sexta-feira, 8 de agosto de 2014

O QUE FAZER PARA O SHABAT - ANTEPASTO DE BERINJELA À ITALIANA

Olá, pessoal ... Por motivos de enfermidade em família, ficamos alguns meses afastados do nosso Blog, mas, já estamos de volta e muito felizes por estar com vocês, compartilhando artigos, estudos e algumas receitinha fáceis e práticas para tornar nosso Shabat ainda mais agradável!Bete'avon!ANTEPASTO DE BERINJELA À ITALIANA
Ingredientes
  • 5 berinjelas pequenas
  • 3 pimentões vermelhos pequenos
  • 3 pimentões amarelos pequenos
  • 3 pimentões verdes pequenos
  • 5 cebolas médias
  • 5 dentes de alho grandes
  • 2 pimentas dedo-de-moça
  • 1 xícara (chá) de vinagre de vinho branco
  • 1 1/2 xícara (chá) de azeite de oliva extra virgem
  • 2 folhas de louro
  • 1 1/2 cubos de caldo de galinha esfarelados
  • Sal, pimenta-do-reino e orégano a gosto

Como fazer
Descasque as berinjelas e corte-as em fatias finas pelo comprimento. 
Sobreponha as fatias e corte-as em tiras finas e coloque-as na transversal. 
Vá colocando-as em um recipiente e salpicando as camadas com sal. 
Deixe descansar por meia hora. 
Enquanto isso fatie todos os demais legumes em juliana fina, inclusive o alho e a cebola. 
Escorra e lave bem as berinjelas, apertando com as mãos sob a água corrente para retirar o excesso de sal. 
Esprema mais uma vez, agora pra retirar o excesso de água. 
Escolha uma assadeira grande e coloque a berinjela e os legumes já cortados. 
Junte os cubos esfarelados e mais um pouquinho de sal ou apenas sal se preferir, orégano, pimenta dedo-de-moça picada, pimenta-do-reino, as folhas de louro rasgadas e o glutamato. 
Regue com o vinagre e 1 xícara do azeite, misture bem e leve ao forno pré- aquecido em temperatura média, sem cobrir. 
De vez em quando a abra o forno e misture tudo muito bem (a cada 20 minutos). 
Leva cerca de 1 hora e 30 minutos para ficar pronto. 
Retire do forno misture mais uma vez e corrija o sal se achar necessário, se quiser adicione mais orégano. 
Passe para um recipiente de vidro com tampa e adicione a 1/2 xícara de azeite restante. 
Aguarde esfriar e conserve na geladeira. 
Comece a servir pelo menos após 24 horas. 
Dura bastante tempo na geladeira. 
Sirva como entrada, com fatias de pão italiano ou baguete torradas ou frescas.
fonte: http://cybercook.com.br

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

SOBRENOMES SEFARDITAS (JUDEUS DE PORTUGAL, ESPANHA, ANDORRA E GIBRALTAR)

(Mapa do Território Sefardita na antiguidade)
Os judeus Sefarditas (do hebraico Sefardim, no singular Sefardi) são todos provenientes da Península Ibérica (Sefarad), por muitos séculos foram perseguidos durante o período da Inquisição Católica. E por este motivo, fugiram para países como Holanda e Reino Unido; além dos países do Norte da África e da América como: Brasil, Argentina, México e EUA; e desse modo, tiveram que seguir suas tradições secretamente como cripto judeus ou até mesmo abrir mãos das Tradições do Judaísmo, tudo em busca da sobrevivência. Sendo que alguns ainda tiveram que se converter forçadamente ao Cristianismo Católico.
Neste caso, a partir da Inquisição espanhola de 1478 até 1834, em que Judeus e inúmeros outros indivíduos, foram julgados por possíveis atos contra os preceitos da Igreja. Sendo que os Judeus foram expulsos da Espanha no ano de 1492. (9 de AV) 

Sobre o 9 de AV:
  • A destruição do Primeiro Templo
  • A destruição do Segundo Templo
  • O império romano arou todo o Monte do Templo destruindo todo vestígio que poderia ser identificado do Templo
  • Édito de Expulsão dos Judeus de Espanha, pelos Reis Católicos, Fernando de Aragão e Isabel de Castela, em 1492.

