cozida
  • 1 e 1/2 xícara de chá de molho de tomate
  • orégano ou manjericão a gosto
  • queijo parmesão ralado a gosto
  • 250g de queijo mussarela fatiado
  • 200g de peito de perú defumado (*) ou frango desfiado
Modo de preparo:
  1. Misture o leite, a farinha de trigo, o creme de leite, a margarina, o sal e a pimenta
  2. Em seguida, em um refratário untado, disponha uma porção do creme obtido, cubra com a massa para lasanha e regue com parte do molho de tomate
  3. Polvilhe o orégano e o queijo ralado e faça uma camada de mussarela
  4. Depois, regue um pouco de molho branco por cima, cubra com fatias de peito de peru ou frango e despeje mais uma porção de molho de tomate
  5. Repita o processo até acabar os ingredientes, sendo a última camada de mussarela coberta com molho e queijo parmesão ralado
  6. Para finalizar, despeje o restante do creme por cima e mantenha a lasanha na geladeira por, no mínimo, 12 horas
  7. Antes de servir, leve a lasanha ao forno pré-aquecido em temperatura média até aquecer. 
Acompanhamento:  Sirva com salada verde (alface, agrião, rúcula) e cebola bem fininha.


Sobremesa: Sorvete Caseiro


(*) Lembrete de nosso colaborador: A maioria das marcas existentes no mercado têm corante carmim de cochonilha (inseto). Todavia, existe no mercado o peito de perú defumado (Sadia), fácil de encontrar nessa época do ano e SEM O CORANTE CARMIM DE COCHONILHA (inseto).  Outra dica: ler "sempre" os ingredientes, pois costumam mudar e, em caso de dúvida, acessar o SAC do fornecedor (neste caso: 0800 7028800). 


SORVETE CASEIRO DE LIMÃO (MARA)
Ingredientes:
  • 1 litro de leite
  • 2 colheres de amido de milho (Maizena)
  • 3 copos de açúcar 
  • 1 colher (café) de liga neutra (para sorvete)
  • 1 colher (sobremesa) de emulsificante
  • 1 copo de suco de limão ( cerca de 6 limões grandes )
Preparo:
  • Leve todos os ingredientes ao fogo, mexendo sempre.
  • Depois de engrossar, deixar esfriar.
  • Bater no liquidificador com 1 colher de liga neutra.
  • Levar ao congelador até começar a endurecer.
  • Retirar e levar à geladeira com 1 colher (sobremesa) de emulsificante e o copo de suco de limão coado.
  • Bater por cerca de 15' até adquirir consistência.
Bet'avon!

terça-feira, 15 de novembro de 2011

CICLO TRIENAL - SEDRAH 36 (Semana de 13 a 19 de novembro)


Torah: Bereshit/Gênesis 41:1-36
Tema: Yossef/José e os Sonhos de Parot/Faraó
Haftarah: Dany'El/Daniel 7 e 8 
Tema(s): As Feras e o Filho do Homem; O Carneiro e o Bode
Shirim u’Chochmah: Tehilim/Salmos 36; Cohelet/Eclesiastes 5
Tema(s): O Iníquo e a Justiça; O Agir dos Insensatos (II); O Proveito do Homem (I)

PERGUNTAS

1  Em Bereshit/Gênesis 41:1-40, Yossef/José é trazido da prisão para interpretar o sonho de Parot/Faraó. Por quê Faraó rejeita a interpretação dada pelos seus sábios e aceita a de Yossef? 

2  A que "fonte de vida" Tehilim/Salmos 36:10 faz referência? (Dica: Kochelet/Provérbios 13:14/Eclesiástico 1:1). Discorra a respeito.

3  Que ensinamentos você pode extrair da Sedrah desta semana?
Bom estudo e Lehitraot!

PORQUE O HEBRAICO É CHAMADO DE LASHON HAKODESH/LINGUA SAGRADA

O Hebraico é uma língua semítica e faz parte do grupo chamado afro-asiático.
É chamado de língua sagrada ou Lashon HaKodesh por ser a língua na qual a Bíblia (sobretudo a Torah e o Tanach) foi escrita originalmente e a língua com a qual o Eterno se comunicou com o Seu povo e porque durante muito tempo esteve restrita apenas aos serviços religiosos.
Depois de 19 séculos de Galut/Diáspora e após ser considerado praticamente extinto, o Hebraico foi resgatado, recuperou sua importância e tornou-se o idioma oficial do Estado de Israel.

