sábado, 18 de junho de 2011

AV HA'RACHAMIM (PAI DE MISERICÓRDIA) - VÍDEO

Olhando para o passado e comparando nossas lutas diárias com as daqueles que nos antecederam, podemos ver o quanto somos privilegiados, pois, eles desbravaram os caminhos da nossa fé e suportaram mortes, angústias e perseguições, simplesmente por existirem.
Parece até egoísmo quando por qualquer dificuldade nos desesperamos, nos revoltamos contra o Eterno e muitas vezes desistimos da própria fé, achando que as nossas preces não são ouvidas, apenas porque as coisas não se resolveram no momento que desejávamos (oh! Efraim!); muitos dos nossos problemas são apenas reflexos de nossos posicionamentos, nossas escolhas; não propriamente um levante de hasatan (do inimigo) contra nós.  
Como, estando ainda na carne (fisicamente falando) e tendo de resistir às tentações e paixões deste mundo, não seremos submetidos à provas? Não sofreremos decepções? Traições? Não viveremos dias de tristeza e angústia? Não sofreremos perdas?  Vivemos num mundo em que para reconhecermos o bem, precisamos da existência do mal!
Foi por isso que Yeshua nos escreveu: "NO MUNDO TEREIS AFLIÇÕES, mas TENDE BOM ÂNIMO (não percam a fé), Eu venci o mundo". Yochanann (João 16:33).
Ya'el Bat Yossef

A oração, chamada “Av Harachamim” (Pai de Misericórdia), foi composta em 1096, o ano da primeira cruzada, quando foram destruídas várias comunidades judias na região de Rhin (Reno).
Os sobreviventes a aqueles massacres, que presenciaram o sofrimento e a agonia dos mártires, invocaram ao Eterno, lhe pedindo a retribuição com Sua justiça aos que perpetraram semelhantes atos de crueldade.
         Esta oração memorial pelas almas dos mártires judeus, acredita-se que foi instituída pela primeira vez na Alemanha, e é recitada a cada Shabat (excetuando alguns Shabatot, nos quais se abençoa o mês que está por começar), logo depois da leitura da Torá, antes de devolvê-la à Arca. 
         Ao princípio, era recitada unicamente no Shabat anterior à festa de Shavuot, porque os piores massacres foram durante esses dias. Posteriormente, quando esta prece foi adotada pela maioria das congregações na Polônia e Europa do Este, fez-se extensiva para cada semana tal como se faz hoje em dia.
As palavras iniciais desta oração, dirigidas ao “Pai Misericordioso”, são uma declaração de que embora nosso povo tenha sofrido inumeráveis perseguições e martírios, não diminuiu o reconhecimento de que o Eterno é nosso Pai Misericordioso. Nosso raciocínio é muito limitado para compreender por que ocorrem esses tipos de coisas.
Ao mesmo tempo solicitamos que não tenha sido em vão a morte de homens, mulheres, meninos e Comunidades. Todas essas vítimas judias que foram destruídas pelos Cruzados em seu caminho a liberar a Terra de Israel do domínio muçulmano, poderiam haver-se salvado se tivessem aceito converter-se à religião de seus agressores. Em muitos casos, não havia mais necessidade que uma declaração verbal. Entretanto, eles se negaram.
É significativo também, que nesta oração se invoca a justiça Divina em favor dos homens justos de todas as nações.
A coragem de nossos antepassados deve nos motivar para a busca de fortalecimento em nosso cotidiano e o amor à vida (com a qual ele nos presenteou)
Tefilah Av Ha'rachamim"
 (Prece "Pai de Misericórdia) 

(baseada no livro Minha Prece do Rav. Nissan Mendel)

Pai misericordioso, que mora nas alturas excelsas, em sua profunda compaixão, recorde com misericórdia aos piedosos, os retos e os íntegros, as Santas Comunidades, que ofereceram suas vidas pela santificação do Sagrado Nome.
Foram amados e amáveis em suas vidas e em sua morte não se separaram (do Eterno),
Foram mais velozes que as águias, mais fortes que os leões, para executar a vontade de seu Criador.
Que nosso Elohim os recorde com compaixão, junto aos outros justos do mundo, vindique o derramamento do sangue de seus servos, como está escrito na Torah de Mosheh, homem consagrado ao Eterno:
Aclamai, ó nações, com alegria, o povo dEle, porque ele vingará o sangue dos seus servos; aos seus adversários retribuirá vingança, e fará expiação pela sua terra e pelo seu povo.” Devarim (Deuteronomio) 32:43
E por seus servos, os profetas, está escrito:
Eu purificarei (às nações de suas iniqüidades) Mas por (derramamento de sangue do justo) não os purificarei, Elohim mora em Tsion” Yoel (Joel) 4:21
E nas Sagradas Escrituras está dito:
Por que diriam as nações: Onde está o seu Elohim? Torne-se manifesta entre as nações, à nossa vista, a vingança do sangue derramado dos teus servos.” Tehilim (Salmos) 79:10
E está dito:
Pois ele, o vingador do sangue, se lembra deles; não se esquece do clamor dos aflitos. ” Tehilim (Salmos) 9:13

Shavuá Tóv!


fonte: http://www.restaurandoisrael.com.br


2 comentários:

  1. Shalom Ya'el,

    Lindo e emocionante o vídeo... A justificativa para tudo o que aconteceu com tantos justos de nosso povo, tantos mártires realmente não nos será permitido compreender... De qualquer forma, estes memoriais são importantes para que o mundo jamais se esqueça daquilo que foi feito para um povo ao longo de milhares de anos...

    Ontem conversava com a Kéia, ao ver a história de Levi Strauss, fundador do Grupo Levi's (jeans) e tudo o que passaram, as perdas, os sofrimentos e a vontade de começarem tudo de novo, do zero... Esta é a marca deste povo, nunca desistir, nunca se deixar abalar!!!

    Que o Eterno, Bendito Seja Ele, continue a cuidar de Am Yisra'el e que a Yehudá, em uma velocidade cada vez maior, sejam reveladas as Boas Novas, BH!!!

    Shavuá Tov,

    YM

    ResponderExcluir
  2. Por isso, é importante pararmos para pensar, antes de começamos a murmurar por coisas insignificantes, como quebrar o carro,perder o ônibus ou coisas parecidas rsrs ..

    ResponderExcluir