Perseguidos e desamparados, os Judeus espanhóis tiveram que se refugiar em Portugal. Estando lá, foram feitos escravos, embora conquistassem a liberdade em 1495, beneficiados com a Lei promulgada por D. Manoel ao subir ao trono. Mas em 1496, assinou um acordo que expulsaria todos os Judeus Sefarditas (ou Marranos) que não se sujeitassem ao batismo Católico. Sendo que no ano seguinte, as crianças Judias de até 14 anos foram obrigadas a se batizarem e em seguida adotadas por famílias Católicas.

Com a descoberta das terras brasileiras em 1500, pela a esquadra de Cabral, a sorte de muitos Judeus mudaria. Pois em 1503, o Judeu Fernando de Noronha com uma considerável lista de Judeus, apresenta o projeto de Colonização a D. Manoel. Porém, o Povo Judeu ainda passaria por mais um triste episódio, quando em 1506, milhares de Judeus foram mortos e queimados pelo Progom da capital portuguesa. Além de tais Judeus (Cristãos Novos) terem presenciado o contraditório D. Manoel estabelecer a lei que dava os liberdade e os mesmos direitos dos Católicos, em 01 de março de 1507. O mesmo D. Manoel que em 1515 solicita ao papa um sistema de Inquisição. semelhante ao espanhol.

E desse modo, a solução para estes Judeus Marranos, foram a de aderirem ao movimento de Colonização do Brasil, quando em 1516, D. Manoel distribui ferramentas gratuitamente a quem quisesse tentar a vida na Colônia.

Em 1524, D. João III confirma a Lei de D. Manoel (de 1507), que consolida a lei de direitos iguais aos convertidos à força. No ano de 1531, Martin Afonso de Souza (aluno do Judeu Pedro Nunes), recebe de D. João III a autorização de colonizar o Brasil sistematicamente. Em que 1533, o mesmo funda o primeiro engenho no Brasil.

Durante um bom tempo, os Judeus passaram por inúmeras revira-voltas quanto a benefícios, confiscos, inclusive a morte. Porém, os mesmos gozaram de plena liberdade religiosa durante o domínio holandês de 1637 a 1644 (na gestão de Maurício de Nassau), quando fundaram a primeira sinagoga no Brasil, a Zur Israel. Mas, com a retomada portuguesa em 1654, os Judeus foram de fato expulsos e alguns migraram para outros países.

No período de 1770 a 1824, os Judeus passam por mais uma fase de aceitação; sendo que em 25 de maio de 1773, é estabelecida a abolição dos termos Cristãos Novos (Judeus) e Cristãos Velhos (Católicos), passando todos a terem os mesmos benefícios e sem distinções.

A partir de 1824 os Judeus Sefarditas ou Marranos, passam por um período de “assimilação profunda”, isto é, inicia-se uma fase parcial esquecimento de suas Tradições, devido a séculos de repressão e pelo contato direto e extensivo com uma cultura etnocêntrica, que mesmo os aceitando perante as leis, tratavam-nos com desprezo e repressão. A solução mesmo, partiu do pressuposto do esquecimento e sectarismo, o que permitiu com que várias gerações crescessem sem ter uma real noção de suas legitimas raízes.