Não há língua semelhante ao hebraico!  Por ter um alfabeto alfanumérico proporciona diferentes níveis de entendimento da Torah/Bíblia (histórico, literal, espiritual) ao se utilizar da "guemátria" (método hermêutico de análise das palavras em hebraico, de acordo com o valor numérico de cada letra) para dar compreensão às diversas passagens que aparecem de forma simbólica e/ou enigmática na mesma.
Algumas palavras na língua portuguesa tiveram influência do hebraico.  Azeite, por exemplo, que vem da palavra "hazait" (azeite), "amén" (amém), bacuri (b'kurim), entre outras.
Mas, nem sempre o hebraico teve a forma que conhecemos hoje; suas letras ou signos representavam seus significados. Por exemplo, o "alef" se parecia com a cabeça de um touro.  O "beit" representava uma casa/tenda; o "hey" um homem com os braços elevados; o "ayin" um olho; o "Kaf" uma mão aberta; e assim por diante. (Vide tabela ao lado).
Não é à toa que nas últimas décadas o Hebraico tem despertado tanto interesse por parte de  comunidades do mundo todo, e não apenas por teólogos ou filólogos como haveria de se esperar, mas por judeus que perderam o contato com a língua, por estudiosos cristãos, por leigos e estudantes da Bíblia e, principalmente, por aqueles que estão em teshuvah (retornando aos princípios bíblicos da fé).
O motivo?  No caso deste último grupo (no qual nos inserimos), o desejo de dissiparmos os sofismas, desenvolvendo estudo gradativo do Hebraico com a finalidade de estarmos capacitados a estudar as Escrituras - Torah/Tanach na sua essência.
Arthur Schopenhauer (1788-1860), um dos mais importantes filósofos alemães traz em seu livro "A Arte de Escrever" algumas reflexões importantes aos interessados na tradução e em línguas estrangeiras. "Para o filósofo, os livros não deveriam ser traduzidos, e sim lidos em seu idioma original. O argumento tem muita lógica se pensarmos que, na prática, é inviável fazer a tradução exata das idéias a partir das palavras de diferentes idiomas. As palavras de cada língua possuem um significado que está muito além da semântica e do contexto sintático, e adquire o aspecto cultural, segundo o qual cada signo traz a reboque todo o conjunto de significados atribuídos a ele ao longo das interações sociais. Além disso, cada tradutor tem um esquema mental interlinguístico diferente do outro, o que torna a idéia do autor condicionada às idéias do tradutor. O ideal é sermos poliglotas, a exemplo de Schopenhauer, e procurarmos compreender cada um desses significados e, com isso, chegar o mais próximo possível à idéia original do autor."
Tudo o que posso dizer é que, depois de lermos a Bíblia na língua original, os textos sagrados certamente passam a ser vistos sob um novo olhar e ganham um novo nível entendimento e interpretação,  prático e espiritual.
Shavuá Tóv!

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

HEBRAICO PARA CRIANÇAS (4) "CONHECENDO O ALEF BEIT"

Shalom, chaverim (amigos)
Estamos terminando o Alef Beit!

Mas, antes de conhecermos as últimas letrinhas, vamos recordar aquelas que aprendemos nas semanas anteriores.

Alef   (1)    Beit/Veit   (2)    Guimel   (3)     Dalet   (4)     
Hey   (5)     Vav  (6)     Zayin (7)     Chet (8)    Tet   (9)    
Yod  (10)    Kaf/Chaf  (20)     Lamed   (30)     Mem    (40)     
Nun  (50)    Samech  (60)    Ayin  (70)   

Muito bem! Agora que já relembramos as letrinhas aprendidas vamos conhecer a última série:
Olá, amigos! Eu sou o "Fei"  e tenho o som da letra "F", como em "feira, fita, etc", na língua portuguesa.
Quando recebo um pontinho no centro, sou chamado de "Pei" e tenho o som do "P", como em "pedra ou povo".  
Ao final das palavras eu ganho uma nova forma (que veremos mais adiante, nas próximas aulas).
Cada letra hebraica representa um números e eu sou o 80.


Agora, vamos repetir?  Fei (Fei) / Pei (Pei).


Meu nome é "Tsadi"  e tenho o som de "TZ".  No português não existe uma letra com som semelhante, mas, muitas vezes sou transliterada (reproduzida) como se fosse um "Z ou S".

Como numeral, represento o 90.

Repita comigo:  Tsadi (Tsádi)



Eu sou o "Kof"  e na lingua portuguesa tenho o som do "Q ou K", como em "queijo"ou em "quilometro, quilo".

Sou também o número 100.

Vamos repetir o meu som?  Kof (Kôf)




Eu sou o "Reish"      e tenho o som do "R" em inglês, como na palavra "red, rose, room". 
Mas, lembre-se, no português tenho o som do "R" que aparece no meio de palavras "caRo, maRé, etc", ok? 

Represento, também, o número 200.

Vamos repetir o meu nome?  Reish (Rêixi) ... Ficou esquisito?  É que no final termino com o som do ""ch ou x" do português.


Pessoal, eu sou a penúltima letrinha do Alef Beit. Se aparecer com um pontinho à direita, me chamam "Shin" . Você pode me encontram em palavras "shalom, shadai".  No português tenho o som do "Ch ou X", como em "chiclete, chupeta ou xícara, xereta".  Se o pontinho aparecer à esquerda eu sou o "Sin"e tenho o som do "S"no português.

Represento o número 300.

Repita comigo o meu som: Shin (Xín) /  Sin (Sín)



Sou o "Tav"  , a última letra do Alfabeto Hebraico e fui eternizada na Bíblia nas palavras de Yeshua: "Eu Sou o Alef e o Tav", mencionando a primeira e a última letras do Alef Beit.  Lindo, não é?

No português e em muitas línguas tenho o som do "T", como o "Tet".

Represento o numero 400.

Agora que você já me conhece, vamos repetir o meu nome?  Tav (Tav).

Pois é! Chegamos ao final desta primeira etapa da série "Conhecendo o Alef Beit" e,
para recordarmos todas as letrinhas, vamos acompanhar a musiquinha abaixo?
Espero, que tenham gostado! e deixem suas sugestões!