Desse modo, estima-se que no Brasil, vivam cerca de um décimo (1/10) ou até mesmo 35 milhões de Judeus Sefarditas, entre eles os Judeus Asquenazitas (provenientes da Europa Central e Oriental).
Assim, segue-se abaixo uma lista com os principais sobrenomes Sefarditas habitantes da Península Ibérica, e no decorrer do continente Americano, a exemplo do Brasil:        

 Sobrenomes Judaico-Sefarditas oriundos das regiões portuguesas de Alentejo, Beira-Baixa e Trás-os-Montes:
Judiaria na região de Trás-os-Montes

Amorim; Azevedo; Álvares; Avelar; Almeida; Barros; Basto; Belmonte; Bravo; Cáceres; Caetano; Campos; Carneiro; Carvalho; Crespo; Cruz; Dias; Duarte; Elias; Estrela; Ferreira; Franco; Gaiola; Gonçalves; Guerreiro; Henriques; Josué; Leão; Lemos; Lobo; Lombroso; Lopes; Lousada; Macias; Machado; Martins; Mascarenhas; Mattos; Meira; Mello e Canto; Mendes da Costa; Miranda; Montesino; Morão; Moreno; Morões; Mota; Moucada; Negro; Nunes; Oliveira; Ozório; Paiva; Pardo; Pilão; Pina; Pinto; Pessoa; Preto; Pizzarro; Ribeiro; Robles; Rodrigues; Rosa; Salvador; Souza; Torres; Vaz; Viana e Vargas.

Sobrenomes de famílias Judaico-Sefarditas na Diáspora para Holanda, Reino Unido e Américas:
Abrantes; Aguilar; Andrade; Brandão; Brito; Bueno; Cardoso; Carvalho; Castro; Costa; Coutinho; Dourado; Fonseca; Furtado; Gomes; Gouveia; Granjo; Henriques; Lara; Marques; Melo e Prado; Mesquita; Mendes; Neto; Nunes; Pereira; Pinheiro; Rodrigues; Rosa; Sarmento; Silva; Soares; Teixeira e Teles.

Sobrenomes judaico-Sefarditas na América Latina:
Almeida; Avelar; Bravo; Carvajal; Crespo; Duarte; Ferreira; Franco; Gato; Gonçalves; Guerreiro; Léon; Leão; Lopes; Leiria; Lobo; Lousada; Machorro; Martins; Montesino; Moreno; Mota; Macias; Miranda; Oliveira; Osório; Pardo; Pina; Pinto; Pimentel; Pizzarro; Querido; Rei; Ribeiro; Robles; Salvador; Solva; Torres e Viana.

Principais exemplos de Sobrenomes extraídos do Dicionário Sefarad:
A – Abreu; Abrunhosa; Affonseca; Affonso; Aguiar; Ayres; Alam; Alberto; Albuquerque; Alfaro; Almeida; Alonso; Alvade; Alvarado; Alvarenga; Álvares/Alvarez; Alvelos; Alveres; Alves; Alvim; Alvorada; Alvres; Amado; Amaral; Andrada; Andrade; Anta; Antonio; Antunes; Araújo; Arrabaca; Arroyo; Arroja; Aspalhão; Assumção; Athayde; Ávila; Avis; Azeda; Azeitado; Azeredo; Azevedo; B – Bacelar; Balão; Balboa; Balieyro; Baltiero; Bandes; Baptista; Barata; Barbalha; Barboza/Barbosa; Bareda; Barrajas; Barreira; Baretta; Baretto; Barros; Bastos; Bautista; Beirão; Belinque; Belmonte; Bello; Bentes; Bernal; Bernardes; Bezzera; Bicudo; Bispo; Bivar; Boccoro; Boned; Bonsucesso; Borges; Borralho; Botelho; Bragança; Brandão; Bravo; Brites; Brito; Brum; Bueno; Bulhão; C –Cabaço; Cabral; Cabreira; Cáceres; Caetano; Calassa; Caldas; Caldeira; Caldeyrão; Callado; Camacho; Câmara; Camejo; Caminha; Campo; Campos; Candeas; Capote; Cárceres; Cardozo/Cardoso; Carlos; Carneiro; Carranca; Carnide; Carreira; Carrilho; Carrollo; Carvalho; Casado; Casqueiro; Casseres; Castenheda; Castanho; Castelo; Castelo Branco; Castelhano; Castilho; Castro; Cazado; Cazales; Ceya; Céspedes; Chacla; Chacon; Chaves; Chito; Cid; Cobilhos; Coche; Coelho; Collaco; Contreiras; Cordeiro; Corgenaga; Coronel; Correa; Cortez; Corujo; Costa; Coutinho; Couto; Covilha; Crasto; Cruz; Cunha; D – Damas; Daniel; Datto; Delgado; Devet; Diamante; Dias; Diniz; Dionísio; Dique; Doria; Dorta; Dourado; Drago; Duarte; Duraes; E – Eliate; Escobar; Espadilha; Espinhosa; Espinoza; Esteves; Évora; F – Faísca; Falcão; Faria; Farinha; Faro; Farto; Fatexa; Febos; Feijão; Feijó; Fernandes; Ferrão; Ferraz; Ferreira; Ferro; Fialho; Fidalgo; Figueira; Figueiredo; Figueiro; Figueiroa; Flores; Fogaca; Fonseca; Fontes; Forro; Fraga; Fragozo; Franca; Francês; Francisco; Franco; Freire; Freitas; Froes/Frois; Furtado; G – Gabriel; Gago; Galante; Galego; Galeno; Gallo; Galvão; Gama; Gamboa; Gancoso; Ganso; Garcia; Gasto; Gavilao; Gil; Godinho; Godins; Góes; Gomes; Gonçalves; Gouvêa; Gracia; Gradis; Gramacho; Guadalupe; Guedes; Gueybara; Gueiros; Guerra; Guerreiro; Gusmão; Guterres; H – Henriques; Homem; I – Idanha; Iscol; Isidro; J – Jordão; Jorge; Jubim; Julião; L – Lafaia; Lago; Laguna; Lamy; Lara; Lassa; Leal; Leão; Ledesma; Leitão; Leite; Lemos; Lima; Liz; Lobo; Lopes; Loução; Loureiro; Lourenço; Louzada; Lucena; Luiz; Luna; Luzarte; M – Macedo; Machado; Machuca; Madeira; Madureira; Magalhães; Maia; Maioral; Maj; Maldonado; Malheiro; Manem; Manganês; Manhanas; Manoel; Manzona; Marca; Marques; Martins; Mascarenhas; Mattos; Matoso; Medalha; Medeiros; Medina; Melão; Mello; Mendanha; Mendes; Mendonça; Menezes; Mesquita; Mezas; Milão; Miles; Miranda; Moeda; Mogadouro; Mogo; Molina; Monforte; Monguinho; Moniz; Monsanto; Montearroyo; Monteiro; Montes; Montezinhos; Moraes; Morales; Morão; Morato; Moreas; Moreira; Moreno; Motta; Moura; Mouzinho; Munhoz; – Nabo; Nagera; Navarro; Negrão; Neves; Nicolao; Nobre; Nogueira; Noronha; Novaes; Nunes; O –Oliva; Olivares; Oliveira; Oróbio; – Pacham/Pachão/Paixão; Pacheco; Paes; Paiva; Palancho; Palhano; Pantoja; Pardo; Paredes; Parra; Páscoa; Passos; Paz; Pedrozo; Pegado; Peinado; Penalvo; Penha; Penso; Penteado; Peralta; Perdigão; Pereira; Peres; Pessoa; Pestana; Picanço; Pilar; Pimentel; Pina; Pineda; Pinhão; Pinheiro; Pinto; Pires; Pisco; Pissarro; Piteyra; Pizarro; Pombeiro; Ponte; Porto; Pouzado; Prado; Preto; Proença; Q – Quadros; Quaresma; Queiroz; Quental; R –Rabelo; Rabocha; Raphael; Ramalho; Ramires; Ramos; Rangel; Raposo; Rasquete; Rebello; Rego; Reis; Rezende; Ribeiro; Rios; Robles; Rocha; Rodriguez; Roldão; Romão; Romeiro; Rosário; Rosa; Rosas; Rozado; Ruivo; Ruiz; S – Sá; Salvador; Samora; Sampaio; Samuda; Sanches; Sandoval; Santarém; Santiago; Santos; Saraiva; Sarilho; Saro; Sarzedas; Seixas; Sena; Semedo; Sequeira; Seralvo; Serpa; Serqueira; Serra; Serrano; Serrão; Serveira; Silva; Silveira; Simão; Simões; Soares; Siqueira; Sodenha; Sodré; Soeyro; Sueyro; Soeiro; Sola; Solis; Sondo; Soutto; SouzaT – Tagarro; Tareu; Tavares; Taveira; Teixeira; Telles; Thomas; Toloza; Torres; Torrones; Tota; Tourinho; Tovar; Trigillos; Trigueiros; TrindadeU –Uchoa; V – Valladolid; Vale; Valle; Valença; Valente; Vareda; Vargas; Vasconcellos; Vasques; Vaz; Veiga; Veyga; Velasco; Vélez; Vellez; Velho; Veloso; Vergueiro; Viana; Vicente; Viegas; Vieyra; Viera; Vigo; Vilhalva; Vilhegas; Vilhena; Villa; Villalao; Villa-Lobos; Villanova; Villar; Villa Real; Villella; Vilela; Vizeu; X – Xavier; Ximinez; Z – Zuriaga.

Desse modo, vemos claramente que os Judeus fazem parte de uma enorme frente de formação da Península Ibérica, Norte da África e América. O que nos coloca em contato direto com um contexto cripto-judaico.

Como confirmar a descendência judaica?

Evidentemente que, nem sempre aqui no Brasil, ter o sobrenome judaico lhe dá a condição de Judeu descendente. Pois, havemos de concordar, que o país passou por inúmeros casos concernentes a erros de sobrenomes, no que diz respeito a grandes falhas nos cartórios responsáveis pelo registro de nomes e sobrenomes.

Assim, a melhor opção para quem se identifica com um sobrenome Judeu, é observar os seguintes fatores:

Os casamentos entre familiares (pois era uma forma de manter os bens entre as famílias judias e os pontos de vista em comum).

Tradições de cunho ligado à cultura hebraica em relação ao Cristianismo (considerando que o Cristianismo para esses era seguido por aparências, pois ambos foram convertidos forçadamente à religião Cristã Católica);

O levantamento histórico-genealógico (para confirmar se houve ou não alterações nos sobrenomes ao longo das gerações).

CONCLUSÃO
Portanto, fica evidente a existência de uma grandiosa cripto-Comunidade Judaica na Península Ibérica (Portugal e Espanha), assim como nos países do continente americano (a exemplo do Brasil) e africano. E com isso, percebemos o quanto à segregação e o etnocentrismo promovem a destruição de princípios, gerando um “câncer” na liberdade individual e conjunta, como também, na tradição religiosa. O que aglutina ainda mais a odiosidade entre as Religiões e os Povos, que se distanciam ainda mais de possíveis e saudáveis diálogos baseados no bom senso.    

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DESCENDENTES DE JUDEUS DA INQUISIÇÃO. Cronologia histórica da etnia judaica Ibero-Brasileira. Disponível em:. Acesso realizado em: 19 abr. 2009. 
CRUZ, Carla & RIBEIRO, Uirá. Metodologia cientifica: teoria e prática. 2ª ed. Rio de Janeiro: Axcel Books do Brasil, 2004.
LAMECH144. Judeus Anussins: nossa origem comum [mensagem geral: triangulodourado – yahoogrupos]. Mensagem recebida por em 23 dez. 2007.
WIKIPÉDIA. Sefardita. Disponpivel em: . Acesso realizado em: 18 abr. 2009.
Contribuição de José Ribeiro da Silva Júnior.

fonte: http://www.bneianussimbrasil.com/2012/10/sobrenomes-sefarditas.html

sábado, 8 de fevereiro de 2014

REFLEXÃO SEDRAH 147 e 148 - EM DEVARIM/DEUTERONÔMIO 34 (TEMÍVEL)

por Yossef Michael
Como definir Mosheh/Moisés? Como descrever seu relacionamento com o Criador? Como compreender sua missão?

Estas são perguntas que passaremos nossas vidas tentando responder, porém, honestamente, creio que jamais consigamos vislumbrar a dimensão do que se passou naqueles 120 anos em que Mosheh/Moisés pisou nesta terra.

Muitos tentam desqualifica-lo e, para isto, já assisti a verdadeiros “filmes de horror”, com afirmações infundadas, estapafúrdias e sem o menor sentido, num intuito único de transferir a importância do maior profeta que já esteve em meio ao povo do Eterno... Sim, transferência, pois tentam atribuir ao deus-homem uma relevância jamais prevista nas Escrituras... O mashiach/messias deles jamais foi digno, se é que ele existiu, de ser comparado a uma centelha desta importante figura, Mosheh/Moisés.

Nestas duas ultimas Sedrot, o Eterno nos apresenta bênçãos acerca das tribos de Yisra’El e traz a morte de Mosheh/Moisés, após ter-lhe mostrado toda a boa terra que havia dado, em honra à promessa feita a Avraham/Abraão, Yits’chak/Isaac e Ya’akov/Jacó, aos filhos de Yisra’El.
Para descrever os feitos de Mosheh/Moisés, o Eterno utiliza uma palavra única em todas as Escrituras, senão vejamos.

Devarim/Deuteronômio 34:12, “Porquanto em momento algum houve uma pessoa que demonstrasse tamanho poder como Mosheh/Moisés, tampouco realizasse as obras temíveis que Mosheh/Moisés ministrou à vista de todo o povo de Yisra’El”.

A palavra aqui traduzida como obras temíveis é, no hebraico, hamora. A palavra mora aparece em apenas outra interessante passagem das Escrituras.

Mal’achi/Malaquias 2:5, “Minha aliança com ele foi de vida e de paz, e Eu lhas dei para que temesse; então temeu-Me, e assombrou-se por causa do Meu nome”.

Mora é traduzida como temesse e, ao que tudo indica, a tradução parece bem apropriada. Mas qual o contexto da passagem de Mal’achi/Malaquias?

Mal’achi/Malaquias 2:1-4, “Agora, ó sacerdotes, este mandamento é para vós. Se não ouvirdes e se não propuserdes, no vosso coração, dar honra ao Meu nome, diz o Eterno dos Exércitos, enviarei a maldição contra vós, e amaldiçoarei as vossas bênçãos; e também já as tenho amaldiçoado, porque não aplicais a isso o coração. Eis que reprovarei a vossa semente, e espalharei esterco sobre os vossos rostos, o esterco das vossas festas solenes; e para junto deste sereis levados. Então sabereis que Eu vos enviei este mandamento, para que a Minha aliança fosse com Levi, diz o Eterno dos Exércitos”.

Se continuarmos a ler do passuk/versículo 5 até o 7 veremos que tal descrição é perfeitamente aplicável a Mosheh/Moisés, um bnei/filho Levi. Vemos a importância do temor, da reverência e da preocupação com o honrar o nome do Criador, expressas nesta passagem de Mal’achi/Malaquias de forma tão clara.

Encerrar a Torah falando acerca do temor que as obras de Mosheh representaram para aquela porção de mundo é sim tentar demonstrar que isto só poderia ter sido feito “através de” e não “por”, um homem, assim definido pela Torah.

Devarim/Deuteronômio 34:10-11, “Em Israel, todavia, nunca mais se levantou um profeta como Moisés, com quem YHWH houvesse dialogado face a face. Também jamais surgiu alguém que realizasse milagres, sinais portentosos e maravilhas semelhantes àquelas que Moisés, em obediência às ordens do SENHOR, fez no Egito contra o Faraó, contra todos os seus servos e exércitos, e contra a terra dos egípcios”.

O temor, a reverência e a obediência faziam parte do caráter de Mosheh/Moisés... Estudar sua história nos leva a recebermos um verdadeiro balde de água fria, pois percebemos nossa pequenez diante do Criador... Percebemos o quão irrelevante somos e o quanto é estúpida nossa cadeia de valores!!!

Mal’achi/Malaquias fala da aliança... Uma aliança estabelecida pelo Criador com apenas um povo, Yisra’El... Que o ensino das palavras de Sua Torah caberia exclusivamente a uma de Suas tribos, a de Levi, por conta do temor e da forma como haviam agido em situações extremas de idolatria... Sim, a tribo de Levi foi “a” escolhida... Mosheh/Moisés foi “o” maior profeta de todos os tempos e jamais se levantará outro como ele...

Esta aliança tem como base a obediência e o temor... Não um temor infundado, mas um temor à Sua Presença... Sabemos que Ele nos vê, que perscruta nossos corações e mentes a cada segundo, buscando incessantemente um espelho para Suas Palavras, buscando em nossos egoístas corações uma centelha daquela confiança que transpirava Mosheh/Moisés... Para que, a partir disto, possa fazer aquilo que Lhe é mais comum... Perdoar-nos!!! Agir com Sua incomensurável Misericórdia e Seu incompreensível e irrestrito Amor!!! Isto é Elohim... Misericórdia e Amor!!!

Somos dignos ou merecedores de tudo isto??? Claro que não... Mosheh/Moisés morreu sem entrar na Terra Prometida... O que se diria de nós, cujos umbigos estão acima de todas as coisas???

A realidade é dura... A verdade é uma só... Dependemos unicamente de Sua Misericórdia... Temos de aproveitar que Ele é Fiel e Sua Palavra jamais passa... Se não fosse isto, já estaríamos condenados... Não a um “inferno” como na teologia cristã, algo que absolutamente não existe, mas a uma vida sem sentido... Não termos uma direção, não sabermos o caminho, não podermos partilhar desta esperança seria como termos nossos corações atravessados por uma adaga... É este o sentimento que me vem à cabeça ao ler as últimas palavras da Torah...

Estamos em uma caminhada que NÃO nos levará ao céu... Uma caminhada cheia de dificuldades, sofrimento e tristeza... Uma caminhada cujo único propósito é O temermos e a Ele obedecermos, da melhor forma que nos é possível e para que este exemplo seja compreendido por nossos filhos e pelos filhos de nossos filhos... O resto é estultícia!!!

Que, no auge de Sua Misericórdia, Ele nos ajude a não nos deixarmos levar pela sedução do mundo a praticar a idolatria, seja ela declarada como o fazem as religiões ou mesmo a velada, que brota no mais profundo canto de nossos corações, quando a partir de uma simples ação, deixamos transparecer aquilo que lá habita em lugar de Sua Torah...

Que possamos amar a nossos filhos, como Mosheh/Moisés amou Seu povo... Que possamos nos entregar e nos dedicar à prática de Sua Torah, como Mosheh/Moisés se entregou... Que possamos honra-lO com nossos lábios, como somente um bnei/filho Levi pode fazê-lo...

Temível talvez seja o futuro daqueles que se recusam a andar por Seus Caminhos, mesmo conhecendo Sua Verdade, por rebeldia e por darem ouvidos a ensinamentos humanos e doutrinários que buscam sobreporem-se à Torah!!!


Que o Eterno, Bendito Seja, tenha misericórdia de quem Lhe aprouver...
Shabat Shalom!!!
Chazak, Chazak Venit Chazek!
(Força, força e que sejamos fortalecidos!)